🔴 MELHORES MOMENTOS DO MACRO SUMMIT BRASIL 2024 – ASSISTA AQUI

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
SEM BANDEIRA BRANCA

Um ano de guerra: da resistência ucraniana às armas nucleares — como Putin vai sair dessa?

Quando invadiu a Ucrânia, em 24 de fevereiro de 2022, o presidente russo contava com uma rendição rápida de Kiev, mas não foi o que aconteceu e hoje ele se vê com a imagem arranhada dentro e fora de seu próprio país

Carolina Gama
23 de fevereiro de 2023
7:08 - atualizado às 16:26
Rússia mantém tropas na fronteira da Ucrânia e bolsas reagem hoje

“Porque se não for o amor, então será a bomba… A bomba, a bomba que vai nos unir” . O clássico “Ask”, da banda britânica The Smiths, está mais vivo do que nunca e deve tocar muito na playlist de Vladimir Putin. Na véspera de completar um ano, o conflito entre Ucrânia e Rússia coloca o mundo cara a cara com seu maior pesadelo: uma guerra nuclear

"Sou forçado a anunciar hoje que a Rússia está suspendendo sua participação no Tratado de Redução de Armas Estratégicas" — foi assim que Putin sinalizou na terça-feira de Carnaval (21) que está disposto a tudo para vencer uma Ucrânia que, inesperadamente, vem resistindo ao domínio russo.

Essa, no entanto, não é a primeira vez que Putin coloca as armas nucleares sobre a mesa. Poucos dias depois de invadir a Ucrânia, o chefe do Kremlin alertava os países que interferissem nos planos da Rússia sofreriam consequências do "tipo que nunca viram". 

O Ocidente ignorou o recado e muniu Kiev de armas, tanques e bilhões de dólares numa guerra indireta que colocou Putin em uma encruzilhada (geo)política — o homem mais poderoso da Rússia começou a ser questionado dentro e fora do país, inclusive pela aliada China

Embora esteja tentando afastar a imagem de um líder desesperado pela vitória, Putin disse que não será ele a apertar o botão do fim do mundo. 

"É claro que não faremos isso primeiro. Mas se os EUA realizarem testes, então nós o faremos. Ninguém deve ter ilusões perigosas de que a paridade estratégica global pode ser destruída", disse Putin na terça-feira (21) em discurso à nação

Evitando surpresas no aniversário da guerra 

“Passando dias quentes de verão dentro de casa… Escrevendo versos assustadores”. Diferente do que cantou Morrissey e seus ex-companheiros de banda, não é verão na Ucrânia, mas é dentro de casa que a população vai passar os próximos dias. 

No início do mês que marca um ano da guerra, o ministro da Defesa da Ucrânia afirmou que a Rússia está preparando uma nova ofensiva para o dia 24 de fevereiro. Segundo Oleksii Reznikov, Moscou reuniu milhares de soldados e sinalizou que pode “tentar alguma coisa” na data.  

Por isso, a ordem de Kiev é clara: ninguém deve sair de casa até lá — não é um toque de recolher oficial, mas até as aulas presenciais foram transferidas para o mundo virtual para evitar que crianças e adolescentes circulem por cidades na mira de Moscou. 

Os heróis da resistência

Em Ask, The Smiths também canta que “a timidez é legal e a timidez pode te impedir de fazer todas as coisas que você gostaria de fazer na vida” — não na Ucrânia. Os ucranianos não foram nada tímidos e resistiram. 

Horas depois da invasão, em 24 de fevereiro de 2022, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, lançava o que seria uma profecia: “Quando você atacar, verá nossos rostos. Não nossas costas”. 

Não só Putin, mas muitos analistas esperavam que a resistência ucraniana desmoronasse em dias. Mas, por um ano, os militares ucranianos enfrentam uma força muito maior, revertendo os ganhos iniciais dos russos nas cidades de Kharkiv e Kherson, mantendo a linha na disputada região de Donbass, no leste do país. 

No processo, os ucranianos infligiram perdas impressionantes ao exército russo e revelaram táticas antiquadas, liderança obsoleta e moral frágil de uma força que se mostrou mais impressionante em desfile do que no campo de batalha.

As unidades ucranianas se tornaram ágeis e adaptáveis, aproveitando a tecnologia de drones, comando descentralizado e planejamento operacional inteligente para explorar as fraquezas sistêmicas do inimigo. Poucos apostaram que, um ano após o início da guerra, a antiga força aérea ucraniana ainda estaria voando.

Mas até os heróis da resistência têm seu calcanhar de Aquiles: o déficit de munição. 

Sabendo que não é fácil enfrentar o vasto reservatório russo de sistemas de artilharia e foguetes, um soldado ucraniano disse à CNN Internacional recentemente: “Precisamos de granadas, granadas e mais granadas”. 

O próprio secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, admitiu na semana passada que o maior inimigo da Ucrânia agora é a logística da guerra. “Está claro que estamos em uma corrida logística”, afirmou ele na ocasião. 

EUA e aliados europeus, entre eles a Alemanha, já se comprometeram a enviar mais equipamentos para a Ucrânia, mas seguem se recusando a fornecer qualquer coisa que permita à Kiev atingir o território russo — uma linha vermelha observada por Moscou.

  • [TREINAMENTO GRATUITO] O Seu Dinheiro preparou 3 aulas exclusivas para ensinar tudo que você precisa saber para poder receber renda extra mensal com ações. Acesse aqui.

Putin e a espiral da guerra

“Então peça para mim, peça para mim, peça para mim” — o famoso refrão do The Smiths pode traduzir o maior desejo de Putin: que a Ucrânia peça para a ofensiva acabar e se renda de uma vez por todas. 

Para isso, o líder russo já colocou até preço na sua bandeira branca: o reconhecimento por parte da Ucrânia da conquista de um quinto de seu território pelos russos.

Mas, por enquanto, essa é uma realidade ainda distante e o chefe do Kremlin sabe disso. Ao invadir o território ucraniano em 24 de fevereiro de 2022, Putin entrava em uma espiral da guerra que, mal sabia ele, estaria longe de acabar. 

EUA, Europa e outros aliados no Ocidente se uniram para manter Kiev de pé — e armada — no front de batalha. O presidente russo se viu encurralado, com seus homens morrendo, cidades sendo retomadas e países amigos rangendo os dentes aos efeitos econômicos de uma guerra que parece não ter fim.  

No auge do desespero, Putin determinou que seus cidadãos deveriam lutar na Ucrânia, um chamado que deu início a uma fuga em massa de homens e mulheres em idade de convocação. 

Mas ele também resistiu. No discurso de terça-feira (21) à nação, Putin disse que a economia estava indo bem. A história não é bem essa, mas é fato que as previsões de uma queda de 15% do Produto Interno Bruto (PIB) russo em 2022 não se confirmaram. 

Em meio a recordes de baixa do rublo ante o dólar e de sucessivos aumentos da taxa de juros, Putin viu a economia do país encolher 2,1% em 2022 e, agora, o Banco Central da Rússia calcula uma contração menor, de 1,5%, para este ano.  

Se confirmada a previsão do BC russo, o tombo será de 3,6% no biênio, um número relevante, porém pequeno se comparado a outros países fora do contexto de guerra — o Brasil, por exemplo, encolheu 6% entre 2015 e 2016. 

Esse desempenho foi alcançado em meio a um tsunami de sanções do Ocidente, que incluíram as joias da coroa russa: o petróleo e o gás — até mesmo a Europa, super dependente da Rússia, começou um plano para buscar fontes alternativas de energia

E, mais uma vez, o chefe do Kremlin deu seu jeito. Ele encontrou outros parceiros, entre eles, Índia e China, para continuar vendendo petróleo, gás e carvão e manter a máquina de financiamento de guerra funcionando. 

Mas, se a economia não está sofrendo tanto quanto se imaginava, não se pode dizer o mesmo da imagem de Putin. A falta de uma vitória rápida, a incapacidade de tomar Kiev e as bem-sucedidas contraofensivas da Ucrânia, geraram raiva e descontentamento nos oponentes do presidente russo.

Só que criticar o Kremlin pode ser uma tarefa difícil na Rússia de Putin. Seu crítico mais veemente, o líder da oposição Alexey Navalny, foi envenenado e depois preso. Outro adversário político, Boris Nemtsov, foi baleado por pistoleiros que não revelaram quem os enviou. O escritor e político Vladimir Kara-Murza está na prisão depois de falar contra a invasão da Ucrânia. 

Essas são algumas das várias vítimas do Kremlin que reforçam ainda mais o controle da liberdade de expressão após o lançamento do que a Rússia chama de “operação militar especial” e não de guerra.

*Com informações da CNN

Compartilhe

LUZ NO FIM DO TÚNEL?

Milei acertou a mão? Inflação na Argentina desacelera pelo terceiro mês seguido e abre espaço para corte de juros

12 de abril de 2024 - 18:59

A grande surpresa dos dados desta sexta-feira (12) foi o núcleo da inflação — aquele que não considera preços monitorados ou sazonais —, que subiu um dígito pela primeira vez desde outubro

ENCONTRO AGUARDADO

Javier Milei quer ajudar Elon Musk na batalha contra Alexandre de Moraes; confira os destaques do encontro entre o presidente da Argentina e o bilionário

12 de abril de 2024 - 16:23

De acordo o porta-voz da presidência, Milei ofereceu ajuda ajuda a Musk no conflito com o judiciário brasileiro a respeito do X, o antigo Twitter

OS TAMBORES DA GUERRA SOAM ALTO

Ataque em 48 horas e socorro da China: o que você precisa saber sobre a vingança do Irã contra Israel que pode abalar o mundo — as bolsas já sentem

12 de abril de 2024 - 15:05

Os mercados nesta sexta-feira (12) refletem a gravidade da situação geopolítica, com o petróleo tipo Brent batendo em US$ 92 o barril. Por aqui, o Ibovespa cai e o dólar atinge o maior valor em seis meses, a R$ 5,14.

GUERRA COMERCIAL

A China contra-ataca: entenda a medida de Xi Jinping que derrubou as ações das fabricantes de chips dos EUA

12 de abril de 2024 - 11:02

Governo chinês orientou as operadoras de telecomunicações a eliminar gradualmente os processadores estrangeiros

BARRIL DE PÓLVORA

Irã joga mais gasolina na fogueira da guerra e pode incendiar o Oriente Médio de vez

11 de abril de 2024 - 19:41

O risco de um conflito ampliado é tamanho que nesta quinta-feira (11), a Rússia e a Alemanha instaram os países do Médio Oriente a mostrarem moderação

FORNALHA EM CHAMAS

O caso de fraude que vai levar uma bilionária ao corredor da morte na Ásia

11 de abril de 2024 - 15:58

A magnata do setor imobiliário Truong My Lan foi considerada culpada de peculato, suborno e violação das regras bancárias relativas a empréstimos

VAI SER POR KNOCKOUT?

Em segundo round com o Congresso, Milei deixa de fora a privatização da “Petrobras da Argentina”; há chances de uma vitória do presidente agora?

11 de abril de 2024 - 14:29

A privatização da YPF estava inserida na primeira versão da Ley Ómnibus, mas foi retirada em uma tentativa de fazer o plano ser aprovado com mais facilidade

MACRO SUMMIT 2024

“Modelo chinês está mudando, e não necessariamente para pior”, diz ex-presidente do Banco dos Brics

10 de abril de 2024 - 20:02

Marcos Troyjo afirma que o Brasil tem grandes oportunidades no novo cenário econômico mundial e pode se beneficiar com o crescimento sempre pujante da China

QUEM AVISA, AMIGO É

Treasurys: o sinal do Fed que pode mexer com o mercado de dívida mais seguro do mundo

10 de abril de 2024 - 16:59

A ata de política monetária de março do banco central norte-americano mostrou uma disposição em mudar o programa de compra de ativos; entenda como isso mexe com o seu bolso

HERMANOS, PERO…

Por que Elon Musk quer se encontrar de todo jeito com Javier Milei nos EUA e pode até oferecer jatinho ao presidente da Argentina

10 de abril de 2024 - 14:33

A simpatia do bilionário por Milei não é gratuita, tendo em vista que o país vizinho ao Brasil é rico em lítio, essencial para baterias de carros elétricos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies