Menu
2019-10-11T09:04:07+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Segue o jogo

EUA afirmam que continuam apoiando ingresso do Brasil na OCDE

Confirmação oficial veio depois de notícias dando conta de que EUA deixariam de dar apoio ao Brasil, após indicarem Argentina e Romênia para o bloco

10 de outubro de 2019
17:50 - atualizado às 9:04
19/03/2019 Declaração à imprensa
(Washington, DC - EUA, 19/03/2019) Presidente dos Estados Unidos cumprimenta o Presidente Jair Bolsonaro. - Imagem: Alan Santos/PR

Os Estados Unidos disseram manter o apoio à entrada do Brasil na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mas não se pronunciaram sobre o prazo no qual o apoio formal ao processo de entrada do País deve acontecer.

A manifestação aconteceu depois de a agência de notícias 'Bloomberg' revelar carta na qual o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, se posiciona a favor da entrada da Argentina e da Romênia no grupo, sem citar o Brasil.

Um porta-voz da área de assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado afirmou que os EUA "continuam a manter a declaração" de 19 de março, quando o presidente Donald Trump "afirmou claramente o apoio ao Brasil para iniciar o processo e se tornar um membro pleno da OCDE".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Pompeo também afirmou que a carta "não representa de forma precisa a posição dos EUA a respeito da expansão da OCDE". "Somos apoiadores entusiasmados da entrada do Brasil", escreveu Pompeo, que disse ainda que os EUA "farão esforços para apoiar o acesso" do País à OCDE.

Tanto o governo americano quanto diplomatas brasileiros afirmaram que o processo do Brasil é recente, está atrás da fila de outros países com os quais os EUA já tinham se comprometido, e o processo do País segue. O comprometimento de Trump com a candidatura da Argentina aconteceu em agosto de 2017, com a visita de Maurício Macri - com quem o americano mantém bom relacionamento - à Casa Branca.

Segue o jogo

No final da tarde desta quinta-feira (11), a embaixada dos EUA divulgou nota reafirmando que a declaração conjunta assinada em março pelos presidentes Jair Bolsonaro e Trump está mantida.

Às 21h do mesmo dia (pelo horário de Brasília), foi a vez do próprio Trump comentar o assunto. Em sua conta no Twitter, ele afirmou que a declaração conjunta divulgada em março deixava "absolutamente claro" que ele apoia o início do processo de entrada do Brasil na OCDE. Trump ainda chama de "fake news" o texto da Bloomberg.

Entenda

Em 19 de março, Trump afirmou, em reunião com Bolsonaro, nos EUA, que estava apoiando a entrada do Brasil na organização, que reúne países desenvolvidos e em desenvolvimentos que partilham de uma série de políticas e padrões econômicos comuns. Fazer parte da OCDE pode ser encarado com um selo de qualidade internacional.

Em 23 maio, esse apoio dos EUA ao ingresso do Brasil foi formalizado, mas já no começo de maio tinha surgido essa questão sobre o número de vagas. 

Em sua live semanal, Bolsonaro disse que a entrada do país na OCDE não depende apenas de Trump, que Argentina e Romênia estavam na frente na fila e que dentro de um ano ou pouco mais o país fará parte do grupo.

Concessões

Desde que se aproximou dos EUA, o governo Bolsonaro vem fazendo concessões ao país em troca do apoio à adesão brasileira à OCDE. Em março, durante a visita em que Trump prometeu o apoio pela primeira vez, o Brasil acabou com a exigência de visto para que norte-americanos entrem no País.

A ação foi unilateral, ou seja, os EUA continuaram exigindo vistos de brasileiros, o que é incomum na diplomacia.

Em setembro, o governo brasileiro concordou em elevar a cota de importação de etanol beneficiando norte-americanos. A decisão foi entendida como contrapartida do Brasil para que os EUA abrissem mercado para o açúcar nacional, mas nada nesse sentido foi anunciado.

O Brasil também prometeu renunciar a tratamentos especiais de país em desenvolvimento em negociações com a Organização Mundial do Comércio (OMC), etapa necessária à adesão.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

A Bula do Mercado

Mercado divide atenção entre indicadores e política

Agenda do dia traz dados de atividade nos EUA e na China, enquanto racha no PSL ganha novos contornos

Análise

O que o ‘Lula Livre’ tem a ver com o seu bolso?

Supremo Tribunal Federal (STF) volta a julgar prisão em segunda instância e desdobramentos têm chances de chegar aos mercados, mesmo que indiretamente

Reviravolta na trama

Após uma temporada no mundo invertido, a Netflix voltou a brilhar no terceiro trimestre

A Netflix reportou um crescimento surpreendente no lucro líquido e uma recuperação no total de novos assinantes pagos — resultados que agradaram o mercado

Voos mais altos

Azul vai expandir rotas internacionais, mas não anuncia agora por causa do dólar

O executivo frisou, porém, que o foco da Azul está no mercado doméstico – a intenção é “elevar” o nível do Brasil em termos de conectividade aérea

De olho no crédito

BC lança nova página sobre informações do mercado imobiliário

O Banco Central explica que a nova publicação é resultado da compilação de informações recebidas pelo Banco Central através do Sistema de Informações de Créditos (SCR), Sistema de Informações Contábeis (Cosif), Direcionamento dos Depósitos de Poupança (RCO) e dados das entidades de depósito e registro de ativos

Colocando os pingos nos "is"

Não houve pressão para capitalizar companhia, diz presidente da Eletrobras

Ele defendeu que, se o governo efetivamente quisesse os recursos da Eletrobras, seria mais fácil realizar diretamente a capitalização dos cerca de R$ 4 bilhões de Adiantamentos para Futuro Aumento de Capital (AFACs) e com esse recurso pagar os dividendos, alternativa em que a União receberia um volume maior de recursos

Juros

Selic abaixo de 4%? Itaú Asset acredita em 3,75% em 2020

Descontando a inflação esperada dessa projeção para a Selic, temos juro real próximo de zero. Na verdade, um toquinho de 0,14% ao ano

Vai que vai

É hora delas? Bradesco BBI aposta alto nos números de Unidas e Movida

No setor de locação, todos os três papéis (Localiza, Unidas e Movida) estão com recomendações de compra pela casa, mas a Localiza não está na lista das preferidas do analista Victor Mizusaki

Siga o dinheiro

Fuga de dólares bate US$ 40 bilhões em 12 meses. Surpreso? Não deveria…

Saída de recursos é a maior desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999. Desde abril, o BC vem alertando para uma mudança estrutural no mercado de câmbio

Boas novas

Juro baixo faz BlackRock ampliar aposta no Brasil

A projeção é que a Selic baixa empurre investidores para ativos de mais risco, incluindo investimentos no exterior, que ainda engatinham por aqui

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements