🔴 ALGORITMO MOSTRA COMO BUSCAR ATÉ R$ 3 MIL POR DIA – CONHEÇA

Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
O QUE NINGUÉM VIU

A bolsa não está só barata: o Brasil está à frente dos países emergentes em rentabilidade — e seis ações estão no radar do Itaú BBA

Um dos motivos é que o Brasil está melhor posicionado nos setores de energia, finanças, materiais e indústrias

Liliane de Lima
3 de junho de 2024
17:54 - atualizado às 16:38
Tela de cotações da as ações da bolsa Ibovespa mercados
Tela de cotações - Imagem: Envato

“A bolsa está barata”. Essa é uma das frases mais ouvidas pelos investidores, pelo menos nos últimos dois anos, e para o Itaú BBA não é só isso.

De acordo com o banco, o Brasil continua a ter um dos melhores retornos sobre o patrimônio (ROE) entre os mercados emergentes — entre eles, México e Índia —, considerando tanto a média dos últimos cinco anos quanto as estimativas de consenso. Em 2024, a expectativa é de 18,4% de retorno. 

O Brasil também se destaca ao compararmos seu ROE em relação ao valuation mensurado pela relação entre o preço de mercado das ações e seu valor patrimonial (P/B ou P/VP, em português), “sendo negociado a 1,4x, enquanto os mercados emergentes estão mais caros e devem entregar um ROE mais baixo em 2024”, escreve o chefe de estratégia de ações Daniel Gewehr, do Itaú BBA.

Contudo, existem algumas ressalvas. O México, por sua vez, tem um retorno sobre ativos (ROA) mais alto que o Brasil — de 4,4% contra 3,9% brasileiro.  

O país vizinho dos Estados Unidos deve ultrapassar, em termos de ROE, o Brasil em 2025. A Índia também começa a aparecer como uma “ameaça”. 

O que o Itaú BBA vê no Brasil 

A rentabilidade superior à dos mercados emergentes tem alguns motivos. Um deles é que o Brasil está melhor posicionado nos setores de energia, finanças, materiais e indústrias e com um empate em serviços públicos. 

Por outro lado, o banco espera que os segmentos de petróleo e gás, finanças não bancárias e bens de capital entreguem melhores ROEs em 2024. 

Além disso, o Brasil conta com uma combinação de fatores, na comparação com a média dos países emergentes. São eles:  

  • margem líquida média mais elevada: de 13,5% contra 10,6% dos países emergentes; 
  • melhor rotação de ativos: 0,29x vs 0,22x; 
  • um multiplicador de capital mais baixo (4,6 vs 5,2).

Bolsa brasileira: as ações para ficar de olho

Dadas as incertezas macroeconômicas no cenário doméstico — seja pela permanência dos juros ainda elevados, seja pelo ambiente fiscal —, o Itaú BBA vê que os setores financeiro, de petróleo e gás, shoppings e utilities podem apresentar perspectivas de maiores margens líquidas ao longo do ano. 

Nesses setores, as apostas do Itaú BBA são PRIO (PRIO3), Santos Brasil (STBP3), Nubank (ROXO34), CPFL (CPFE3), GPS (GGPS3) e Banco do Brasil (BBAS3).

Em destaque, o banco elevou a recomendação dos recibos de ações (BDRs, na sigla em inglês) do Nubank para compra, recentemente. O banco digital é um dos preferidos do setor, com preço-alvo de US$ 13 — o que representa uma potencial valorização de 26% em relação ao fechamento da última sexta-feira (31). 

Compartilhe

FECHAMENTO DO MERCADO

Dólar supera os R$ 5,46: por que a moeda norte-americana voltou a subir e fechou no maior nível em quase dois anos

20 de junho de 2024 - 17:34

O dólar abriu o dia em queda, mas o alívio pós-decisão do Copom durou pouco e a moeda emendou o quinta pregão consecutivo de ganhos

GESTORAS

Studio Investimentos muda gestão de fundo após queda acumulada de mais de 30% no ano

20 de junho de 2024 - 16:57

A saída aconteceu pela necessidade de “alterar e reforçar a gestão” da família de fundos da casa, de acordo com a Studio, que tem R$1 bilhão sob gestão

(MAIS) DINHEIRO NO BOLSO

Os dividendos deste fundo imobiliário com mais de 40 mil cotistas devem subir nos próximos meses, segundo os cálculos da gestão

20 de junho de 2024 - 15:07

O SNCI11 já pagará proventos cerca de 5% maiores neste mês e, com um novo cenário macroeconômico traçado pelo mercado, a gestão espera dividendos ainda maiores

LADEIRA ABAIXO

Ações da rede social de Trump chegam a cair 15% hoje — o que explica a queda livre dos papéis?

20 de junho de 2024 - 14:11

A empresa que controla Truth Social perdeu US$ 2 bilhões em valor desde o início do mês; entenda o que está acontecendo com os papéis

AS QUERIDINHAS DA BAIXA RENDA

Cinco fatores por trás do otimismo com as ações de Direcional (DIRR3) e Cury (CURY3) — e qual delas é a favorita do Itaú BBA

20 de junho de 2024 - 13:21

O banco de investimentos revisou as suas estimativas para ambas as companhias e reforçou a visão positiva para o setor

MERCADOS HOJE

Lula não gostou, mas o mercado sim: após decisão de manter Selic em 10,5% e comunicado duro, Ibovespa salta 1% hoje

20 de junho de 2024 - 12:15

No mesmo horário, o dólar à vista era negociado próximo da estabilidade, ainda na faixa de R$ 5,40, reagindo ao cenário internacional

REPORTAGEM ESPECIAL

Taesa (TAEE11) e ISA Cteep (TRPL4): por que parte do mercado aposta na queda das ações preferidas dos “caçadores de dividendos”

20 de junho de 2024 - 6:18

Duas das principais transmissoras de energia do País, Taesa e ISA Cteep vêm recebendo desde o ano passado recomendações de “venda” de analistas

MOEDA EM ALTA

Não para de subir: dólar salta para R$ 5,47 hoje — e desta vez, o responsável não é (só) Lula

19 de junho de 2024 - 11:46

O feriado nos Estados Unidos reduziu a liquidez do dia, contribuindo com a volatilidade, além da aversão ao risco em relação à expectativas com o fim da reunião do Copom

DESTAQUES DA BOLSA

Ações de desenvolvedora imobiliária disparam mais de 5% na bolsa após contratação de banco para venda de ativos, incluindo hotéis em SP

18 de junho de 2024 - 11:22

A HBR Realty contratou o Bradesco BBI para ajudar na execução da estratégia de reciclagem de ativos da companhia

DE OLHO NAS REDES

O Brasil não tem condições para uma Selic de um dígito em 2024: por que este estrategista acredita ser impossível juros abaixo de 10% em 2024

17 de junho de 2024 - 16:41

Com a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) se aproximando, o mercado parece está cada vez menos esperançoso sobre os cortes na taxa básica de juros, a Selic. Para Rogério Benevente, sócio da GWM Investments e convidado desta semana do podcast Touros e Ursos, “é impossível pensar numa Selic abaixo de 10% em […]

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar