🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
É TUDO CULPA DA IA

Nem Japão, nem Cingapura: o país asiático que está se tornando a nova potência em data centers e já atraiu bilhões de big techs como Google e Microsoft

Uma cidade com quase 800 mil habitantes se tornou um dos principais destinos dos investimentos bilionários de grandes empresas de tecnologia em centros de dados

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
17 de junho de 2024
20:00 - atualizado às 10:04

Em meio à crescente demanda por inteligência artificial (IA), os data centers são a nova “mina de ouro". Essa infraestrutura visa concentrar toda a tecnologia de computação em nuvem capaz de processar grandes quantidades de dados de IAs cada vez mais avançadas. 

Nesse cenário, gigantes de tecnologia como Google, Nvidia e Microsoft já investiram bilhões para a construção de data centers em várias regiões do mundo, especialmente na Ásia. 

Mas um país em especial vem despontando como uma nova potência global: a Malásia. Johor Buru, cidade com quase 800 mil habitantes localizada na fronteira com Cingapura, é um dos principais destinos dos investimentos bilionários de big techs em data centers no país.

No ano passado, a cidade foi eleita como o mercado mais rápido em crescimento do Sudeste Asiático, segundo o Índice Global de Data Centers de 2024, da empresa britânica DC Byte.

Atualmente, os data centers localizados em Johor têm capacidade para consumir até 1,6 em gigawatts de energia. O dado inclui alguns projetos já em construção em fase inicial. 

Vale lembrar que a capacidade de um data center normalmente é medida pela quantidade de eletricidade que consome. Quanto maior a quantidade de energia consumida, maior é a potência instalada no data center. 

Mudança na demanda e desenvolvimento da IA

Tradicionalmente, grande parte dos investimentos em infraestrutura e armazenamento de data centers vai para os mercados do Japão, Cingapura e Hong Kong. 

No entanto, durante a pandemia de covid-19, a aceleração da transformação digital global aumentou a demanda por fornecedores em novos mercados. 

Mercados emergentes como a Malásia e a Índia brilharam aos olhos das empresas que precisavam aumentar a capacidade de oferecer serviços de streaming de vídeo, armazenamento de dados e qualquer outro serviço relacionado à internet e telefonia móvel. 

Da mesma forma, os novos serviços de inteligência artificial – como o ChatGPT, da OpenAI; Gemini, do Google; Copilot, da Microsoft; e o DALL-E — também exigem data centers capazes de alocar grandes quantidades de dados para treinar novos modelos de IA. 

Em geral, os data centers requerem muito espaço, energia e, principalmente, água. Neste caso, a água é usada para o gerenciamento dos níveis de temperatura e umidade das instalações para proteger e melhorar os sistemas que os data centers abrigam. 

Por conta disso, mercados emergentes como a Malásia vem conquistando as big techs. Isso porque são regiões onde o custo da energia e dos terrenos são relativamente baratos, oferecendo vantagens sobre cidades menores como Hong Kong e Cingapura. 

Outras razões pelas quais a Malásia se tornou um destino atraente são as políticas criadas pelo governo local para facilitar o caminho para os data centers. 

No ano passado, a Malásia lançou a Green Lane Pathway, uma iniciativa para agilizar as aprovações relacionadas ao fornecimento de energia — e que agora levam, em média, 12 meses para os data centers.

Enquanto isso, o governo de Cingapura, um dos principais mercados globais, limitou a capacidade dos data centers ainda em 2019, por conta do alto consumo de água e energia. 

A questão ambiental dos data centers

Embora os investimentos tenham ajudado a impulsionar a economia da Malásia, nem tudo são flores. O alto consumo de água e energia elétrica exigido nessas instalações também levantou preocupações sobre a questão ambiental no país asiático. 

O prefeito da cidade de Johor, Mohd Noozaram Osman, já afirmou que os investimentos em data centers não deveriam comprometer as necessidades de recursos locais.

Nesse sentido, o mercado de data centers em Johor pode sofrer um revés, já que o governo estadual deve implementar novas diretrizes sobre o uso de energia este ano. 

*Com informações da CNBC

Compartilhe

O BALANÇO VEM AÍ

O pior está por vir para a Vale (VALE3)? Mineradora perde mais R$ 2,5 bilhões em valor e ações aparecem entre as maiores quedas do Ibovespa

17 de julho de 2024 - 13:34

Na noite anterior, a companhia apresentou os dados operacionais do segundo trimestre — mas há mais por trás da queda dos papéis desta quarta-feira (17)

ADEUS, CANETA EMAGRECEDORA?

Novo concorrente do Ozempic dispensa injeção e deve demorar a chegar às farmácias, mas já derruba as ações da Novo Nordisk e da Eli Lilly

17 de julho de 2024 - 12:03

Novo remédio para emagrecimento levou pacientes sem diabetes tipo 2 perderem uma média de peso ajustado de 6,1% em um mês

PODE UNIR

Incorporação da Enauta (ENAT3) e Maha Energy pela 3R Petroleum (RRRP3) já tem data para acontecer; veja calendário

17 de julho de 2024 - 11:58

De acordo com o comunicado enviado ao mercado nesta quarta-feira (17), as ações de emissão da Enauta terão seu último dia de operação no dia 31 deste mês

CONTABILIDADE CRIATIVA

O que a Americanas (AMER3) vai fazer depois de investigação independente confirmar (de novo) fraudes no balanço da varejista

17 de julho de 2024 - 7:36

Diante das evidências, o conselho de administração orientou a atual diretoria a procurar as autoridades competentes envolvidas no caso

CONSTRUINDO POSIÇÃO

O que está por trás da volatilidade da ação da Ambipar (AMBP3) na B3 — e por que o CEO não para de aumentar a fatia na empresa

17 de julho de 2024 - 7:03

Além de Tércio Borlenghi Junior ter elevado sua fatia na empresa para cerca de 73%, uma gestora supostamente ligada a Nelson Tanure também adquiriu participação na companhia

DADOS OPERACIONAIS

A hora da Vale (VALE3) chegou? Produção de minério cresce e vendas acompanham; confira os números da mineradora no 2T24

16 de julho de 2024 - 19:13

Havia expectativa em torno do desempenho da companhia entre abril e junho por conta da desaceleração da economia chinesa, que afeta diretamente a demanda por minério de ferro

MUDANÇA A CAMINHO?

Governo avalia “reestruturação estratégica” da Telebras (TELB4) e ações da estatal saltam na B3

16 de julho de 2024 - 18:16

Papéis da empresa de telecomunicações fecharam em alta de 6,36%, cotados a R$ 13,55

ACABOU O OTIMISMO?

Santander revela 3 motivos para não comprar ações da Petrobras (PETR4) agora — e a troca de CEO não tem nada a ver com isso

16 de julho de 2024 - 16:54

Banco decidiu manter recomendação neutra para os papéis, com preço-alvo de R$ 43 para os ativos ordinários PETR3 no fim de 2025

PEDIDO LIMINAR

O STF vai barrar a privatização da Sabesp (SBSP3)? Cinco partidos vão à Corte contra a oferta que pode movimentar mais de R$ 12 bilhões

16 de julho de 2024 - 16:05

A ação foi ajuizada pelo PSOL, Rede, PT, PV e PCdoB com pedido de liminar para suspensão imediata da lei municipal que abriu caminho para a desestatização

DADOS OPERACIONAIS

Vale (VALE3) perde quase R$ 7 bilhões em valor de mercado e relatório de produção vem aí — mineradora pode ter mais de um vilão no 2T24

16 de julho de 2024 - 15:07

A Vale apresenta após o fechamento do mercado desta terça-feira (16) os dados operacionais referentes do segundo trimestre e a conjuntura não está favorável para mineradora

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar