Menu
Status: em construção

Líder do governo na Câmara diz que base aliada ainda não está formada e não garante apoio de partidos

Deputado Vitor Hugo (PSL-GO) disse que hoje pode garantir o apoio de apenas 54 dos 513 deputados

11 de fevereiro de 2019
19:24 - atualizado às 14:17
major-vitor-hugo
Vitor Hugo se reuniu com Onyx Lorenzoni e Alberto Santos Cruz para tratar da articulação com o Congresso - Imagem: Instagram/Reprodução

O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), considera que o governo Jair Bolsonaro ainda não possui base aliada formada e garante o apoio de apenas 54 dos 513 deputados, considerando os integrantes do seu partido. "Vamos caminhar para ter uma base. Agora é difícil falar em números", declarou. Para aprovar a reforma da Previdência, o governo precisa de pelo menos 308 votos.

"Não dá para falar agora um número, qualquer número seria precoce. Até porque eu não quero caracterizar que exista já uma base, a base vai ser construída", afirmou ao ser questionado sobre a estimativa de quantos deputados integram a base.

Vitor Hugo se reuniu com os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e da Secretaria de Governo, Alberto Santos Cruz, nesta segunda-feira (11), para tratar da articulação com o Congresso e tentar superar as "dificuldades iniciais".

Na semana passada, a primeira reunião convocada por Vitor Hugo com os líderes partidários da Casa teve baixo quórum. Alguns parlamentares criticaram os termos usados pela assessoria de Vitor Hugo no convite. Hoje, ele reforçou que fez o convite pessoalmente aos líderes, que depois foi reforçado por e-mail e Whatsapp, por iniciativa da assessoria.

Vitor Hugo justificou que não é possível estimar o número total de aliados no momento porque houve uma "ruptura" ideológica com a eleição de Bolsonaro, que se elegeu com a coligação de apenas dois partidos, o PSL e o PRTB. Antes, disse que os ex-presidentes "loteavam" os ministérios e era fácil dizer qual era a base e convocá-los para reuniões. Agora, avalia que a situação é diferente e isso ocorrerá de forma paulatina.

Indagado sobre a participação do DEM na base, que possui três ministros indicados, disse que eles foram escolhas do presidente a partir das bancadas temáticas e também não garantiu apoio [do partido]. O deputado também ponderou que os anúncios dos partidos que farão parte da base aliada terão que ser feito por eles.

"Os anúncios têm que ser feitos pelos próprios partidos. Eu não posso partir do princípio de que existe uma base. E mesmo os ministros do DEM não foram indicados pelo partido. Foram escolhas pessoais do presidente a partir de indicações de bancadas temáticas. Então não posso garantir, a não ser, lógico, o próprio PSL, que é o partido do presidente, de que outro partido esteja na base. Por respeito aos líderes e aos partidos, vamos esperar que cada partido se declare da base ou não."

Para ele, é "natural que a aproximação se dê de forma mais cuidadosa, com aproximações sucessivas, porque não houve coligação para a eleição do presidente".

"A ruptura maior em termos ideológicos e até políticas nos últimos 16 anos se deu nesse momento. As bases vinham se repetindo porque governos eram todos de esquerda, foi um governo mais à direita com o Temer, mas agora bem caracterizado com Bolsonaro."

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Seu Dinheiro na sua noite

Revelações de um apaixonado

Como parte do meu trabalho como jornalista, preciso acompanhar com frequência eventos na área de economia e finanças, principalmente aqueles que contam com a presença de autoridades do governo. Depois de um certo tempo, esse tipo de pauta se torna um tanto repetitiva. Não faltam nessas ocasiões previsões para o crescimento do PIB, perspectivas para […]

Balanço

Sob pressão da concorrência, lucro da Cielo cai 40,4% no 1º trimestre

Resultado da empresa de maquininhas de cartão controlada por Banco do Brasil e Bradesco nos três primeiros meses do ano somou R$ 548,5 milhões e ficou abaixo das projeções do mercado

Lula livre?

5ª turma do STJ reduz pena de Lula e abre espaço para que ex-presidente vá para o semiaberto

Com decisão unânime do tribunal, o petista agora cumpre pena de 8 anos, 10 meses e 20 dias

IR 2019

Plantão do IR: como declarar venda de ações no imposto de renda?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

Nada muda

Maia diz que acordo com “centrão” retirou trecho que não tem impacto fiscal na reforma da Previdência

Presidente da Câmara diz que vai aguardar a aprovação do texto na CCJ para se pronunciar sobre a criação da comissão especial

IR 2019

Plantão do IR: como declarar bonificação de ações no imposto de renda?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

IR 2019

Plantão do IR: comprei ações e as vendi no mesmo ano, como declarar?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

IR 2019

Plantão do IR: como declarar pagamento atrasado de IR sobre ganhos com renda variável?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

IR 2019

Plantão do IR: como declarar venda de ações que ainda não saíram do meu nome?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

Ficou para depois

Comissão do Congresso adia votação da MP que abre setor aéreo para capital estrangeiro

Líderes partidários que compõem o colegiado pediram um tempo para analisar o relatório e discutir a matéria

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu