🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
ANTES DA PRIVATIZAÇÃO CHEGAR

A Sabesp (SBSP3) está barata e não é só ela — um pacote de oportunidades entre as ações de serviços públicos

O Santander examinou as principais empresas do segmento, elegeu a preferida e indica quais são as pechinchas do momento; confira

Liliane de Lima
10 de fevereiro de 2024
15:23 - atualizado às 18:36
Logotipo da Sabesp, a estatal de saneamento do governo de São Paulo
Logotipo da Sabesp, a estatal de saneamento do governo de São Paulo - Imagem: Shutterstock

Se antes o mar estava revolto e bastante agitado, as águas devem ter ondas menores e mais tranquilas ao longo deste ano, especialmente para a Sabesp (SBSP3)

Pelo menos, essa é a visão do Santander sobre o setor de Utilities, que engloba empresas de serviços essenciais para a população como água

A recomendação do banco é aumentar a exposição ao setor de serviços públicos no Brasil. Um dos motivos para isso é que as ações das principais empresas estão baratas e outro é a aceleração do corte na taxa de juros aqui e nos Estados Unidos. 

Além disso, “os riscos políticos e regulatórios também parecem bem mapeados e sob controle, apesar da pressão para redução de tarifas no mercado regulado no Brasil”, escrevem os analistas André Sampaio, Guilherme Lima e Francisco José Paz Díaz, que assinam o relatório. 

Entre as ações recomendadas, Sabesp (SBSP3) é a preferência, ou melhor a top pick, do Santander no setor. Cemig (CMIG3), Copel (CPLE3), Eletrobras (ELET3;ELET6) e Eneva (ENEV3) também possuem o seu lugar de destaque no setor. 

O que faz Sabesp brilhar? 

Para ser a top pick de um setor, há pelo menos um diferencial em relação às outras companhias — seja a atratividade pela relação de risco e retorno seja pelas perspectivas de curto prazo. 

No caso da Sabesp, é a primeira opção. Para o Santander, a ação SBSP3 está sendo negociada abaixo do nível histórico, portanto, está barata. 

“A Sabesp está negociando a um EV/RAB razoável de 12MF de 0,90x, em nossa opinião, em comparação com seu nível histórico de 0,78x e potencial múltiplo da meta de privatização de ~1,20x (dependendo das condições regulatórias ainda a serem definidas)”, afirmam os analistas do banco. 

Vale lembrar que o EV/RAB é utilizado para avaliar a relação entre o valor da empresa e seus ativos regulatórios. O índice serve para que investidores e analistas entendam melhor o potencial de crescimento e valorização das ações desse setor.

Além disso, o banco destaca a expectativa para a conclusão do processo de privatização da companhia. 

Para o Santander, com a desestatização já aprovada pelos deputados estaduais e avanço das discussões com a prefeitura paulista, a regulamentação deve ser definida nas próximas semanas. 

“Acreditamos que a alta probabilidade de materialização do cenário bull case (privatização e bom ambiente regulatório) justifica nosso otimismo”, dizem os analistas do banco

Com a recomendação de compra, o Santander projeta preço-alvo de R$ 106,16 para o fim de 2024, o que representa uma potencial valorização de 33% na comparação com o fechamento da última sexta-feira (9).

  • Os balanços do 4T23 já estão sendo publicados: receba em primeira mão a análise dos profissionais da Empiricus Research e saiba quais ações comprar neste momento. É totalmente gratuito – basta clicar aqui

Além de Sabesp 

O relatório do Santander também destaca outras preferências no setor de Utilities além de Sabesp (SBSP3). 

Entre elas, a Copel (CPLE6;CPLE3), que também está negociada abaixo da média histórica. Na avaliação do banco, a privatização ainda não está precificada no papel — mas por pouco tempo.

“Acreditamos que isso poderá mudar em 2024, principalmente se a distribuição de dividendos aumentar após as vendas da UEGA — termelétrica a gás natural Araucária — e Compagas”, apontam os analistas do banco. 

O preço-alvo para CPLE3 é de R$ 9,13. Para CPLE6 é de R$ 10,27. 

Eletrobras (ELET6; ELET3) também está entre as apostas do bancoem razão do preço negociado. A companhia “continua com uma avaliação notavelmente atrativa, com vários potenciais gatilhos positivos que podem se materializar em 2024”.

Entre os pontos potencialmente positivos estão um acordo do governo federal para encerrar a disputa — sobre a privatização — no Supremo Tribunal Federal (STF), melhoria de resultados com redução de custos e venda de unidades térmicas da  ISA CTEEP, além da “ forte capacidade” de redução do pagamento de impostos após a incorporação de Furnas.

Os preços-alvo para ELET3 é de R$ 43,13 e ELET6 a R$ 47,83.  

Já Eneva (ENEV3) é o nome mais bem posicionado para se beneficiar das potenciais 

oportunidades de crescimento de valor agregado da monetização do gás no Brasil, na visão do Santander, além de ser negociada a uma avaliação atraente na B3. 

A potencial fusão com a Vibra (VBBR3), anunciada no final do ano passado, também tende a ser mais atrativa para os acionistas da Eneva. O preço-alvo para ENEV3 é de R$ 12,00.  

“A conclusão de uma fusão com a Vibra poderia ser um gatilho de curto prazo, se bem-sucedida e com avaliação atrativa para os acionistas da Eneva. Contudo, reconhecemos que definir uma relação de troca não é simples, uma vez que as sinergias no curto prazo não são óbvias”.

Por fim, Cemig (CMIG4) teve elevação da recomendação de neutra para compra, com preço-alvo de R$ 11,48.

“Embora reconheçamos que a companhia sofreu um potencial processo de federalização, há uma chance considerável de a federalização não avançar, devido à complexidade das aprovações políticas e regulatórias necessárias”, afirmam os analistas do Santander. 

Confira os preços-alvos para as ações: 

EMPRESACÓDIGOPREÇO-ALVO
CopelCPLE3R$ 9,13
CPLE6R$ 10,27
EletrobrasELET3R$ 43,13
ELET6R$ 47,83
EnevaENEV3R$ 12,00
CemigCMIG4R$ 11,48

Avaliação negativa 

Algumas concessionárias de energia acenderam o alerta vermelho para o Santander. 

Para o banco, o principal motivo é a revisão tarifária, mesmo com uma melhoria significativa nos preços da energia. 

“Aumentamos a nossa estimativa de déficit hídrico para 15% e as expectativas de curtailment (períodos de paragens de produção causados pela dinâmica de oferta e procura e pela limitada capacidade de exportação)”. 

Além disso, as mudanças em premissas macroeconômicas, panorama de aquisições e vendas de ativos resultaram na recomendação de venda de três papéis: 

  • Taesa (TAEE11), com preço-alvo de R$ 36,63; 
  • ISA CTEEP (TRPL4) com preço-alvo de 26,85; 
  • AES Brasil (AESB3), com preço-alvo de R$ 10,45

Compartilhe

MERCADOS HOJE

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais não emplacam um único sinal à espera da ata do Fed; Ibovespa acompanha reoneração no Congresso hoje

21 de fevereiro de 2024 - 7:24

RESUMO DO DIA: As bolsas internacionais operam com viés negativo hoje, mas sem um sinal definido. Em uma semana de agenda relativamente mais esvaziada, a ata do Federal Reserve toma as atenções dos mercados. A publicação do documento só deve acontecer lá pelas 16h, dando um panorama das expectativas para o futuro dos juros norte-americanos. […]

O CÉU É O LIMITE

Ouro a US$ 3 mil? Essa realidade está próxima, segundo um bancão de Wall Street — e o Brasil tem “culpa” nisso

20 de fevereiro de 2024 - 18:59

O Citi analisou o mercado global e aponta os gatilhos para que o metal precioso suba 50% em cerca de um ano e o petróleo volte para os três dígitos

QUE HORAS ELE VOLTA?

Fim da seca de IPOs na B3 é questão de tempo, diz Anbima. Mas o que adiou a retomada das aberturas de capital?

20 de fevereiro de 2024 - 17:25

Queda da Selic favorece a volta dos IPOs na bolsa, mas juro nos EUA retardou movimento, de acordo com a Anbima, associação das instituições do mercado de capitais

VOTO DE CONFIANÇA?

Bradesco (BBDC4): por que este banco estrangeiro deixou de recomendar a venda das ações

20 de fevereiro de 2024 - 10:38

Ações do Bradesco (BBDC4) acumulam queda de 18% desde a divulgação dos resultados do quarto trimestre, com números muito abaixo da expectativa do mercado

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa ignora Wall Street e fecha em alta mesmo sem trégua de Vale (VALE3) e Petrobras (PETR4); dólar cai a R$ 4,93

20 de fevereiro de 2024 - 7:19

RESUMO DO DIA: A bolsa brasileira conseguiu manter abafados os ruídos externos e fechou a terça-feira (20) nas alturas, mesmo com os mercados internacionais encerrando o pregão sem uma direção única.  Por aqui, o pregão foi marcado por uma queda consistente das ações da Petrobras (PETR3;PETR4) e da Vale (VALE3), que limitaram os ganhos da […]

HORA DE COMPRAR

BTG vê crescimento no lucro “garantido” para esta incorporadora e eleva recomendação das ações

19 de fevereiro de 2024 - 12:46

Analistas projetam aumento de impressionantes 52% no lucro por ação neste ano, com avanço das receitas e das margens

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa vai às máximas e termina sessão aos 129 mil pontos, impulsionado por Petrobras (PETR4) e bancos; dólar cai a R$ 4,96

19 de fevereiro de 2024 - 7:39

RESUMO DO DIA: O pregão desta segunda-feira (19) foi marcado pela liquidez reduzida nos mercados globais. Sem Wall Street como apoio, a bolsa brasileira teve uma sessão morna até as últimas horas de negociação. Afinal, no exterior, o feriado do Dia do Presidente nos Estados Unidos manteve as bolsas de valores norte-americanas fechadas. Na Europa, […]

REPORTAGEM ESPECIAL

O que deu errado para a Lojas Renner (LREN3) na era ‘pós-Galló’? Depois de ‘tempestade perfeita’, varejista busca novos caminhos em 2024

19 de fevereiro de 2024 - 6:21

Em meio a aumento da concorrência, juros em alta, pandemia e erros de execução, ação da Lojas Renner (LREN3) poucas vezes esteve tão barata aos olhos do mercado

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: Balanços do Nubank (NUBR33) e Vale (VALE3) movimentam semana com feriado nos EUA e Japão; veja destaques dos próximos dias

19 de fevereiro de 2024 - 5:55

Também fica no radar a divulgação da ata da mais recente reunião do Fomc, o Copom americano, que deve trazer a visão do Federal Reserve para o futuro dos juros locais

NOVIDADE PARA OS COTISTAS

Após trocar de nome e ticker, fundo imobiliário GARE11 vende imóvel por R$ 280 milhões e vai reduzir dívidas

18 de fevereiro de 2024 - 15:07

Caso o negócio seja consumado a gestora do antigo Guardian Logística estima que o lucro bruto será de R$ 71 milhões

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies