🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
DEMANDA POR RENDA FIXA

A farra das LCI e LCA continua? Investimentos em títulos isentos sobe 9,1% em 2024 — mesmo após mudança nas regras

Alocação das pessoas físicas em títulos isentos de Imposto de Renda chegaram a R$ 1,12 trilhão entre janeiro e abril deste ano

Camille Lima
Camille Lima
28 de junho de 2024
18:00 - atualizado às 16:22
mercado financeiro

Mesmo com as mudanças nas regras de LCI, LCA, CRI e CRA no início do ano, os investidores continuaram a procurar refúgio na renda fixa em meio à volatilidade do mercado de ações — e os títulos isentos continuaram a atrair o apetite dos brasileiros.

Os investimentos das pessoas físicas em títulos isentos de Imposto de Renda chegaram a R$ 1,12 trilhão entre janeiro e abril deste ano, de acordo com dados da Anbima. O montante equivale a um aumento de 9,1% em relação ao fechamento de 2023.

“A Selic deve ficar no patamar atual até o final do ano, mantendo benéfico o cenário para os títulos de renda fixa”, afirmou Ademir Correa Júnior, presidente do Fórum de Distribuição da Anbima.

“As alterações no regime de tributação dos fundos exclusivos contribuem para a procura por produtos de renda fixa com o benefício fiscal. Neste contexto, a demanda por isentos, que já vinha forte desde o ano passado, continua, com os investidores optando por ativos que alinhem rentabilidade, liquidez e segurança”, acrescentou.

A alocação em isentos ainda representou 16,5% do total investido pelos brasileiros nos quatro primeiros meses do ano, de R$ 6,8 trilhões.

Vale lembrar que o CMN (Conselho Monetário Nacional) alterou em fevereiro as regras para emissão de títulos de crédito imobiliário e do agronegócio, fechando as brechas que bancos e empresas usavam para captar recursos com títulos isentos de IR.

Com as novas resoluções, o prazo mínimo de carência para investimentos em LCA e LCI passou de 90 dias para nove e 12 meses, respectivamente. Além disso, a mudança limitou o tipo de empresa que pode emitir CRAs e CRIs.

CRI e CRA: o apetite pelos títulos isentos continua

Do lado dos Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), o apetite dos investidores cresceu 20,4% nos quatro primeiros meses de 2024, totalizando R$ 75,2 bilhões em investimentos.

Já os Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs) registraram aumento de 20% nas alocações entre janeiro e abril, para R$ 111,5 bilhões.

“O resultado mostra uma tendência maior para a diversificação dos portfólios. Nem mesmo a mudança nas regras para emissão desses produtos reduziu o apetite dos investidores, sobretudo os do varejo”, disse Correa Júnior.

Na comparação com o fechamento do ano passado, as aplicações dos investidores do varejo nos CRIs subiram 31,3%, para R$ 40,3 bilhões, enquanto os CRAs avançaram 30%, totalizando R$ 68,4 bilhões.

Por sua vez, no private, o investimento em CRAs cresceu 6,7%, para R$ 43 bilhões, enquanto as aplicações em CRIs avançaram 9,7%, a R$ 34,9 bilhões.

Leia também:

De olho em LCI, LCA e debêntures incentivadas

Além dos CRIs e CRAs, outros produtos de renda fixa isenta também conquistaram lugar na carteira dos investidores brasileiros no início de 2024.

Considerando o private e o varejo, os investimentos em Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) tiveram alta de 12,9% em comparação com o fechamento de 2023, alcançando R$ 322,5 bilhões entre janeiro e abril.

Já as Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) registraram um aumento mais tímido, de 3,7% na mesma base de comparação, a R$ 429 bilhões.

Por sua vez, as Letras Imobiliárias Garantidas (LIGs) avançaram 2,7% em igual intervalo, para R$ 111,8 bilhões.

Consideradas um refúgio da isenção de IR em meio ao “fim da farra” das LCIs e LCAs, as debêntures incentivadas foram outro instrumento que se beneficiou nos primeiros meses deste ano.

Os investimentos nesta classe subiram 10,7% entre janeiro e abril, a R$ 72,7 bilhões. Vale lembrar que os ativos não foram afetados pelas mudanças anunciadas pelo CMN.

Compartilhe

RENDA FIXA

O Brasil vai virar a Turquia? Veja por que você deveria ter títulos indexados à inflação na carteira (e agora é uma boa hora de comprar)

19 de julho de 2024 - 7:13

Estudo da TAG Investimentos analisa se a inflação brasileira pode se descontrolar, mas o juro real ficar negativo, como ocorre no país europeu

Balanço do mercado de capitais

Sem IPOs e com restrições a CRIs, CRAs, LCIs e LCAs, renda fixa domina emissões no 1º semestre; debêntures batem recorde de captação

17 de julho de 2024 - 19:30

Ofertas no mercado de capitais totalizaram R$ 337,9 bilhões no período, sendo que R$ 206,7 bilhões corresponderam a debêntures; ofertas de ações totalizaram apenas R$ 4,9 bilhões

Sem fortes emoções

Mapfre Investimentos lança fundo de renda fixa de baixo risco para investir em CDBs e outros títulos bancários; foco é superar o CDI

16 de julho de 2024 - 7:27

Primeiro fundo lançado pela gestora em dez anos atende demanda de clientes por produtos conservadores em momento de mercado adverso

Tesouro Direto do mês

Dobradinha no Tesouro Direto: Itaú BBA recomenda combinação de Tesouro Selic e título público prefixado para julho

12 de julho de 2024 - 14:27

Veja as recomendações de títulos públicos do banco para este mês

Atrelado à inflação

Tesouro Direto na bolsa: BTG Pactual e TEVA Índices lançam o fundo PACB11, ETF de títulos públicos de longuíssimo prazo

12 de julho de 2024 - 11:24

Fundo com cotas negociadas em bolsa acompanha índice composto por títulos Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais de prazos superiores a 14 anos

DIVERSIFICANDO A CARTEIRA

Renda fixa do mês: os melhores títulos públicos e privados para investir em julho, segundo o Santander, BTG e XP

5 de julho de 2024 - 18:10

Bancos apostam nos prefixados e atrelados à inflação para o mês, mas atrelados à Selic e ao CDI ainda seguem atrativos pela falta de perspectiva de queda de juros até o final do ano

ONDE INVESTIR NO 2⁰ SEMESTRE

Renda fixa conservadora se manterá atrativa no 2⁰ semestre, mas Tesouro Direto abriu oportunidades de retorno alto

3 de julho de 2024 - 6:00

Sem perspectiva de queda nos juros até o fim do ano, títulos atrelados à Selic seguem atrativos, mas investidor pode “travar” retornos elevados em prefixados e indexados à inflação; veja onde investir na renda fixa até o fim do ano

Dá o play!

Os fundos de renda fixa com ‘dupla isenção de IR’: uma conversa sobre FI-Infras com Aymar Almeida, gestor da Kinea

30 de junho de 2024 - 11:00

O podcast Touros e Ursos recebe o gestor do KDIF11, maior e mais antigo fundo de debêntures incentivadas com cotas negociadas na bolsa brasileira, para falar sobre a perspectiva para os FI-Infras

REPORTAGEM ESPECIAL

Exclusivo: Gestoras de fundos imobiliários assumem empreendimentos da Seed e evitam calote de CRIs lastreados em imóveis de luxo

25 de junho de 2024 - 15:31

Seed usou CRIs para financiar parte de seus projetos, mas atrasos em obras levaram gestoras a buscar meios de mitigar problemas

QUANTO VOCÊ VAI RECEBER

Poupança, Tesouro Direto e CDB: a renda fixa tem chance de reagir com a Selic mantida em 10,50%? Fizemos os cálculos para você

19 de junho de 2024 - 19:05

Banco Central manteve a taxa básica de juros inalterada nesta quarta-feira (19); saiba quanto rendem os investimentos conservadores a partir de agora

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar