Menu
2019-07-08T18:15:35+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Bolsa e dólar hoje

Ibovespa fecha em alta e bate novo recorde, na contramão do exterior

Bolsa brasileira continuou animada pelas perspectivas para a reforma da Previdência, mas lá fora pesou a expectativa de cortes menores de juros pelo Fed

8 de julho de 2019
11:09 - atualizado às 18:15
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Dados fortes de emprego nos EUA fazem mercados esperarem cortes menores de juros pelo Fed. - Imagem: Seu Dinheiro

A bolsa brasileira terminou o pregão em alta novamente nesta segunda-feira (08), batendo novo recorde de fechamento, apesar do dia negativo no exterior. O Ibovespa avançou 0,42%, aos 104.530 pontos. O dólar à vista fechou em queda de 0,26%, em R$ 3,8081, e os juros futuros seguiram o mesmo movimento.

O DI para janeiro de 2020 recuou de 5,83% para 5,795%; o DI para janeiro de 2023 caiu de 6,48% para 6,40%; e o DI para janeiro de 2025 teve queda de 7,03% para 6,94%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Os indicadores continuaram embalados pelo otimismo em torno da aprovação da reforma da Previdência na Comissão Especial da Câmara dos Deputados na semana passada e da possível aprovação pelo Plenário da Casa em dois turnos antes do recesso parlamentar de 18 de julho, o que tem parecido factível.

Neste fim de semana, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, se mostrou otimista após reunião com líderes partidários e indicou que já tem os votos suficientes para a aprovação. Levantamento do jornal "O Estado de S. Paulo" mostra que faltariam apenas 61 votos para se atingir os 308 necessários para a aprovação.

Algumas lideranças chegaram a informar números maiores, indicando que a proposta pode ser aprovada com folga.

Vencida a votação na Comissão Especial, a reforma da Previdência será debatida no plenário na Câmara dos Deputados. Segundo Maia, ainda hoje acontecerá uma reunião de líderes. Amanhã, se inicia o debate em torno da proposta e na noite de terça, o presidente da Casa espera construir o processo de votação. Há sessões convocadas para quarta e quinta-feira. Em análise, meu colega Eduardo Campos fala dos próximos passos da tramitação da reforma.

O pregão desta segunda-feira registrou volumes de negociação reduzidos, em torno de R$ 12,5 bilhões, em razão do feriado em São Paulo amanhã. Nesta terça, não haverá pregão na B3, e os negócios com câmbio ficam restritos a outras praças do país.

Bolsas americanas em queda

No exterior, porém, o clima foi menos animado. Em Nova York, o índice Dow Jones fechou em queda de 0,43%, aos 26.806 pontos; o S&P500 fechou com perdas de 0,48%, aos 2.976 pontos; e o Nasdaq recuou 0,78%, aos 8.098 pontos.

O pano de fundo ainda foram os dados fortes de emprego nos EUA, divulgados na última sexta, que reduziram a perspectiva do mercado para cortes de juros pelo Federal Reserve, o banco central americano. A aposta agora é num corte de 0,25 ponto percentual, contra uma aposta de 0,50 ponto percentual anteriormente.

Os mercados globais estão de olho nos pronunciamentos do presidente do Fed, Jerome Powell, ao longo desta semana, o primeiro dos quais já nesta terça. Na quarta e na quinta, Powell passa por sabatinas no Congresso americano, onde pode dar pistas sobre a trajetória das taxas de juros. Ainda na quarta, sai a ata da reunião do Fed de junho.

Outro fator que pesou em Nova York nesta segunda-feira é o relatório do Morgan Stanley divulgado no fim de semana que alerta para a fraqueza do crescimento econômico mundial e recomenda a venda de ações globais.

Mais cedo, as bolsas de Xangai e de Seul, na Ásia, fecharam com quedas expressivas de mais de 2% cada uma. As principais bolsas da Europa também fecharam em baixa nesta segunda-feira, seguindo o mesmo movimento de cautela visto nos Estados Unidos, que foi agravado pelo anúncio de profunda reestruturação no Deutsche Bank. O índice pan-europeu Stoxx 600 caiu 0,05%, aos 389 pontos.

Destaques

Via Varejo em alta

A ação da Via Varejo (VVAR3) liderou os ganhos do Ibovespa nesta segunda, fechando com alta de 6,30%. O ânimo ainda reflete o bom humor dos investidores com as mudanças promovidas pelo novo controlador da empresa, Michael Klein, na semana passada.

Otimismo com a Gol

Os papéis da Gol também apresentaram forte alta nesta segunda. A ação preferencial companhia (GOLL4) subiu 1,26%.

A companhia divulgou estimativas preliminares para o seu resultado no segundo trimestre e agradou. A empresa espera uma margem Ebitda entre 22% e 24%, acima dos 16,4% estimados anteriormente.

Além disso, a receita unitária de passageiro (PRASK) esperada para o segundo trimestre é maior em cerca de 24% frente ao mesmo período do ano passado, enquanto que a alavancagem financeira (Dívida líquida/Ebitda) deve ficar próxima de 3,2 vezes.

Também contribuiu para a alta do papel a expectativa pelo leilão de slots da Avianca, em recuperação judicial, marcado para a próxima quarta-feira (10).

Tecnisa disparou

Fora do Ibovespa, as ações da construtora Tecnisa (TCSA3) começaram o dia com avanço de 10%, após a companhia informar, no fim de semana, que fará oferta pública primária de 300 milhões de ações para promover o crescimento das suas operações, incluindo a aquisição de novos terrenos, além de melhorar sua estrutura de capital, por meio do pagamento de dívidas e reforço no capital de giro. Os investidores entendem que o aumento de capital contribui para a redução do endividamento da empresa.

Com a forte alta, as ações da empresa entraram em saíram de leilão mais de uma vez no pregão hoje. A ação fechou com valorização de quase 30%.

Petrobras, Vale e CSN

As ações da Petrobras foram beneficiadas pelo anúncio de que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) firmou acordo com a estatal para a venda de ativos no mercado de gás. Os detalhes ainda não foram divulgados. As ações ordinárias (PETR3) fecharam com ganho de 1,93%, enquanto as preferenciais (PETR4) fecharam em alta de 0,91%.

Já as ações da Vale e da CSN foram puxadas para cima pela alta do preço do minério de ferro, que fechou negociado com alta de 3,11% no porto de Qingdao, na China, nesta segunda, a US$ 118,38 a tonelada. Os papéis da Vale (VALE3) avançaram 1,17%. Já os papéis da CSN (CSNA3) tiveram ganho de 3,23%, a quinta maior alta do Ibovespa.

IRB lidera as perdas

As ações do IRB estiveram entre as maiores quedas do Ibovespa hoje, com recuo de 1,79%. As perdas do papel repercutiram a circular da Superintendência de Seguros Privados (Susep) publicada hoje, no Diário Oficial da União (DOU), que abre caminho para que Banco do Brasil e a União, sócios da resseguradora, se desfaçam das suas participações.

Basicamente, a circular permite que seguradoras e resseguradoras se tornem "corporations", isto é, empresas de controle pulverizado, sem um único dono, o que antes não era possível. O mercado receia que os maiores acionistas - BB, União, Bradesco ou Itaú - decidam se desfazer das suas posições, o que abriria espaço para a entrada de novos acionistas que não necessariamente teriam conhecimento para tocar o negócio.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

De olho no pacto

Proposta sobre pacto federativo começará no Senado, diz presidente da CCJ

Ainda segundo a senadora, o governo já está trabalhando com o tema. “Não poderia ser diferente (o fato de começar pelo Senado), essa é a Casa da Federação. Eles já estão mexendo no pacto”, afirmou a presidente da CCJ

Mudanças à vista

Truxt Investimentos vende parte das ações que detinha do Banco Inter

A instituição financeira destacou que a venda da participação é “estritamente de investimento, não objetivando alteração do controle acionário ou da estrutura administrativa do banco”

Seu Dinheiro na sua noite

O falcão está à solta?

Entre os vários contatos que eu tinha nos anos em que escrevi diariamente o sobe e desce da bolsa e dos mercados, havia um experiente tesoureiro de um grande banco. Estava longe de ser a fonte mais bem humorada ou paciente, mas com o tempo ficamos amigos. Eu costumava recorrer a ele naqueles dias em […]

Futuro Embaixador?

Bolsonaro: Indicação de Eduardo como embaixador é juridicamente viável

Porta-voz da Presidência também afirma que Jair Bolsonaro ainda não decidiu sobre indicação do filho ao posto nos EUA

Vish!

Ex-presidentes do IBGE divulgam carta de protesto contra mudança no Censo 2020

Eles acusam a atual direção do instituto de improvisação e alertam para o risco de o próximo Censo deixar de fora 10 milhões de domicílios

Olha a dívida!

Tesouro: União bancou R$ 1,262 bilhão em dívidas de governos estaduais em junho

Embora o custo para a União com essas garantias seja crescente, o Tesouro está impedido de bloquear os repasses para Rio de Janeiro, Minas Gerais e Goiás

Dados semanais

Balança tem superávit de US$ 695,509 milhões na segunda semana de julho

Em julho, o superávit acumulado é de US$ 1,819 bilhão. Já no total do ano, o superávit é de US$ 27,895 bilhões

reconciliação

Avaliação positiva de Bolsonaro salta de 14% para 55% entre agentes de mercado

Sondagem da XP Investimentos também mostra melhora na percepção com relação ao Congresso, Previdência na casa de R$ 850 bilhões e Ibovespa em 120 mil pontos

320% do PIB

Dívida global sobe a US$ 246 trilhões e endividamento de emergentes bate recorde

Instituto Internacional de Finanças (IIF) mostra que quanto menor o juro, maior o endividamento mundial, que está para bater o recorde visto no começo de 2018

Os detalhes sobre a nova cripto

Facebook: Libra não envolve política monetária nem competirá com bancos centrais

Segundo ele, a associação terá políticas para combater o uso da moeda para lavagem de dinheiro e financiamento de atos terroristas, entre outras questões de segurança nacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements