Menu
2019-04-04T14:17:24+00:00
Status: em construção

Líder do governo na Câmara diz que base aliada ainda não está formada e não garante apoio de partidos

Deputado Vitor Hugo (PSL-GO) disse que hoje pode garantir o apoio de apenas 54 dos 513 deputados

11 de fevereiro de 2019
19:24 - atualizado às 14:17
major-vitor-hugo
Vitor Hugo se reuniu com Onyx Lorenzoni e Alberto Santos Cruz para tratar da articulação com o Congresso - Imagem: Instagram/Reprodução

O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), considera que o governo Jair Bolsonaro ainda não possui base aliada formada e garante o apoio de apenas 54 dos 513 deputados, considerando os integrantes do seu partido. "Vamos caminhar para ter uma base. Agora é difícil falar em números", declarou. Para aprovar a reforma da Previdência, o governo precisa de pelo menos 308 votos.

"Não dá para falar agora um número, qualquer número seria precoce. Até porque eu não quero caracterizar que exista já uma base, a base vai ser construída", afirmou ao ser questionado sobre a estimativa de quantos deputados integram a base.

Vitor Hugo se reuniu com os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e da Secretaria de Governo, Alberto Santos Cruz, nesta segunda-feira (11), para tratar da articulação com o Congresso e tentar superar as "dificuldades iniciais".

Na semana passada, a primeira reunião convocada por Vitor Hugo com os líderes partidários da Casa teve baixo quórum. Alguns parlamentares criticaram os termos usados pela assessoria de Vitor Hugo no convite. Hoje, ele reforçou que fez o convite pessoalmente aos líderes, que depois foi reforçado por e-mail e Whatsapp, por iniciativa da assessoria.

Vitor Hugo justificou que não é possível estimar o número total de aliados no momento porque houve uma "ruptura" ideológica com a eleição de Bolsonaro, que se elegeu com a coligação de apenas dois partidos, o PSL e o PRTB. Antes, disse que os ex-presidentes "loteavam" os ministérios e era fácil dizer qual era a base e convocá-los para reuniões. Agora, avalia que a situação é diferente e isso ocorrerá de forma paulatina.

Indagado sobre a participação do DEM na base, que possui três ministros indicados, disse que eles foram escolhas do presidente a partir das bancadas temáticas e também não garantiu apoio [do partido]. O deputado também ponderou que os anúncios dos partidos que farão parte da base aliada terão que ser feito por eles.

"Os anúncios têm que ser feitos pelos próprios partidos. Eu não posso partir do princípio de que existe uma base. E mesmo os ministros do DEM não foram indicados pelo partido. Foram escolhas pessoais do presidente a partir de indicações de bancadas temáticas. Então não posso garantir, a não ser, lógico, o próprio PSL, que é o partido do presidente, de que outro partido esteja na base. Por respeito aos líderes e aos partidos, vamos esperar que cada partido se declare da base ou não."

Para ele, é "natural que a aproximação se dê de forma mais cuidadosa, com aproximações sucessivas, porque não houve coligação para a eleição do presidente".

"A ruptura maior em termos ideológicos e até políticas nos últimos 16 anos se deu nesse momento. As bases vinham se repetindo porque governos eram todos de esquerda, foi um governo mais à direita com o Temer, mas agora bem caracterizado com Bolsonaro."

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Seu Dinheiro na sua noite

Insiste em zero a zero e eu quero um a um

Você disse que não sabe se não. Mas também não tem certeza que sim. Se Djavan fosse um analista de mercado, representaria o sentimento dos investidores sobre o que vai acontecer com as taxas de juros no país. Para muita gente, não é mais uma questão de “se”, mas de “quando” a Selic vai cair. […]

Tá liberado!

Governo amplia setores autorizados a trabalhar aos domingos e feriados

A partir de hoje, 78 setores estão autorizados a funcionar nesses dias. Entre os novos segmentos está o comércio em geral

Agora vai?

Leilão de ativos da Avianca Brasil acontecerá no dia 10 de julho

Colegiado de desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo liberou a decisão sobre a na manhã de ontem

Preenchendo a vaga

À espera de aprovação do nome de Montezano, BNDES nomeia presidente interino

Nome do atual diretor de finanças da instituição, José Flávio Ferreira Ramos, foi indicado para ocupar o posto provisoriamente

O rombo em forma de dados

Mansueto: dos 26 Estados mais DF, 14 gastam acima do limite de 60% com pessoal

Percentual abordado pelo secretário o Tesouro Nacional foi estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal

Olha eles aí outra vez

Deputados favoráveis à reforma da Previdência defendem volta da capitalização e de Estados

Sessão para debates sobre o relatório na comissão especial da reforma da Previdência na Câmara contou com várias defesas dos pontos retirados

negócio fechado

Embraer assina cooperação estratégica com a Elta para desenvolver P600 AEW

Com o acordo, as duas empresas criam um novo segmento de mercado, o de AEW; aeronave de última geração foi concebida para atuar em um novo segmento do mercado

acelerou! (um pouquinho)

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,29% em maio em 10 capitais, diz associação

A Abecip avaliou, em nota, que as altas nos preços dos imóveis residenciais na maioria das capitais ainda não resultam em uma recomposição dos valores dos imóveis em termos reais.

temos um impasse

Virtualmente demitido, presidente dos Correios diz que só deixa o cargo com pedido formal

Bolsonaro disse na última sexta-feira que demitiria o presidente dos Correios pelo comportamento “sindicalista”; mas ele não deixou o cargo: ontem foi trabalhar normalmente e disse, em palestra, que só sai com formalização da demissão

Blog da Angela

Nativos e gringos soltam o verbo e mercados comemoram

Discurso afinado de relator sobre capitalização na Previdência anima; Draghi levanta a bola e Trump corta com categoria – para o Federal Reserve

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements