Menu
2019-03-14T18:29:45+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
QUEM VAI SER O RELATOR?

Um dos papéis principais na novela da Previdência ainda está vago no Congresso

Na CCJ e em qualquer outra comissão, o papel de maior relevância, por assim, dizer cabe o relator. É essa figura que negocia e decide por eventuais acolhimentos de emendas e mudanças no texto original.

14 de março de 2019
15:51 - atualizado às 18:29
Previdência Social,Reforma da Previdência
previdencia -

Com a instalação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Câmara dos Deputados podemos considerar que foi dada a larga oficial da reforma da Previdência. Contagem de prazos, negociações e barganhas vão se intensificar com reflexo nos principais indicadores de mercado. Muito burburinho se fez nesta quinta-feira em torno do nome escolhido para presidir a CCJ, o deputado Felipe Francischini (PSL-PR), um novato no Congresso. Ele terá um papel, sim, importante, mas um dos papéis mais importantes no Congresso para a novela da Previdência ainda não teve escalação.

Na CCJ e em qualquer outra comissão, o papel de maior relevância, por assim, dizer cabe o relator. É essa figura que negocia e decide por eventuais acolhimentos de emendas e mudanças no texto original. Presidente e relator, no entanto, tem de trabalhar em sintonia.

Por ora, temos a definição apenas do presidente da CCJ, deputado Felipe Francischini (PSL-PR). Caberá ao jovem deputado, de 27 anos e em seu primeiro mandato, fazer o plano de trabalho e zelar para que os prazos sejam cumpridos. A ideia é que seja respeitado o período de cinco cessões para avaliar a admissibilidade do projeto.

Apesar da idade, o deputado já demonstrou que tem força ao ser capaz de negociar com a base aliada e com a oposição ao ser eleito para comandar uma das principais comissões da Câmara, pela qual passarão outras pautas-bomba. A opinião é de Bruno Perman, presidente do Instituto de Relações Governamentais (Irelgov). "O jogo começa agora, mas o relator que ainda será escolhido precisa estar alinhado com o presidente da CCJ", destacou o especialista.

Quem será o relator?

A primeira missão de Francischini é, justamente, definir o relator e o deputado já disse que não vai tomar a decisão sozinho, mas sim após negociar com lideres partidários. Ele também tenta acelerar essa escolha, para que o relator já comece a trabalhar no texto, mas há alguma resistência, pois os deputados já disseram e reafirmaram que só começam a “trabalhar” quando o texto da reforma dos militares chegar à Câmara.

A CCJ pode ser vista como uma etapa de aquecimento, não só da reforma da Previdência, mas de todos os demais projetos relevantes que o governo venha a enviar. Na CCJ se avalia se o projeto respeita o texto constitucional e a norma jurídica vigente. A depender do andamento, parte do texto, com a que altera o BPC, prevendo benefício abaixo do salário mínimo, podem cair já nesta etapa.

As disputas e negociações mais acirradas acontecerão, mesmo, com a instalação da Comissão Especial. É neste ambiente que veremos o quanto da reforma original vai sobrevier às barganhas políticas e tentativas de mutilação pelos diferentes grupos de interesse representados no parlamento. A Comissão Especial deve ter 40 sessões.

Trâmites

Segundo um cronograma feito pela consultoria Arko Advice, esse processo deve durar no fim de março ao começo de junho. Ainda não há definição sobre presidente e relator da Comissão Especial.

Um dos nomes cotados para a presidência é o do deputado Mauro Benevides Filho (PDT-CE) que há poucas semanas nos expôs seus pontos de discordância com o texto e disse que a escolha pelo seu nome teria de ser uma decisão do partido, o PDT que é do bloco de oposição ao governo.

Saindo da comissão especial, quem comando o show é o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que terá de medir a temperatura do plenário para saber o momento certo de colocar o projeto em votação. Nesta etapa, o texto também pode ser alterado por emendas e destaques.

Ainda de acordo com o calendário da Arko Advice, a tramitação no Plenário deve acontecer entre o fim de maio e começo de junho. Aprovado na Câmara, tudo recomeça depois no Senado.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Corrida contra o tempo

Câmara e Senado devem votar hoje MP que permite capital estrangeiro em áreas; Gol e Azul sobem na bolsa

MP do setor aéreo foi editada no fim do ano passado por Michel Temer e permite que estrangeiros possam deter até 100% do capital das aéreas brasileiras

Mais perto do que se imagina

Sem reformas, País deve violar “regra de ouro” em 2020 e ter recessão, diz OCDE

Organização acredita que não aprovação das reformas resultaria em custos de financiamento mais altos e consequentemente um crescimento mais baixo

A volta da esquerda?

Quatro a cada 10 norte-americanos apoiam o socialismo, diz pesquisa

Levantamento da Gallup mostra que 43% das pessoas acreditam que o socialismo é algo bom para o País, enquanto para 51% ainda é algo ruim; números contrastam com pesquisa de 70 anos atrás

Fraudes em fundos de pensão

Justiça ratifica denúncia de Operação Rizoma contra desvios no Postalis e Serpros

Entre os acusados estão o empresário Milton Lyra, o “operador do MDB”, o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, e o empresário Arthur Mario Pinheiro Machado

Blog da Angela

Grandes fundos emprestaram uma bolada de dinheiro para o governo. Por que isso é ruim?

Patrimônio de fundos sob gestão dos maiores administradores do país está comprometido em 80% com títulos públicos; ações respondem por 3,5% e aplicações no exterior por 0,5% do total

Bateu o pé

Presidente da Comissão Especial reafirma calendário da reforma da Previdência e diz que relatório sai até dia 15

Prazo para apresentação de emendas, que encerraria nesta quinta-feira, 23, deve ser adiado para o dia 30

De olho no gráfico

É hora de comprar Ambev, BB, Petrobras e outras blue chips da Bolsa?

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Terças e quartas o tema é o mercado de ações. Quinta-feira é a vez das criptomoedas

Aliança ambiciosa

EDP e Engie assinam memorando para criação de joint venture no setor eólico

Em nota, a EDP informa que as duas empresas combinarão seus ativos eólicos offshore e os projetos em desenvolvimento na recém-criada joint venture, que deve estar em operação até o fim de 2019

Câmbio

BC rola mais US$ 1,25 bilhão em leilão linha com compromisso de recompra

Operações foram anunciadas na sexta-feira. Ontem, rolagem também foi de US$ 1,25 bilhão e ainda teremos mais uma operação amanhã

Nada muda (ufa!)

Fitch reafirma rating do Brasil em “BB-“, com perspectiva estável

Nota do País segue limitada pelas fraquezas nas finanças, perspectivas de crescimento fracas, corrupção e um ambiente político turbulento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements