Menu
2019-04-04T11:30:17+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Articulação pela reforma

Onyx: reunião de Bolsonaro com líderes de siglas é 1º passo para abrir governo

Bolsonaro recebe os presidentes das siglas para tratar da aprovação da reforma da Previdência na Câmara e no Senado. Geraldo Alckmin é um dos que vão participar da reunião nesta quinta-feira (4)

3 de abril de 2019
13:00 - atualizado às 11:30
Onyx Lorenzoni
Onyx Lorenzoni - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM), afirmou que a série de encontros entre o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e os o dirigentes dos principais partidos políticos é o primeiro passo para abrir o governo às outras legendas.

Oficialmente, só o PSL faz apoio formal ao governo, o que não se traduz necessariamente em cargos. Para o ministro, primeiro é necessário o diálogo para depois convidar e "abrir as portas". "Para que tenhamos uma base constituída, a gente precisa dialogar, convidar e abrir as portas. É o que nós estamos fazendo", afirmou o ministro nesta quarta-feira, 3, após reunião com da Executiva do DEM no Congresso.

Bolsonaro recebe os presidentes das siglas para tratar da aprovação da reforma da Previdência na Câmara e no Senado. O presidente do PSDB e ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin é um dos que vão participar da reunião com Bolsonaro na quinta-feira, 4. Também estão previstos encontros com Romero Jucá (MDB), Ciro Nogueira (PP), Marcos Pereira (PRB), Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM), Eurípedes de Macedo Júnior (PROS) e Antonio Carlos Rodrigues (PR).

Segundo o ministro, após a rodada de conversas, o governo vai fazer o convite ao partidos e "abrir as portas". De acordo com ele, a construção da base será expressada na votação da reforma da Previdência. Lorenzoni disse ainda que a consolidação do apoio passa pelas direções partidárias.

Questionado se seria um convite aos partidos para participar do governo, ele respondeu: "é o que estamos fazendo. Abrindo as portas para que (com) os presidentes dos partidos pela via institucional, transparente, a gente faça um diálogo a favor do País."

O encontro com o presidente do DEM era o único que estava marcado. ACM Neto ao lado de Lorenzoni tentam reconstruir as pontos entre Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Aliados chegaram a cogitar um jantar ainda nesta quarta-feira quando Bolsonaro chegasse da viagem a Israel. Mas os dois recusaram.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ofereceu para intermediar um encontro entre Maia e Bolsonaro, mas novamente o convite foi recusado pela dupla. Um dos responsáveis pela aproximação nos bastidores afirmou à reportagem: "É momento de fugir dos holofotes".

Tarde demais?

Na avaliação de ACM Neto, ainda há tempo para que Bolsonaro organize uma base para votar a reforma da Previdência no Congresso.

"Não é tarde. O governo tem três meses que começou. Ainda tem quase quatro anos pela frente. Está apenas começando essa jornada", disse ACM Neto, que será um dos dirigentes a se encontrar com o presidente nesta quinta. "É oportuna esta conversa. Dá tempo de organizar, sim", enfatizou.

A possibilidade de apoio formal do DEM ao governo, no entanto, não será tema do encontro, de acordo com o dirigente da legenda. "Vamos aguardar a abordagem que o presidente vai fazer."

ACM declarou que o partido está preocupado em avançar na agenda da reforma, mas ponderou ser "fundamental que o governo entenda que é preciso ter uma base".

"É a primeira reunião que vou ter no ano de 2019 com o presidente da República. Entendo que o governo está em uma fase de alinhamento da sua estratégia política de diálogo com os partidos, o que é importante", afirmou.

Questionado se haveria encontro entre os dirigentes para alinhar o discurso com Bolsonaro, ACM Neto rejeitou: "Não vou participar de reunião a não ser esta do Democratas (disse em relação a possibilidade de um encontro de ajustes com outros presidentes que serão recebidos pelo presidente)".

"Não vamos participar de movimento coletivo para criar dificuldades para depois colher dificuldades."

*Com Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Próximos passos

Banco dos BRICS quer trabalhar com mais empréstimos em moedas locais

NDB tem como foco o financiamento de projetos no Brasil, na Rússia, na Índia, na China e na África do Sul

Trato feito

Grupo Prumo e Siemens AG assinam acordo de cooperação em projetos de energia

Assinatura ocorreu durante a reunião do BRICs, em cerimônia que contou com a presença dos principais executivos das companhias envolvidas

Ficou difícil

Negociação EUA-China trava por questão de compras agrícolas, dizem fontes

Impasse sobre agricultura cria outro obstáculo no caso, conforme Pequim e Washington tentam fechar a fase 1 do acordo

Mantendo relações

Bolsonaro confirma viagem à Índia em janeiro de 2020

Mais cedo, presidente teve reunião com o presidente da China, Xi Jinping, para a assinatura de acordos bilaterais

Hora de comprar

Quer uma ação com potencial de alta de 20%? o J.P. Morgan recomenda a Totvs

Apesar de as ações ON da Totvs já acumularem ganhos de mais de 125% em 2019, o J.P. Morgan ainda vê espaço para valorização nos papéis até o ano que vem

Reação do mercado

C&A frustra expectativas em primeiro balanço após IPO e ações caem forte

Um dos pontos que chamaram a atenção no balanço da companhia foi o fato de que o lucro líquido fechou o terceiro trimestre com queda de 40,5%, ante o mesmo período de 2018, assim como o fato de que a companhia perdeu poder competitivo e houve desaceleração das vendas nas mesmas lojas

Tribunal da concorrência

Cade vai revisar compra da Fox pela Disney, já que Fox Sports não foi vendida

Em sua sentença, o tribunal concorrencial condicionou a aprovação do negócio à venda do canal Fox Sports, o que não ocorreu até agora

Dá-lhe recuperação

Lucro das três maiores estatais brasileiras no ano até setembro atinge o maior valor em 26 anos

Resultado de R$ 52,065 bilhões em 2019 é 53% superior ao acumulado no mesmo período de 2018, de R$ 33,966 bilhões

Entrando dólares

Fluxo cambial total em novembro até dia 8 é positivo em US$ 256 milhões

Resultado inicia o mês positivo depois de encerrar outubro com saídas líquidas de US$ 8,494 bilhões

Precisa melhorar isso aí

Em reunião em Brasília, representantes dos BRICS dizem que cooperação do grupo está aquém do potencial

Grupo realiza nesta quarta-feira uma série de encontros e debates em Brasília para decidir os seus próximos passos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements