Menu
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
A TAL DA AGENDA LIBERAL...

Olha a privatização aí gente! Governo pode se desfazer de 131 estatais. Só BB, Caixa e Petrobras ficam sob comando da União

A afirmação é de Salim Mattar, o secretário à frente do projeto de desestatização. Ele alerta que mesmo as 3 empresas que ficarão sob o guarda-chuva do governo terão que vender ativos. Na mira está a BBDTVM e subsidiárias da Petrobras

29 de janeiro de 2019
12:04 - atualizado às 10:47
Sede da Eletrobrás no Rio de Janeiro
Sede da Eletrobrás no Rio de Janeiro - Imagem: Divulgação

O que o secretário especial de desestatização e desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar, disse a um grupo de investidores reunidos nesta terça-feira (29), em um evento do Credit Suisse, soou como a mais bela música a seus ouvidos. Ele afirmou que o governo pode privatizar (ou capitalizar) 131 das 134 estatais brasileiras, e que duas delas devem ser vendidas em breve.

Só ficarão sob o comando do governo Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Petrobras. E mesmo elas não passarão incólumes à onda de privatização que visa a reduzir o peso do Estado na economia brasileira.

Segundo Mattar, essas empresas vão ficar mais “magrinhas” e terão que se desfazer de alguns ativos.

“Vamos transformar ativos do governo e imóveis em cash.”

Banco do Brasil

O que o BB vai vender? Que tal a maior gestora de recursos do país, a BBDTVM? Sim, ela está na lista para ser privatizada.

“A decisão final vai ser do presidente, mas ele já adiantou que quer enxugar os bancos. Precisamos decidir se queremos os bancos competindo com a iniciativa privada ou se preferimos ver o banco como política pública”, destacou o secretário.

Ele lembrou que essa venda não precisa do aval do Congresso, assim como eventuais vendas de ativos da Caixa Econômica.

Petrobras

No caso da petrolífera, quem está na mira são as subsidiárias. E a Petrobras tem nada menos de 36 delas. Mattar disse que o objetivo é fazer um rearranjo do portfólio de ativos e vender todas as participações. Ele destacou que até o fim do governo, a expectativa é que sejam vendidas todas as subsidiárias. Sim, as 36.

Na visão dele, as privatizações das subsidiárias devem seguir assim que a estatal conseguir resolver o impasse em torno de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Eletrobras

Sobre a gigante do setor elétrico, o secretário disse que o governo deve abrir mão do controle acionário da companhia. A operação, no entanto, não dever ser uma venda da empresa, mas uma capitalização. A tendência é que seja uma operação de aumento de capital para atrair novos investidores privados, que diluiria a participação do governo. A visão de Mattar é que essa operação tornará a Eletrobras uma das empresas brasileiras mais fortes.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

“O nosso presidente é privaticista, então a tendência é fazer isso. Queremos buscar no mercado dinheiro para a Eletrobras”, destacou o secretário.

BNDESPar

Até mesmo aquelas empresas que a União detém indiretamente e, na maioria das vezes, como minoritária, estão na lista do que Mattar quer tirar do guarda-chuva do Estado.

Ele se refere às ações que o governo detém em companhias privadas por meio da BNDESPar, o braço de investimento em participações de empresas do BNDES.

"Vamos privatizar a BNDESPar. Não há razão para que o governo ter uma carteira de ações que estão na bolsa. O governo tem outras prioridades. Se um dia não tivermos mais dívidas, poderemos montar uma empresa de participações, mas essa realidade não existe."

Correios

A estatal também não passou despercebida. Segundo Mattar, já faz tempo que os Correios não representam mais uma máquina eficiente.

O secretário manifestou interesse em privatizá-la, mesmo que muitos ainda a vejam como estratégica, como o “arroz com feijão” do governo.

Novidade no TCU

Para que os projetos não parem no meio do caminho, o secretário afirmou que o Tribunal de Contas da União (TCU) criou um departamento voltado para agilizar o processo de privatização de empresas.

Ele destacou que a ideia é diminuir de 150 dias para 120 dias. “O TCU criou uma célula e separou um grupo de procuradores para facilitar a privatização de subsidiárias submetidos a ministérios. Isso deve facilitar para as empresas menores. Mas no caso das maiores e mais complexas, o processo deve permanecer em 150 dias”, disse o secretário.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

A Bula do Mercado

Feriado hoje, Previdência amanhã

Feriado em alguns países hoje mantém a liquidez reduzida no mercado financeiro, ampliando espera local pela retomada da sessão na CCJ amanhã

Poder

Congresso impõe agenda própria a Bolsonaro

Já são seis as iniciativas traçadas pelo Congresso para garantir maior influência e poder político após o abandono do presidencialismo de coalizão

Aviação

Segundo NYT, outro jato da Boeing pode ter problemas de segurança: o 787 Dreamliner

Segundo reportagem do New York Times, na fábrica do 787 na Carolina do Sul são comuns os casos de resíduos metálicos e ferramentas esquecidos dentro de aeronaves, além de peças defeituosas instaladas; até chiclete segurando o acabamento de uma porta já foi encontrado

O LEMA DE SÃO TOMÉ

Por que os gringos estão com o pé atrás em relação ao Brasil e à bolsa?

Apesar de o Ibovespa acumular alta em 2019, o fluxo de recursos estrangeiros para a bolsa no mercado à vista está negativo. Com a reforma da Previdência avançando aos trancos e barrancos, os gringos estão como São Tomé: só acreditam vendo

Transparência

Guedes defende mesma transparência do Copom para política de preços da Petrobras

Em entrevista, ministro voltou a defender que a estatal é livre para definir os preços

Petróleo

ANP nega mais prazo à Petrobras; campos terrestres irão para oferta permanente

Agência reguladora negou mais prazo para a estatal apresentar um plano de desativação de campos terrestres que não estão em produção há mais de seis meses

BOMBOU NA SEMANA

MAIS LIDAS: Siga o dinheiro

A vida dos milionários costuma fascinar as pessoas que ainda não chegaram e talvez nunca cheguem lá. Esse é o tipo de tema que costuma despertar as paixões humanas: admiração, inveja, raiva ou simplesmente a questão aspiracional. Quem não nasceu em uma família endinheirada certamente já pensou em como seria a sua vida se fosse […]

Atualização

Avianca cancela mais de 1.300 voos até dia 28

Guarulhos, Brasília e Galeão são os aeroportos mais prejudicados pelos cancelamentos. Já Congonhas e Santos Dumont parecem ter sido poupados

Piora nas contas

Déficit estrutural do setor público chega a 0,7% do PIB em 2018

Devido à deterioração das contas dos Estados e municípios, movimento de melhora das contas públicas pelo resultado oficial não aconteceu no estrutural, que apresentou piora no ano passado

Preço do diesel

Em áudio, Onyx diz que governo deu uma ‘trava na Petrobras’

Ministro da Casa Civil diz que os caminhoneiros podem ficar sossegados que o governo tem trabalhado para resolver o problema deles

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu