Menu
2019-05-08T23:02:11+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
A política como ela é

Não teve Tchutchuca nem Tigrão, mas teve algo melhor: aceno de voto

Audiência de Paulo Guedes na Comissão Especial da reforma da Previdência mostra maior coesão dos partidos favoráveis à reforma

8 de maio de 2019
21:21 - atualizado às 23:02
Paulo Guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes, em audiência na Comissão Especial da reforma da Previdência - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Não teve Tchutchuca, nem Tigrão para deleite da plateia. Apenas alguns naturais entreveros aconteceram na audiência do ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão Especial da reforma da Previdência. O ponto a ser destacado é menos aparente, uma maior coesão dos partidos de centro em torno da proposta. Isso é o que importa, pois é aí que estão os votos necessários à aprovação da reforma.

Isso é resultado da mudança na postura do governo, já costurada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), e aprofundada nas últimas semanas, até mesmo com aval para a recriação de Ministérios.

É a política sendo feita, com seus instrumentos de negociação, barganha e “toma lá, dá cá”, que podem ser moralmente condenáveis, mas é assim que as coisas são. A lógica da política, o poder, é incontornável. A questão é o grau de utilização desses instrumentos e o objetivo que o governo de plantão busca com eles.

Ao longo do mês teremos dezenas de novas audiências públicas, onde os diferentes grupos de interesse vão defender “o seu”. Como já argumentamos em outras ocasiões, quanto mais tempo essas discussões tomarem, menor é o número de votos que o governo tem para levar a matéria ao plenário. O mesmo vale para a desidratação da reforma, ou quanto vai sobrar da ideia inicial de economizar R$ 1,2 trilhão em dez anos.

A audiência

O presidente Marcelo Ramos (PR-AM) adotou uma postura firme, contendo os ânimos tanto dos parlamentares, quanto de Guedes, quando as provocações escapavam para o lado pessoal. Outro ponto interessante, e que funcionou, foi intercalar falas favoráveis e contrárias. Além disso, ocorreram votações nominais na Câmara, o que reduziu o número de deputados presentes ao longo da sessão.

Em termos de conteúdo, depois da fala de Guedes, o secretário especial de Previdência, Rogério Marinho, fez uma detalhada explanação dos dados que vinham sendo cobrados. Mas não adiantou muito, pois as discussões não são técnicas, mas sempre políticas.

Assim, vimos, novamente, a oposição atacando a proposta, falando que ela prejudica os mais pobres, quer dar dinheiro aos banqueiros e afins. No outro lado, elogios à proposta e até algumas manifestações de “cortar na carne”, como a dada por um deputado que é policial (regime especial).

Os pontos mais criticados foram as mudanças na aposentadoria rural, BPC e aposentadoria das mulheres. São pontos que parecem já estar na “conta” de que serão modificados. No entanto, parece haver algum consenso para tornar o recebimento antecipado do BPC em ponto facultativo.

Guedes insistiu no seu R$ 1 trilhão de economia, sem o qual não consegue lançar o regime de capitalização. Esse ponto também é muito pouco compreendido pelos parlamentares, já que o governo tão tem um desenho do regime de capitalização, mas sim está pedindo uma autorização para, se tudo correr bem, começar a discutir essa nova modalidade.

Esse parece ser um ponto que vai exigir muita negociação para seguir na reforma. De acordo com o ministro, se a reforma for de R$ 700 bilhões, não teremos capitalização.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Não está sendo fácil

Deu ruim pra Cielo! Empresa retira projeção de lucro e corta dividendos dos acionistas

Projeções de lucro entre R$ 2,3 bilhões e R$ 2,6 bilhões foram extintas, enquanto o percentual de distribuição de dividendos caiu para 30%

Só assim resolve!

Se não aprovar a Previdência, só chamando um ministro da Alquimia, diz Bolsonaro

Segundo presidente, mídia tenta criar atrito, mas casamento com Paulo Guedes segue mais forte que nunca. Ministério da Economia solta nota oficial

Seu Dinheiro na sua noite

Paisagem na janela

O mercado financeiro tem todo um linguajar próprio, com uma penca de termos em inglês. Alguns deles já foram “tropicalizados”, por assim dizer, e fazem parte do dia a dia de quem acompanha as negociações. É o caso do IPO, que é a sigla para oferta pública inicial (ou initial public offering), como é chamada […]

Tudo pelo teto de gastos

FMI diz que ajuste fiscal depende de idade mínima e redução de benefícios de servidores

Fundo afirma que uma reforma robusta e medidas adicionais na área fiscal são necessárias para colocar a dívida pública em trajetória sustentável

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast: Natura e Avon no mesmo pote e o dia depois do ‘tsunami’

Semana foi marcada por negócio bilionário no segmento de beleza, briga pela Netshoes e novidades no front político.

Conquistando aliados

Entidades assinam manifesto pró-reforma da Previdência

Empresários alegam ter confiança na aprovação do texto e dizem que as mudanças são um primeiro passo para a retomada da confiança

Cenário de emprego misto

Caged aponta criação de 129 mil empregos formais em abril; serviços lideram vagas

Resultado divulgado pelo governo, em linha com as expectativas de mercado, foi o melhor para o mês desde 2013

Se quiser ir, vai

Ninguém é obrigado a ficar como ministro, diz Bolsonaro sobre fala de Guedes

Na linha defendida por seu ministro da Economia, presidente voltou a dizer que sem a reforma previdenciária “será o caos na economia”

Privatizações

“Brasil é locomotiva atolada no brejo, precisamos colocá-la sobre os trilhos”, diz Salim Mattar

O secretário responsável pelas privatizações do governo Bolsonaro afirmou mais uma vez que não conhece nenhuma estatal eficiente. “Se alguém encontrar me manda um WhatsApp.”

Mais casos de corrupção

Líder do governo Bolsonaro no Senado está entre os alvos da Lava Jato com bens bloqueados

Senador Fernando Bezerra Coelho é acusar de cometer desvios em negócios relacionados ao esquema de corrupção na Petrobras

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements