Menu
2019-05-29T18:00:11-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Quem vai levar?

Magazine Luiza e Centauro disputam uma corrida — e quem ganha medalha é o acionista da Netshoes

As ações da Netshoes acumulam ganhos de mais de 80% desde o dia 23, quando a Centauro entrou numa prova de resistência contra o Magazine Luiza para tentar comprar a empresa. E, perto da reta final, a disputa está palmo a palmo

29 de maio de 2019
15:32 - atualizado às 18:00
Corrida de rua
Corrida de rua - Imagem: Shutterstock

Eu já fui um praticante amador de corridas de longa distância — lesões e falta de tempo fizeram com que eu pendurasse os tênis. Mas já participei de diversas provas de rua e ainda gosto de ler sobre o assunto. E, sempre que possível, assisto alguma transmissão da modalidade na TV.

Como ex-atleta , eu sei que uma corrida de longa distância não se resolve nos primeiros metros. Então, por mais que algum competidor dispare na liderança logo de cara, é melhor continuar atento: alguém pode encostar nele ao longo do trajeto.

A disputa pela Netshoes é uma prova que exige fôlego. O Magazine Luiza saiu na frente e chegou a fechar um acordo para a compra da empresa. Mas, quem desligou a TV e vendeu as ações da Netshoes ao ver a Magalu isolada na liderança, se deu mal.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Como quem não quer nada, a Centauro apertou o passo e encostou na liderança da corrida. A poucos metros da linha de chegada, os dois competidores estão lado a lado, separados por um fio de cabelo — e a audiência na transmissão dessa prova só cresce.

Vamos aos números: em 29 de abril, as ações da Netshoes negociadas na na bolsa de Nova York (NETS) valiam US$ 2,65. Foi neste dia que o Magazine Luiza anunciou o fechamento de um acordo de compra da empresa, por US$ 62 milhões — o equivalente a US$ 2,00 por ação do site de artigos esportivos.

Como resultado, os papéis da Netshoes despencaram para exatos US$ 2,00 na sessão seguinte — e ficaram nessa faixa por um bom tempo —, com o mercado dando a operação como certa. Mas quem apostou que a corrida ainda não estava definida e segurou os papéis da empresa se deu bem.

Isso porque a Centauro respirou fundo e partiu para um sprint. Em 23 de maio, a companhia fez uma oferta hostil para comprar a Netshoes, colocando US$ 87 milhões na mesa — ou US$ 2,80 por papel da rival.

A reação foi imediata: os ativos da Netshoes, que valiam US$ 1,96, saltaram para US$ 2,82. E, a partir daí, a corrida pegou fogo.

O Magazine Luiza reagiu e, em 26 de maio, elevou sua proposta a US$ 93 milhões (US$ 3,00 por ação da Netshoes). A Centauro não deixou barato: aumentou seu lance para US$ 108,7 milhões (US$ 3,50 por papel).

O resultado dessa perseguição foi um salto nas ações da Netshoes: nesta quarta-feira (29), os papéis da empresa fecharam em alta de 21,31%, a US$ 3,70 — desde que a Centauro entrou na briga, os ativos da companhia acumulam ganho de 88,70%.

No entanto, é importante ressaltar que os papéis da Netshoes acumulam forte desvalorização desde a estreia na bolsa de Nova York — as ações da empresa valiam US$ 18,00 quando começaram a ser negociadas, em 12 de abril de 2017.

Reta final

Agora, a corrida se aproxima dos últimos metros, já que a assembleia de acionistas da Netshoes para decidir o destino da empresa está agendada para esta quinta-feira (30).

Logo após o Magazine Luiza elevar sua oferta para US$ 3,00 por papel, a diretoria da Netshoes recomendou aos acionistas que votassem a favor da transação, uma vez que as autoridades reguladoras brasileiras já haviam dado sinal verde à operação — o que facilitaria a conclusão do negócio.

No mesmo documento, a administração da empresa ainda diz que qualquer potencial transação com o Grupo SBF — dono da Centauro —, caso acertada, envolveria a convocação de uma nova assembleia de acionistas e um novo processo de revisão pelas autoridades concorrenciais.

"Essa nova revisão poderia envolver um processo potencialmente longo, o que levaria a maiores atrasos e incertezas", diz a administração da Netshoes, em documento enviado à Securities and Exchange Commission (SEC, órgão americano semelhante à CVM). "É de interesse dos acionistas da Netshoes assegurar uma transação com um cronograma previsível, dadas as pressões no fluxo de caixa operacional e a condição financeira da empresa".

Esse documento, contudo, foi feito antes de a Centauro subir sua oferta para US$ 3,50 por ação da Netshoes. Vale lembrar, ainda, que o Magazine Luiza pode fazer um novo lance antes  da assembleia de amanhã — mas, mesmo que o Magalu perca fôlego na reta final, o mercado parece otimista quanto às chances de os acionistas da Netshoes comemorarem a vitória da Centauro na corrida.

Troféu para o vencedor

Atentos à disputa, analistas já ponderaram os prós e contras da aquisição da Netshoes.

Caso o Magazine Luiza suba ao degrau mais alto do pódio, os especialistas destacam que a operação tem potencial para diversificar a plataforma online da Magalu. Por outro lado, os analistas ressaltam que a empresa não possui um histórico relevante de crescimento via fusões e aquisições — assim, a transação pode trazer "distrações" à companhia.

Mas se a medalha de ouro ficar com a Centauro, a percepção é a de que a união com a Netshoes será importante, do ponto de vista estratégico, para aumentar a participação de mercado da empresa no segmento de artigos esportivos.

Em relatório divulgado nesta manhã, o BTG Pactual ressalta que a compra da Netshoes faria o canal online da Centauro dar um salto nas vendas totais da empresa, passando dos atuais 16% para 45% após a aquisição. "Também melhoraria a perspectiva competitiva da Centauro, não só pela integração com seu principal competidor mas também por prevenir crescimento futuro da Netshoes sob uma nova estrutura de administração".

Mas o BTG Pactual também pondera que, em meio aos problemas da Netshoes — cerca de 70% das obrigações financeiras da empresa têm vencimento no curto prazo —, é importante para a companhia que a operação seja concluída num prazo razoável e previsível, o que dá vantagem ao Magazine Luiza.

"A operação, assim, é uma equação que inclui não só o preço a ser pago, mas também o prazo para conclusão", escrevem os analistas Luiz Guanais e Gabriel Savi.

Portanto, continue atento. A corrida pela Netshoes ainda está em aberto.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

mais próximo do brexit

Boris Johnson vence eleições no Reino Unido

Primeiro-ministro, que havia sucedido Theresa May na missão de liderar o Brexit num movimento interno do Parlamento, agora tem a chancela eleitoral

A Bula do Mercado

Mercado comemora fim das incertezas

Vitória de Boris Johnson nas eleições, abrindo caminho para o Brexit, e progresso em direção a acordo comercial limitado entre EUA e China embalam os mercados

Olhe para eles com carinho

Fundos de investimento podem abrir as portas de uma festa para a qual não te convidaram

Ofertas públicas de ações, debêntures e outros ativos estão bombando, mas boa parte delas não é aberta às pessoas físicas. Mas você pode conseguir pegar carona num fundo de investimento…

INVESTIMENTOS

Suzano anuncia investimentos de R$ 4,4 bilhões em 2020

Além disso, a Suzano vai investir mais R$ 400 milhões em aquisição e/ou formação de terras e florestas

acordo EUA x CHINA

Casa Branca sinaliza que assinará acordo comercial limitado entre EUA e China

Trump se reuniu com importantes assessores econômicos e comerciais por uma hora nesta quinta-feira. A fonte disse que o acordo pode ser confirmado já nesta sexta-feira

INVESTIMENTOS

Para Freitas, decisão da S&P é “excelente” para atrair investimentos

O ministro prevê que a melhora de perspectiva para o Brasil pelas agências de rating vai impulsionar investimentos para as mais de 40 concessões que pretende vender em leilões em 2020

seu dinheiro na sua noite

Café com gosto amargo para a B3

Estive na manhã de hoje em um evento promovido pela bolsa brasileira B3 com advogados, representantes de bancos e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a xerife do mercado de capitais brasileiro. Com o Ibovespa alcançando mais um recorde hoje, em meio a um volume histórico de ofertas de ações realizadas no mercado brasileiro, 2019 […]

112.199,74 pontos

Copom, S&P e Trump dão força ao mercado e fazem o Ibovespa quebrar novos recordes

Impulsionado pelo corte na Selic, pela visão otimista da S&P em relação ao Brasil e pela perspectiva de acerto entre EUA e China, o Ibovespa rompeu o nível dos 112 mil pontos pela primeira vez

PROBLEMAS NO BALANÇO

Via Varejo confirma fraude contábil, com impacto de até R$ 1,4 bilhão no resultado do 4º trimestre

Segundo o documento, houve manipulação da provisão trabalhista da companhia e diferimento indevido na baixa de ativos e contabilização de passivos

RECOMENDAÇÃO

UBS eleva ações da Localiza para compra e inicia cobertura de Unidas e Movida como neutra

O UBS também aumentou o preço-alvo dos papéis ordinários da empresa para R$ 56, ante R$ 47,80, o que representaria uma alta de quase 23% em relação ao fechamento do pregão da última terça-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements