Menu
2019-06-07T18:43:46+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Seu Dinheiro no Domingo

De carro com Jair

Como duas conversas com motoristas ajudam a explicar os movimentos de popularidade do governo Bolsonaro

28 de abril de 2019
11:21 - atualizado às 18:43
Bolsonaro
Jair Bolsonaro desfila em carro aberto pela Esplanada dos Ministérios. - Imagem: Rafael Carvalho/PR

Caro Leitor,

Como o período de chuvas aqui em Brasília se alongou, tenho usado menos a moto para ir às pautas que se dividem entre o Ministério da Economia, Banco Central, Congresso e Palácio do Planalto. Nas corridas via aplicativo, quase sempre rola alguma conversa, mas dois episódios da semana ajudam a entender o que acontece com a popularidade de Jair Bolsonaro neste começo de mandato.

- Boa tarde, seu Eduardo.
- Boa tarde, Jair, tudo bem?
- Tranquilo, onde vamos?
- Vamos encontrar seu xará, lá no Palácio do Planalto.

Jair, o motorista, tem pouco mais de 50 anos e é eleitor declarado do outro Jair, o presidente. De largada, começamos a conversa falando sobre os feitos deste começo de governo. Para Jair, seu xará tem feito muita coisa, apesar das críticas.

Para Jair, só de tirar, limpar, o povo de que tinha ficado da gestão petista já é um grande feito. E, se o Congresso deixar, Jair vai mudar esse país de patamar.

Concordo com Jair, argumentando que esse início de governo é realmente difícil, ainda mais que estamos entrando ou testando um novo modelo de negociação política, depois de 14 anos no qual o Executivo literalmente comprou o Legislativo. Além disso, há uma curva de aprendizado, um período de acomodação.

Jair concorda, além disso quer ver a economia andar e é adepto da agenda liberal do “doutor Paulo Guedes”. Para Jair, o povo tem que entender que o Estado não tem que estar se metendo em tudo. Que Guedes trouxe boas ideias de Chicago, onde o filho de Jair está estudando agora, mas que sempre foi deixado de lado.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Concordo novamente com Jair, acrescentando que a tese do Guedes é justamente essa, o Estado cresceu demais, corrompendo praticamente todas as relações comerciais, financeiras e até mesmo pessoais.

A conversa segue e quase chegando ao Palácio do Planalto, Jair me conta, rindo, que na sua casa todo mundo é petista, defendem o Lula. Rindo ainda mais, ele me diz que os filhos acham que Lula foi condenado sem provas. Falo, também rindo, que não é possível, mas...

Deixando o Planalto

Na volta do palácio, o motorista era o Mário. Como entrei no carro e segui olhando e-mails e vendo se a matéria com a legalização da agiotagem no Brasil tinha entrado no site, só fomos engatar conversa um pouco depois.

O mote para a política veio do rádio, que naquele fim de tarde trazia os números da última pequisa CNI/Ibope de aprovação do governo. Após a locutora apresentar os 35% de ótimo/bom, os 31% de regular e 27% de ruim/péssimo, pergunto a Mário em qual grupo ele se encaixava.

A resposta veio sem titubear: “ruim, e olha que eu votei no Bolsonaro”. Na sequência, Mário explica o motivo de sua insatisfação: “Fica com muita briguinha em rede social. Fora que esses filhos dele não ajudam, tão sempre arrumando confusão. Esperava mais desse governo”.

Assim como concordei com as ponderações de Jair, concordei com a fala do Mário. Disse que, de fato, essas rusgas envolvendo o presidente, seus filhos e os recentes ataques ao vice-presidente Mourão, não levavam a nada. Só faziam barulho e abriam espaço para o governo ser criticado. Mas, no fim da corrida, ambos concordamos que tem espaço para melhorar.

De volta ao Ibope

Não preciso dizer que Jair está e sempre esteve no grupo “ótimo/bom” de avaliação do presidente. Jair representa o que chamo de eleitorado mais fiel, ou eleitor de primeira hora. Faz parte daquele grupo de 20% que acompanha o presidente desde o começo da corrida eleitoral e que muito analista gabaritado achou que era "teto" de Bolsonaro.

Já Mário faz parte de outro grupo de eleitores, do grupo que ajudou a eleger o presidente, mas não é um eleitor fiel, como Jair. É justamente nesse grupo dos “Mários” que Bolsonaro parece perder aprovação, que em janeiro estava na faixa dos 49%.

Jair, o presidente, tem focado muito a sua comunicação e sua ações para o grupo de eleitores do motorista Jair. É correto manter essa base fiel cativada, com os discursos e postura da guerra cultural e de choro livre aos petistas.

Mas a comunicação e o arco de ação está perdendo o grupo de Mário, que ajudou a alçar Bolsonaro ao Planalto dentro da onda anti-PT que marcou as eleições. Ou mesmo gente que simplesmente achou que estava na hora de mudar um pouco as coisas, na linha da famosa frase que diz que políticos e fraldas tem de ser trocados periodicamente e pelo mesmo motivo.

Reforço o ponto de mudar a comunicação e a percepção, pois essas parecem as armas disponíveis no momento. No lado econômico, notícias positivas vão continuar rareando, com o mercado e os empresários aguardando um desfecho mais claro para a reforma da Previdência antes de fazer investimentos e contratar.

No lado da ação, o que o “doutor Paulo Guedes” poderia fazer é tentar acelerar as medidas que não dependem do Parlamento, mesmo que muitas sejam agendas microeconômicas de pouco apelo popular.

A boa notícia é que há movimentação nesse sentido e Guedes está indo além, atacando uma agenda bastante popular,  falando em reduzir o preço do gás pela metade.

Um bom domingo pra você!

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

perdido com os centavos?

Novo cofrinho de poupança? Neon anuncia função de investimento de trocados em CDB

Função que começa a ser implantada neste mês permitirá que usuários destinem parte de pagamentos no débito para aplicações automáticas em CDB

Mais magrinha

Petrobras negocia venda de participações em áreas onde descobriu gás em SE

Como o foco do seu plano de negócios atualmente é o pré-sal, localizado na região Sudeste do País, o investimento em outras áreas, como em Sergipe, está atrelado à adoção de soluções financeiras que não comprometam o orçamento da companhia e também não gerem mais dívida

EUA x China

Qual o custo da guerra comercial? Para a Huawei, serão US$ 30 bilhões a menos em receita

O presidente da Huawei, Ren Zhengfei, passou estimativas quanto aos impactos que a guerra comercial trará para a empresa. E tanto a receita quanto as vendas internacionais de smartphones serão fortemente afetadas

Grave crise

Odebrecht pode fazer pedido de recuperação judicial nesta segunda-feira

Com dívida de R$ 80 bilhões e com execuções em curso, a empresa está sem alternativas para resolver seu problema de liquidez financeira

em busca da previdência perfeita

Guedes quer ajustar relatório da reforma

Ministro vai buscar negociar ajustes no relatório da reforma da Previdência com o relator da proposta, deputado Samuel Moreira; o relator e o secretário Especial de Previdência, Rogerio Marinho, já conversaram informalmente neste fim de semana

Boas novas!

Nubank levanta R$ 375 milhões para financiar expansão e emplaca captação inédita

A fintech estreou a nova modalidade com uma oferta de R$ 75 milhões e que atraiu cinco investidores institucionais. Na mesma operação, o Nubank captou outros R$ 300 milhões via letras financeiras sênior

em busca do primeiro bilhão

Como Rihanna se tornou a artista feminina da música mais rica do mundo

Cantora pop acumulou uma fortuna de US$ 600 milhões, mas para isso ela teve de investir mais do que em música

segue o jogo

Caso Levy não atinge a Câmara, diz Rodrigo Maia

Maia fez o comentário em entrevista à emissora BandNews ao ser questionado sobre o pedido de demissão do agora ex-presidente do BNDES Joaquim Levy

Cortar ou não cortar?

Ex-diretores do BC se dividem sobre juros

Os que defendem ao menos um aceno ao corte no comunicado dão ênfase à avaliação da modelagem que considera a longa permanência da taxa de desemprego elevada e a ociosidade da economia

No vermelho

Economia parada deixa brasileiro refém das dívidas

Início de ano costuma ser um período de aperto no orçamento por causa do acúmulo de contas a pagar, mas neste ano o movimento está mais forte por causa da estagnação da economia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements