Menu
2019-07-15T16:27:25-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
reconciliação

Avaliação positiva de Bolsonaro salta de 14% para 55% entre agentes de mercado

Sondagem da XP Investimentos também mostra melhora na percepção com relação ao Congresso, Previdência na casa de R$ 850 bilhões e Ibovespa em 120 mil pontos

15 de julho de 2019
16:27
Presidente da República, Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Economia Paulo Guedes, durante live nas redes sociais
Presidente da República, Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Economia Paulo Guedes, durante live nas redes sociais - Imagem: Marcos Corrêa/PR/Flickr Planalo

Depois do que podemos chamar de divórcio em maio, o mercado financeiro parece ensaiar uma reconciliação com o presidente Jair Bolsonaro. A avaliação positiva, que tinha caído a apenas 14%, subiu para 55% agora em julho. Mas ainda dista dos 86% de janeiro de 2019.

Entre a população em geral, o percentual de ótimo e bom de Bolsonaro tem oscilado na linha dos 33%. A melhora na percepção de ambiente político também transparece nas avaliações positivas com relação ao Congresso, que atingiram 86% agora em julho saindo de 32% em maio, maior leitura já captada. Para o restante do mandato de Bolsonaro, as menções ótimo e bom subiram de 27% para 55% (eram 86% em janeiro).

Já a previsão de economia final com a reforma da Previdência subiu de R$ 700 bilhões para R$ 850 bilhões. A pesquisa foi feita antes da definição de votação do segundo turno da Câmara apenas em agosto.

Bolsa e dólar

A pesquisa XP Investimentos ouviu 83 investidores institucionais entre os dias 11 e 12 de julho e a mediana das expectativas dos entrevistados é de Ibovespa em 120 mil pontos, dólar a R$ 3,70 e Selic em 5,5% no fim de 2019.

Para a maioria dos participantes (57%) eventuais episódios de volatilidade serão utilizados para ampliar exposição em Brasil, enquanto 25% pretendem reduzir risco depois da aprovação da reforma pelos deputados.

O principal tema para os mercados ao longo do semestre será a retomada do crescimento (39%), seguido pela reforma tributária (33%), mercado internacional (14%) e privatizações (13%).

Ainda sobre a agenda de privatizações, a expectativa de recursos a ser obtida ao longo de quatro anos subiu para R$ 400 bilhões, depois de ficar estacionada em R$ 300 bilhões entre janeiro e maio.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Onde estão os riscos

Na avaliação sobre a percepção de riscos, os investidores são questionados sobre a materialização de riscos. Os eventos ligados a geopolítica, como guerra comercial, tem o maior percentual de "risco alto", seguido por 17% para "política local". Recessão nos EUA é um evento de risco médio para 52%. Praticamente ninguém acha que o Federal Reserve (Fed), banco central americano, será mais duro ou "falcão" que o previsto.

 

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

UM DOS IPOs DO ANO

Presidente da XP diz que não descarta listar a companhia na bolsa brasileira

O executivo disse que a ideia sempre foi fazer uma listagem no Brasil, visto que a empresa sempre se posicionou “como disruptora do mercado local, democratizando investimentos”

POLÍTICA

Justiça derruba suspensão de deputados do PSL; Joice pode perder liderança

Nesta quarta-feira, Joice foi confirmada líder do PSL na Câmara e em sua primeira coletiva no cargo afirmou que vai buscar uma pacificação na bancada

Até que enfim!

Agência de risco S&P eleva perspectiva para nota do Brasil para “positiva”

Embora atrasada, a decisão da S&P abre caminho para a recuperação no selo de bom pagador do país, perdido em setembro de 2015

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A última superquarta do ano

Nesta última superquarta de 2019, o mercado ficou em compasso de espera pelas decisões de política monetária do Federal Reserve (Fed), o banco central americano, e do Banco Central brasileiro. No meio da tarde, o Fed anunciou a manutenção das taxas de juros, interrompendo um ciclo de três reduções consecutivas. Mas como o resultado já […]

Sessão tranquila

Sem surpresas com o Fed, dólar cai a R$ 4,11 e Ibovespa fecha em leve alta

A primeira parte do script imaginado pelos mercados foi cumprida à risca: o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve a taxa de juros no país na faixa de 1,50% e 1,75% ao ano, conforme era esperado pelos agentes financeiros. E, sem nenhuma surpresa, o dólar à vista encontrou espaço para continuar caindo, enquanto […]

Menor juro da história

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,5% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central cortou a Selic mais uma vez

Juros

Banco Central reduz juros para 4,5% ao ano, mas não garante novos cortes

Com a nova redução de 0,5 ponto percentual em decisão unânime tomada pelo Copom, a Selic renova a mínima histórica

Antes tarde do que nunca?

No dia do IPO da XP, CVM lança proposta para facilitar listagem de BDR

Se já estivesse em vigor, a regra permitiria a listagem de recibos de ações da XP na bolsa brasileira. CVM também pretende liberar investimento em BDR para o varejo

SEM BUROCRACIAS

Em evento na CNI, Bolsonaro faz acenos ao empresariado ao criticar “burocracias”

“Cada instrução normativa deve ser muito bem pensada. Deve atender ao interesse do Brasil. Não de grupos”, disse o presidente

MAIS MAGRINHA

Venda de 51% da Gaspetro com 20 distribuidoras deverá ser por IPO, diz Petrobras

“As conversas continuam com a Mitsui e a nossa expectativa é realizar a transação no mercado de capitais. Em 2015 a Petrobras vendeu 49% da empresa para a Mitsui e agora vamos vender nossa parte em bolsa”, disse Castello Branco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements