Menu
2019-06-27T09:46:53+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

BC mostra inflação nas metas até 2021 e prevê PIB de 0,8% em 2019

Relatório de Inflação reafirma importância das reformas. Agora é aguardar Roberto Campos Neto para ver se ele tira alguma pista sobre o futuro da Selic do bolso

27 de junho de 2019
9:17 - atualizado às 9:46
Roberto Campos Neto CAE 260219
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em audiência na CAE. - Imagem: Pedro França/Agência Senado

O Relatório de Inflação do Banco Central (BC) mostra um cenário que autorizaria cortes da Selic, que está em 6,5% desde março do ano passado, sem preocupação. A inflação está ao redor das metas até 2021, considerando diferentes parâmetros. Mas o documento também reforça a necessidade de “avanços concretos” na agenda de reformas para a consolidação desse cenário.

Em termos de pistas sobre o futuro da taxa Selic, novidade pode (ou não) ser dada pelo presidente Roberto Campos Neto em entrevista às 11 horas.

De resto, o documento apenas reforça o já dito na ata divulgada na terça-feira, na qual o BC reiterou a importância das reformas e não da Selic para a retomada da atividade.

Pibinho e crédito

O BC também atualizou sua projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019. A previsão caiu para 0,8% de 2% divulgada em março. A mediana do mercado captada pelo Focus é de 0,87%. O BC também já disse esperar estabilidade do PIB no segundo trimestre e que trabalha com recuperação gradual ao longo do ano.

Também temos novas projeções para o crescimento do mercado de crédito, que foi reduzida de 7,2% para 6,5%. Segundo o BC, a revisão considera os dados já observados e a evolução da economia. O crédito na modalidade livre e para as famílias continuará puxando a expansão, com crescimentos de 11,6% e 13%, respectivamente.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Projeções

O BC apresenta quatro cenários diferentes de projeção. No cenário com Selic constante em 6,5% e câmbio de R$ 3,85 ao longo de todo o horizonte de projeção, temos Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 3,6% no fim desde ano, 3,7% em 2020 e 3,9% em 2021.

Lembrando que as metas são de 4,25% neste ano, 4% em 2020 e 3,75% em 2020. Há banda de tolerância de 1,5 ponto percentual. Ainda hoje, o Conselho Monetário Nacional (CMN) apresenta a meta de inflação para 2022, e a expectativa é de redução para 3,5%.

De volta às projeções, nesse cenário, que era conhecido como cenário de referência, a probabilidade de o IPCA ficar acima da banda de tolerância é de 1% e de cair abaixo de 2,75% é de 17%. Para 2020, essas probabilidades situam-se ao redor de 10% e 20%. Para 2021, as probabilidades são de 17% para o limite superior e 12% para o limite inferior.

Considerando as trajetórias do Focus, com Selic de 5,75% em 2019, 6,5% em 2020 e 7,5% em 2021, o IPCA termina o ano em 3,6%, sobe a 3,9% em 2020 e 2021.

Aqui, as probabilidades estimadas de a inflação ultrapassar os limites superior e inferior do intervalo de tolerância da meta em 2019 são 1% e 16%, respectivamente. As probabilidades referentes aos limites superior e inferior para os anos seguintes situam-se ao redor de 12% e 16% (2020) e de 17% e 12% (2021).

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Próximos passos

Banco dos BRICS quer trabalhar com mais empréstimos em moedas locais

NDB tem como foco o financiamento de projetos no Brasil, na Rússia, na Índia, na China e na África do Sul

Trato feito

Grupo Prumo e Siemens AG assinam acordo de cooperação em projetos de energia

Assinatura ocorreu durante a reunião do BRICs, em cerimônia que contou com a presença dos principais executivos das companhias envolvidas

Ficou difícil

Negociação EUA-China trava por questão de compras agrícolas, dizem fontes

Impasse sobre agricultura cria outro obstáculo no caso, conforme Pequim e Washington tentam fechar a fase 1 do acordo

Mantendo relações

Bolsonaro confirma viagem à Índia em janeiro de 2020

Mais cedo, presidente teve reunião com o presidente da China, Xi Jinping, para a assinatura de acordos bilaterais

Hora de comprar

Quer uma ação com potencial de alta de 20%? o J.P. Morgan recomenda a Totvs

Apesar de as ações ON da Totvs já acumularem ganhos de mais de 125% em 2019, o J.P. Morgan ainda vê espaço para valorização nos papéis até o ano que vem

Reação do mercado

C&A frustra expectativas em primeiro balanço após IPO e ações caem forte

Um dos pontos que chamaram a atenção no balanço da companhia foi o fato de que o lucro líquido fechou o terceiro trimestre com queda de 40,5%, ante o mesmo período de 2018, assim como o fato de que a companhia perdeu poder competitivo e houve desaceleração das vendas nas mesmas lojas

Tribunal da concorrência

Cade vai revisar compra da Fox pela Disney, já que Fox Sports não foi vendida

Em sua sentença, o tribunal concorrencial condicionou a aprovação do negócio à venda do canal Fox Sports, o que não ocorreu até agora

Dá-lhe recuperação

Lucro das três maiores estatais brasileiras no ano até setembro atinge o maior valor em 26 anos

Resultado de R$ 52,065 bilhões em 2019 é 53% superior ao acumulado no mesmo período de 2018, de R$ 33,966 bilhões

Entrando dólares

Fluxo cambial total em novembro até dia 8 é positivo em US$ 256 milhões

Resultado inicia o mês positivo depois de encerrar outubro com saídas líquidas de US$ 8,494 bilhões

Precisa melhorar isso aí

Em reunião em Brasília, representantes dos BRICS dizem que cooperação do grupo está aquém do potencial

Grupo realiza nesta quarta-feira uma série de encontros e debates em Brasília para decidir os seus próximos passos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements