Menu
2019-08-07T11:27:13+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
divisão

Bolsonaro discrimina Nordeste, afirma governador do Maranhão

Crise teve início no mês passado, depois que uma fala pejorativa de Bolsonaro foi captada por microfones durante um café da manhã com jornalistas

7 de agosto de 2019
11:20 - atualizado às 11:27
flávio dino
Dino cobrou do sistema Judiciário ações para enquadrar o presidente no que ele vê como limites da lei. - Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), disse nesta terça-feira, 6, que o presidente Jair Bolsonaro usa critérios pessoais e ideológicos ao mirar a região e que, por isso, ele estaria violando o princípio da impessoalidade previsto na Constituição.

Alvo preferencial dos ataques de Bolsonaro, Dino afirmou que o princípio da impessoalidade estaria sendo violado não apenas pelas críticas dirigidas especificamente a governadores do Nordeste, mas pelo fato de o presidente manifestar o desejo de escolher o próprio filho Eduardo, deputado federal pelo PSL de São Paulo, para ser embaixador nos EUA.

"Na medida em que ele tem dirigido palavras de tanta agressão, inclusive palavras chulas contra um conjunto de governantes, fica evidente que ele precisa consultar o artigo 37 da Constituição de um modo geral, ler todo o artigo 37. Por exemplo, é inadmissível que ele pretenda emitir uma ordem a um ministro de não atender o Estado A ou B, ou que ele exija que o nome dele conste da publicidade", disse ele.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Ao rebater também os novos ataques feitos por Bolsonaro em entrevista publicada na terça pelo Jornal O Estado de S. Paulo, o governador do Maranhão cobrou do sistema Judiciário ações para enquadrar o presidente no que ele vê como limites da lei. "Temos um presidente da República que odeia o pluralismo político".

'Dividir o país'

Na entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Bolsonaro disse que governadores da região Nordeste agem para "dividir o País", enquanto ele trabalharia para unir.

A crise teve início no mês passado, depois que uma conversa entre Bolsonaro e Onyx foi captada por microfones durante um café da manhã com jornalistas de veículos estrangeiros.

"Daqueles governadores de ‘paraíba’, o pior é o do Maranhão. Não tem de ter nada para esse cara", disse Bolsonaro a Onyx.

O termo "paraíba" costuma ser usado de forma pejorativa no Rio de Janeiro - base do presidente - para se referir a migrantes nordestinos.

Polarização

Para analistas, o discurso do presidente acirra a polarização política que domina o País desde a eleição de outubro. Mas também pode servir a fins eleitorais nas disputas municipais do próximo ano, especialmente na região Nordeste - onde Bolsonaro teve o pior resultado -, e até mesmo numa eventual tentativa de reeleição em 2022.

"Os partidos que são base do governo, principalmente o PSL, precisam entrar no Nordeste. Ele tem esse atrito forte com os governadores do Nordeste porque ele tem um cálculo de que tem de 'quebrar' esses governadores para ter acesso ao eleitorado", disse o cientista político Marco Aurélio Nogueira.

Para o sociólogo Rodrigo Prando, Bolsonaro não "está fazendo ou verbalizando nada de diferente do que ele foi durante a campanha ou como deputado".

"A pergunta que fica é: esse grupo que apoia o presidente vai ser suficiente para garantir uma reeleição? Ainda é cedo. Mas as pessoas entenderam que não deve mudar, que essa será a tônica do mandato. Quem fica ressentido, preocupado, é quem não votou nele. Quem votou e concorda acha que está absolutamente correto."

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

A Bula do Mercado

Mais um feriado testa mercado

Pausa na cidade de São Paulo amanhã deve enxugar a liquidez dos mercados domésticos, provocando distorções nos preços dos ativos

Não vai ter Disney

Dólar a R$ 4,20 surpreende, mas nem tanto. Olho no BC

Mercado aguarda algum aceno do Banco Central (BC), que pode vir pela mesa de operações ou na fala de Roberto Campos Neto, que participa de audiência no Senado

Nada de aumento

“Há zero possibilidade de aumentar a carga de impostos”, diz Waldery

Waldery explicou que a meta de déficit primário de 2019 está mantida em R$ 139 bilhões, mas lembrou que o saldo negativo deve ficar abaixo dos R$ 80 bilhões

Contas públicas

Governo central deve fechar 2019 com déficit abaixo de R$ 80 bi, diz Guedes

Guedes voltou a dizer que o sucesso do leilão da cessão onerosa também ajudou a fazer um resultado fiscal melhor, além de permitir um maior repasse de recursos para Estados e municípios. “O ano de 2019 foi interessante, porque conseguimos muita colaboração com Congresso nas reformas econômicas. Também houve muita colaboração do Judiciário”, completou

Novidades na cervejaria

Ambev anuncia Jean Jereissati como presidente da companhia em 2020

A partir de 1º janeiro de 2020, Jereissati Neto acumulará as funções de diretor-presidente e diretor de vendas e de marketing

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Game over? A vida com o dólar acima de R$ 4,20

A primeira vez que o dólar atingiu o patamar de R$ 4,20 foi em setembro de 2015. Eu me lembro de receber a notícia de uma forma bem inusitada, no meio da plateia de um evento voltado a grandes investidores. Enquanto o palestrante da vez tentava injetar alguma esperança sobre as perspectivas da economia brasileira em […]

Olho nos números

BMG não agrada mercado em primeiro balanço após IPO e ações caem

Apesar da queda acentuada dos papéis, ao comentar o balanço do BMG, os analistas do BTG Eduardo Rosman e Thomas Peredo se mostraram mais tranquilos com o resultado e destacaram que os números vieram dentro do esperado pela maioria dos investidores com quem conversaram

Gestoras

JGP segue comprada em bolsa enquanto acompanha guerra de narrativas

Gestora discute tese de que a manufatura e o comércio global estão próximos ao fundo do poço e prestes a se recuperar

Mudança de coleção

Dona da Le Lis Blanc e Dudalina, a Restoque tenta pôr ordem na casa. O mercado está cético

Em meio a um processo de mudança de estratégia, a Restoque reportou mais um conjunto de resultados trimestrais desanimadores, o que fez suas ações chegarem às mínimas em mais de três anos

Mudanças à vista

Desoneração da cesta básica vai acabar, diz Tostes Neto

Para compensar o gasto com tributo, o governo deve devolver dinheiro aos mais pobres como adicional aos programas sociais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements