Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Em recuperação

Bolsonaro deve deixar hospital hoje, mas agenda ainda será restrita

Após ter alta do hospital, o presidente retornará a Brasília e terá de manter um ritmo moderado de trabalho, conforme recomendações médicas

13 de fevereiro de 2019
7:05 - atualizado às 7:10
Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante entrevista para o jornal do SBT - Imagem: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro deve ter alta do hospital nesta quarta-feira, 13, segundo informações do médico Antonio Luiz Macedo, que acompanha sua recuperação.

Bolsonaro está internado há 17 dias no hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde foi submetido ao procedimento de retirada de uma bolsa de colostomia.

De acordo com o médico, o presidente está “excelente” e muito bem-humorado. Ontem, Bolsonaro deu sete voltas de 40 metros cada uma durante caminhada pelo corredor do hospital, sem precisar de ajuda de andador e de enfermeiros.

Após ter alta do hospital, o presidente retornará a Brasília e terá de manter um ritmo moderado de trabalho, conforme recomendações médicas. Bolsonaro deverá ficar alguns dias em sua residência, no Palácio da Alvorada, para só depois voltar a despachar do Palácio do Planalto. “Ele voltará em um ritmo tranquilo, moderado”, disse o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros.

O presidente já pediu para adaptar um gabinete de trabalho no Alvorada para poder receber ministros de sua equipe e despachar sem precisar se deslocar até o Planalto.

‘Evolução’

Embora o cirurgião da equipe médica tenha confirmado a previsão de alta para esta quarta-feira, o boletim divulgado nesta terça-feira pelo hospital não fazia menção à data de saída de Bolsonaro do hospital. Segundo o comunicado, o presidente “mantém boa evolução clínica, está afebril, sem dor abdominal e o quadro pulmonar encontra-se em resolução”.

Ainda de acordo com o boletim, Bolsonaro “segue com dieta leve e suplemento nutricional, com boa tolerabilidade” e “prossegue realizando exercícios respiratórios e de fortalecimento muscular, alternados a períodos de caminhada”. As visitas permanecem restritas.

Nesta terça-feira, Bolsonaro não despachou nem recebeu visitas de ministros. No entanto, participou, “por telefone”, de um encontro entre o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, que se reuniram em Brasília.

De acordo com a assessoria do Planalto, o presidente não fez qualquer menção à alta médica. Pediu ainda para repetir no jantar o cardápio que comeu no almoço: sopa, macarrão leve à bolonhesa e fruta cozida. À tarde, Bolsonaro tomou um lanche com chá, torrada e bolacha. Especialistas em cirurgias como a dele dizem que a evolução da alimentação é um dos pontos-chave para a melhora do quadro dos pacientes.

Antes mesmo do diagnóstico de pneumonia, o Palácio do Planalto já esperava que Bolsonaro voltasse a Brasília com uma rotina controlada. A situação intensificou a recomendação médica. “Com a pneumonia, fica muito debilitado. Quando ele retornar, tem que retornar mais devagar e, pouco a pouco, voltar ao ritmo normal de chegar às 8 horas e sair do Palácio do Planalto à noite”, afirmou o porta-voz, Rêgo Barros.

Retorno

Segundo interlocutores, Bolsonaro está incomodado com o tempo ausente e quer retomar logo o comando do País. Ele tem dito que tem “necessidade de estar em Brasília” e está “agoniado” para voltar. O avião da FAB que o transportará de São Paulo para Brasília já está preparado caso a alta seja confirmada para esta quarta-feira.

Internado desde 27 de janeiro, Bolsonaro passou por uma cirurgia de reconstrução do trânsito intestinal e, durante a recuperação, foi diagnosticado com pneumonia. O quadro de saúde fez a equipe médica estender a internação. Nesta quarta-feira, termina o período de medicação com antibióticos administrados para conter a infecção pulmonar.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
"Acordo muito bom"

Trump sinaliza otimismo com a China ao dizer que Estados Unidos estão “muito próximos” de um acordo comercial

Em pronunciamento presidente norte-americano voltou a dizer que gosta de tarifas e que os EUA ganharam bilhões de dólares da China por causa delas

Caso Coaf

Investigação sobre Queiroz vai para grupo de combate à corrupção do Ministério Público

Na prática, a mudança na condução do processo indica um aprofundamento nas apurações

Para colocar fim à crise

Bolsonaro decide que vai manter Bebianno em seu governo

Ministro foi pivô de uma crise política depois de ter sido chamado publicamente de mentiroso pelo presidente e seu filho Carlos Bolsonaro

Mudanças no radar

Governo está revendo o Rota 2030, mas não há proposta alternativa, diz secretário

Projeto começou a ser discutido pelo governo Temer com representantes do setor automotivo em 2017 e foi aprovado no fim do ano passado

Bilhões e mais bilhões

Lucro dos grandes bancos passa dos R$ 73 bilhões em 2018 e supera gasto com calotes

No ano passado, o lucro líquido consolidado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil subiu 12,77% em relação a 2017

Caso Bebianno volta a assombrar

Para Alcolumbre, tensão política no governo não deve atrapalhar o andamento da reforma da Previdência

Crise entre Bolsonaro e Gustavo Bebianno ocorre no momento em que o Planalto tenta manter coesão para as negociações da reforma no Congresso

Depois do pente fino

Impacto fiscal da reforma da Previdência deve recuar em até R$ 600 bilhões no Congresso

Previsão é de Christopher Garman, diretor da consultoria de risco político Eurasia. Para ele, negociações devem limitar o projeto

Nova gestão

Grupo Heineken no Brasil terá, pela primeira vez, um brasileiro no comando

Mauricio Giamellaro começou na empresa há cerca de sete anos, e desde então havia atuado como vice-presidente de vendas e distribuição.

medidas antidumping

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro, mas isenta 14 empresas

De acordo com anúncio do Ministério do Comércio local, os importadores do frango brasileiro deverão pagar tarifas de 17,8% a 32,4% a partir do próximo domingo, 17

Por valor não reconhecido

Usiminas diz que continuará com trâmites judiciais sobre dívida da Eletrobras

Empresa conseguiu reverter a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins, cobranças que foram questionadas pela empresa na Justiça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu