Menu
2019-04-16T12:51:51+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Sobe e desce

Após dia instável, Ibovespa fecha em leve alta; dólar cai a R$ 3,84

Dividido entre o tom positivo das commodities e a falta de novidades no front político, o Ibovespa conseguiu terminar o dia no azul

8 de abril de 2019
10:22 - atualizado às 12:51
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Ibovespa teve terceira alta seguida; dólar segue em queda - Imagem: Seu Dinheiro

O Ibovespa passou o dia num cabo de guerra.

De um lado, a equipe das commodities: a alta do petróleo e do minério de ferro impulsionou as ações da Petrobras, Vale e siderúrgicas, que terminaram o dia entre as maiores altas do índice.

Do outro, o time da cautela: a falta de novidades na tramitação da reforma da Previdência trouxe certa dose de hesitação à bolsa.

Esses dois grupos mediram forças ao longo da sessão. E, como resultado, o Ibovespa ficou oscilando entre os campos positivo e negativo: na mínima do dia, foi aos 96.742,91 pontos (-0,38%) e, na máxima, tocou os 97.610,05 pontos (+0,52%).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Ajuda vinda de fora

O principal índice da bolsa brasileira parecia encaminhado para terminar muito perto da estabilidade. Mas, durante o leilão de fechamento, ganhou força e terminou em alta de 0,27%, aos 97.369,29 pontos — a terceira sessão consecutiva no campo positivo.

Além das commodities, o fortalecimento dos mercados acionários americanos na reta final da sessão deu impulso à bolsa brasileira. Após passarem o dia em queda, o S&P 500 e o Nasdaq viraram e fecharam em alta de 0,10% e 0,19%, respectivamente — o Dow Jones terminou em baixa de 0,32%.

Nada de novo no front

Mas, apesar de o Ibovespa ter encerrado o dia no campo positivo, operadores e analistas destacam que a sessão foi marcada pela ausência de novidades em relação à reforma da Previdência — e o noticiário de Brasília tem sido o grande fator de influência para o índice no curto prazo.

No fim de semana, um levantamento conduzido pelo 'Estado' mostrou que o apoio à reforma da Previdência na Câmara teve leve alta. De acordo com a pesquisa, 198 deputados votariam a favor do texto no plenário — em 21 de março, 180 deputados se mostraram dispostos a aprovar a proposta.

"Mas o mercado precisa de algo mais concreto [que esse levantamento] para o Ibovespa ir além dos 97 mil pontos", diz um operador. "É positivo, mas não é muito relevante nesse momento".

Já Raphael Figueredo, analista da Eleven Financial Research, lembra que a semana será agitada em termos de agenda, tanto no Brasil quanto no exterior. Há a previsão de que o relatório da reforma da Previdência seja lido amanhã na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, mas, para isso, o relator da proposta, Marcelo Freitas, ainda precisa apresentar um parecer.

Lá fora, destaque para a ata da última reunião do Federal Reserve, a ser publicada na quarta-feira — no mesmo dia, será divulgada a a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE). "Os preços de mercado ficaram um pouco mais tímidos hoje, esperando a semana mais carregada", resume Figueredo.

Alívio no dólar

Mas se o dia foi de certa indefinição no Ibovespa, o mesmo não pode ser dito do dólar à vista, que fechou em queda firme de 0,57%, a R$ 3,8496.

Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio na Treviso Corretora, destaca que a moeda americana perdeu terreno ante a maior parte das divisas globais, inclusive as de países emergentes — e esse contexto global direcionou o comportamento do mercado de câmbio por aqui.

No exterior, o índice DXY, que mede a variação do dólar ante uma cesta de seis moedas fortes, recuava 0,33%. Entre as divisas emergentes, o dólar também caiu ante o peso argentino, o peso mexicano, o rublo russo e o rand sul-africano.

Apesar do alívio no dólar, as curvas de juros tiveram leve ajuste positivo. Os DIs com vencimento em janeiro de 2020 subiram de 6,47% para 6,475%, e os com vencimento em janeiro de 2021 avançaram de 7,03% para 7,05%. Entre as curvas longas, as para janeiro de 2023 tiveram alta de 8,15% para 8,2%.

Petrobras deu força ao Ibovespa...

As ações da Petrobras terminaram o dia entre as maiores altas do Ibovespa: os papéis ON subiram 2,14% e os PN tiveram ganho de 1,63%.

Além do comportamento do petróleo, diversos outros fatores contribuíram para dar força aos ativos da estatal. A venda de 90% da participação da empresa na Transportadora Associada de Gás S.A. (TAG), por US$ 8,6 bilhões, agradou os analistas, que destacaram os impactos positivos da transação para a alavancagem da companhia.

"A Petrobras se destaca pelo acúmulo de notícias. Além da TAG, também tem a cessão onerosa, que está para sair", diz um operador.

Por fim, o Credit Suisse elevou a recomendação para os recibos de ações (ADRs, na sigla em inglês) da Petrobras, de neutro para "outperform" — classificação semelhante à compra.

...mas as varejistas trouxeram pressão

Já as ações do setor de varejo recuaram em bloco — os papéis têm reagido de maneira mais sensível ao cenário local e ao noticiário envolvendo a reforma da Previdência. Lojas Americanas PN (-3,65%), B2W ON (-4,98%), Via Varejo ON (-3,53%) e Magazine Luiza ON (-1,91%) terminaram o dia entre as maiores perdas do índice.

Vale e siderúrgicas seguem em alta

Com o novo dia de ganhos expressivos do minério de ferro, as ações do setor de mineração e siderurgia continuam apresentando desempenho positivo. É o caso de Vale ON, que subiu 2,71%, Gerdau PN, que teve alta de 0,51%, e de CSN ON, que avançou 2,02%. Mas uma empresa desse setor destoou do restante...

Usiminas cortada

O Bradesco BBI rebaixou a recomendação para as ações da Usiminas, de compra para neutro, e cortou o preço-alvo dos papéis para R$ 11, citando uma postura menos positiva em relação à demanda doméstica e precificação do aço, ao mesmo tempo em que as pressões do lado dos custos persistem. Assim, as ações PNA da Usiminas fecharam em queda de 1,61% e na contramão do restante do setor.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Disputa com Centauro

Magazine Luiza contra-ataca e eleva oferta pela Netshoes para US$ 93 milhões

A varejista decidiu elevar a oferta pelo site de produtos esportivos para US$ 3,00 por ação depois que a Centauro entrou na disputa com uma oferta hostil lançada na quinta-feira

Nas ruas do país

“Pergunta para o povo”, diz Bolsonaro, sobre manifestações

Perguntado sobre a quantidade de pessoas nas ruas, Bolsonaro declarou que as “imagens valem mais do que mil palavras”

Nas ruas do país

Atos pró-Bolsonaro chegam a 93 municípios de 25 Estados e DF

Em São Paulo, a manifestação a favor do governo ocorre na Avenida Paulista e os participantes estão distribuídos por sete quarteirões

Entrevista

“Reforma tem boa chance de passar. Talvez não no prazo ideal”, diz Pedro Parente

Ex-ministro e atual presidente da BRF, Parente vê com naturalidade a atual desarticulação entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso

Dia de manifestações

Bolsonaro posta no Twitter vídeos de atos pró-governo

A conta do presidente na rede social trouxe três vídeos de manifestantes nas cidades do Rio de Janeiro, em São Luís, no Maranhão, e em Juiz de Fora, no interior de Minas

Trabalho para os liberais

Kleber Bambam e o twitter de Bolsonaro: por que a economia não sai do paredão?

Para Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia e fã do Big Brother Brasil, problema está no desajuste fiscal herdado das gestões petistas, e não nas polêmicas do Twitter

Das redes ao asfalto

Manifestações nas ruas testam apoio a Bolsonaro

Receio da equipe de Bolsonaro é de que, se não houver uma adesão de peso às manifestações, isso seja interpretado como um sinal de perda de popularidade

Armas

Novo decreto de Bolsonaro mantém brecha para compra de fuzis

Governo mudou texto para evitar venda de fuzis a civis, que fez as ações da Taurus dispararem na semana passada. Mas Procuradoria diz que novo decreto mantém essa possibilidade

Cannabusiness

O dia não tão distante em que os supermercados americanos venderão produtos feitos com planta de maconha

Todos querem sua fatia de uma indústria que deve ultrapassar os US$ 2 bilhões nos EUA até o próximo ano, uma vez que pesquisas vêm mostrando que os consumidores estão dispostos a pagar preços mais altos pelos produtos

Reduzindo os gargalos

Judiciário prepara pacote de medidas para acelerar recuperações judiciais

Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça aceitar o pedido de recuperação de uma empresa e apreciar o plano de reestruturação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements