Menu
2019-10-21T20:12:05+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Entrevista

Com juro baixo “estrutural”, Paineiras está otimista com bolsa e título de longo prazo

Gestora que tem 12 anos de história avalia que Selic baixa veio para ficar e que dólar acima de R$ 4 não é impeditivo para valorização do Ibovespa

22 de outubro de 2019
5:36 - atualizado às 20:12
Paineiras Investimentos
Sócios e gestores da Paineiras Investimentos - Guilherme Foureaux, Gerald Medley e David Cohen - Imagem: Paineiras

O sócio e gestor da Paineiras Investimentos Gerald Medley resume de forma clara qual a filosofia da gestora que está há 12 anos no mercado: Não compramos e vendemos o tempo todo. Temos posicionamento de longo prazo, com objetivo de ganhar dinheiro. Tendo visão que acreditamos e estando embasados, montamos posição.

Quem completa a avaliação é o também sócio e gestor David Cohen, explicando que as principais posição da casa, que administra cerca de R$ 1,6 bilhão no fundo Paineiras Hedge FIC FIM, estão bolsa de valores e títulos longos da dívida pública, como as Notas do Tesouro Nacional (NTN-B) 2050.

Antes de seguir adiante com a avaliação da Paineiras sobre os cenários local e externo, vale destacar a longevidade do fundo, que é o mesmo desde 2007, quando ex-sócios da Icatu se juntaram para fazer a gestão do patrimônio próprio e de amigos.

Cohen lembra que o fundo e a equipe, que é praticamente a mesma, já enfrentaram a crise de 2008 com capital aberto para terceiros, toda a crise política e econômica brasileira e os mercados “touros e ursos” vistos desde então aqui e no mercado externo.

“Nosso capital está no fundo. Estamos juntos no jogo”, resume Medley.

"Uma boa forma de avaliar um fundo é ver sua performance em diferentes tipos de mercado", diz Cohen.

Cavalo de pau

Medley explica que o processo de alocação começa com uma avaliação do cenário externo, pois é ele que dita a vontade de risco como um todo.

O que os gestores da casa estão vendo é um “cavalo de pau” na política monetária dos principais Bancos Centrais do mundo em comparação com o que tivemos até o fim de 2018.

Essa reversão no aperto das condições monetárias, que está sendo feita pelo Federal Reserve (Fed), banco central americano, Banco Central Europeu e por BCs emergentes, ajuda muito o Brasil.

E esse movimento está sendo feito dentro um cenário que não é de crise, no qual não se enxerga uma recessão global. A desaceleração em marcha se configura como um processo suave.

“O cenário está mais favorável para emergentes que o visto nos últimos anos, quando tínhamos aperto monetário nos EUA e a economia americana crescendo mais que o mundo, sugando capital”, resume Cohen.

Por aqui, juro baixo e crescimento

O que temos observado no cenário doméstico é uma mudança estrutural muito forte da taxa de juros e ainda não conseguimos enxergar todos os impactos que isso terá no Brasil.

“Os juros foram reduzidos de forma estrutural pela primeira vez. Juro baixo veio para ficar”, resume Cohen.

Com a Selic caminhando para fechar o ano em 4,5% e podendo cair mais em 2020, a visão da casa é de que um estoque muito grande de recursos vai sair do CDI e produtos relacionados para outros ativos. “É uma mudança grande e não muito refletida nos preços.”

Segundo Cohen, a cultura do investidor brasileiro de olhar o rendimento de sua carteira em % do CDI vai ter de mudar. Os investidores terão de ficar cada vez mais atentos aos retornos absolutos.

Outro vetor relevante na tese de investimento é a retomada da atividade e os primeiros movimentos de revisão para cima nas projeções de crescimento.

“Juro para baixo com revisão de crescimento para cima, puxa a receita e o lucro das empresas para cima também. E isso dentro de um valuation de bolsa ainda confortável. Tem um espaço legal para andar”, explica Cohen.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Juro longo

Quem explica a tese do investimento nas NTN-Bs longas é o também sócio e gestor Guilherme Foureaux. Essa é uma avaliação mais de sustentabilidade fiscal do que de política monetária de curto prazo.

Segundo Foureaux, com o crescimento aparecendo e o nosso juro nominal muito baixo, há perspectiva de queda relevante do déficit fiscal nominal, que considera receitas e despesas do governo incluindo gastos com juros (discutimos essa relação nessa matéria aqui).

A avaliação é que com um crescimento na casa de 2% em 2020 e com possibilidade de acelerar para 3% em 2021, o país teria condição de reconquistar o grau de investimento perdido em 2015. Evento que contribuiria para manutenção de juros baixos por mais tempo.

“Estamos posicionados nos ativos que melhor se beneficiam do crescimento”, resume Foureaux.

Complementando a tese, Medley afirma que há espaço para termos crescimento econômico sem inflação. Com juro baixo por mais tempo, também não precisamos de grande superávit primário, na casa de 3% do PIB, para fazer com que a dívida pública caia.

Mas e o dólar? Cade o gringo?

A Paineiras não carrega posição relevante no câmbio e Cohen chama atenção para dois vetores que ajudam a explicar um real desvalorizado.

Primeiro, a queda de juros tirou a atratividade das operações de arbitragem de taxa de juros (carry trade). Não tem mais o “hot money” ou “smart money” que vinha ganhar uma Selic de 14,25%. O cenário de juro baixo também tem estimulado as empresas a trocar dívida externa por local.

Segundo Cohen, temos a chance de ver o Brasil dar certo em um cenário de juro baixo e, com certeza, a moeda não é o melhor ativo para se posicionar.

“A bolsa pode performar muito bem com dólar a R$ 4 ou R$ 4,20. Ela segue seu caminho natural”, diz Cohen.

Por ora, o Brasil parece fora do radar de parte dos investidores estrangeiros, pois perdeu o juro alto e ainda não retomou de forma consistente o crescimento. Mas há outro grupo de estrangeiros que parece observar o país com bons olhos, acompanhando os leilões de infraestrutura, de petróleo e participando das aberturas de capitais e demais operações de emissões de ações.

“Tem demanda de estrangeiro, mas parece ser de um cara mais estável que o fast money. Algo muito mais interessante para o médio e longo prazos”, explica Cohen.

Mapeando os riscos

Os riscos ao cenário da Paineiras estão na guerra comercial, que os gestores da casa avaliam como algo que vamos ter de aprender a conviver, já que a disputa entre EUA e China é pela hegemonia mundial e não apenas por questões comerciais.

Assim, teremos ciclos de estresse na relação entre os dois países e períodos de alívio. Por ora, parece que estamos em um desses momentos de menor tensão com o avanço das negociações nas últimas semanas.

Ainda nos EUA, as eleições também são um vetor de risco a ser monitorado. A disputa promete ser bastante polarizada, e os gestores avaliam que uma candidatura democrata antimercado pode trazer volatilidade maior. Mas ainda parece cedo para isso ter alguma influência sobre os preços.

Por aqui, a coisa desanda se o crescimento for menor que o antecipado e se questões políticas acabarem impedindo o avanço da agenda de reformas.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Fusão no horizonte

O megainvestidor Carl Icahn está dando uma mãozinha para a Xerox comprar a HP

Em meio às notícias de que a Xerox estaria interessada em comprar a HP, o megainvestidor Carl Icahn resolveu entrar no jogo para viabilizar a operação

Contrato fechado

Embraer recebe seis novos pedidos por aeronaves; encomendas somam US$ 374 milhões

A companhia aérea nigeriana Air Peace e a arrendadora egípcia CIAF Leasing acertaram novos pedidos de aeronaves à Embraer

Depois da Previdência...

Reforma tributária pode sair em março, diz Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tem planos para dar encaminhamento à reforma tributária ainda no primeiro trimestre de 2020

Seu Dinheiro no domingo

O fim do mundo como o conhecemos — ao menos, na renda fixa

Com os juros cada vez mais baixos, é hora de buscar alternativas às opções tradicionais de investimento em renda fixa: eis o tema da pensata de hoje, enviada primeiro aos assinantes da newsletter do Seu Dinheiro

Uma gigante chega ao mercado

A Saudi Aramco quer levantar até U$ 25,5 bi com seu IPO e quebrar o recorde da Alibaba

Considerada uma das empresas mais rentáveis do mundo, a petroleira Saudi Aramco divulgou a faixa de preço e a quantia de ações a serem emitidas em seu IPO

O SEGUNDO MAIS RICO DO BRASIL

Jorge Paulo Lemann: conheça a trajetória do bilionário dos resultados

Como o carioca revolucionou o capitalismo brasileiro, comprou grandes ícones americanos como Budweiser, Burger King e Kraft Heinz, e acumulou uma fortuna de US$ 22,4 bilhões

Mercado de trabalho

Emprego informal recorde derruba produtividade da economia brasileira

O crescimento do trabalho informal tem afetado os índices de produtividade da economia do país, de acordo com cálculos da Fundação Getulio Vargas

Shake it off

Taylor Swift, o grupo de investimentos Carlyle e uma briga feia no mundo da música pop

O Carlyle está no centro de uma discussão envolvendo Taylor Swift e sua antiga gravadora, a Big Machine Records, que estão disputando os direitos autorais da obra da cantora pop

Seu Dinheiro no sábado

MAIS LIDAS: O jovem bilionário do Facebook

20 de janeiro de 2010: essa é a data da minha primeira postagem no Facebook. Nada muito inspirador, eu estava só reclamando do clima chuvoso. Nos meses seguintes, todas as minhas interações tratavam de joguinhos on-line — aparentemente, eu era um grande fã de FarmVille. Acessar o túnel do tempo das redes sociais é revelador. […]

Fim das atividades

Braskem encerra extração de sal-gema em Alagoas, alvo de ações de R$ 40 bi

Após supostos prejuízos causados a ruas e casas em Maceió (AL), a petroquímica Braskem decidiu encerrar as atividades de extração de sal-gema cidade

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements