🔴 HERANÇA EM VIDA? NOVO EPISÓDIO DE A DINHEIRISTA! VEJA AQUI

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
PUXÃO DE ORELHA

Amigos, amigos… negócios à parte: o recado que a China mandou para Putin sobre a guerra na Ucrânia

O presidente chinês fez a primeira viagem ao exterior depois de dois anos e encontrou o colega russo paralelamente à reunião da Organização de Cooperação de Xangai na cidade uzbeque de Samarcanda

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, aperta as mãos do presidente da China, Xi Jinping
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o presidente da China, Xi Jinping - Imagem: Shutterstock/Envato/Brenda Silva

A última vez que o presidente da China, Xi Jinping, e o colega russo, Vladimir Putin, se sentaram frente a frente, declararam uma amizade sem limites e a chegada de uma nova era nas relações internacionais.

Mais de 200 dias depois, Xi e Putin se encontraram novamente em uma cúpula regional na cidade de Samarcanda, no sudeste do Uzbequistão. De lá pra cá, muita coisa mudou — inclusive na inabalável relação entre Pequim e Moscou. 

As forças russas sofreram perdas no campo de batalha na Ucrânia. Enquanto isso, Pequim se vê cada vez mais em desacordo com os países ocidentais por causa de Taiwan e da questão dos direitos humanos em Xinjiang.

Mas foi a guerra na Ucrânia que acabou destacando as diferentes trajetórias de China e Rússia no cenário internacional: a primeira é uma superpotência em ascensão, cuja foco é superar a economia dos EUA, e a outra é uma antiga força geopolítica lutando com um conflito desgastante.

Esse descasamento de posições fez com que Xi demonstrasse preocupações com os efeitos colaterais da guerra na Ucrânia — a qual Pequim nunca manifestou apoio público, mas sempre esteve do lado russo nos bastidores. 

E, em uma rara admissão, Putin disse nesta quinta-feira (15) estar ciente das “perguntas e preocupações” da China sobre o conflito. 

“Valorizamos muito a posição equilibrada de nossos amigos chineses em relação à crise ucraniana, entendemos suas perguntas e preocupações sobre esse assunto e é claro que esclareceremos tudo isso em detalhes”, disse Putin.

As primeiras observações de Putin sobre a preocupação chinesa com a guerra ocorrem poucos dias depois de uma derrota relâmpago de suas forças no nordeste da Ucrânia. 

Putin e Xi: amigos para sempre

A parceria entre Putin e Xi é considerada um dos desenvolvimentos mais significativos em geopolítica após a ascensão da própria China nos últimos 40 anos.

E, no primeiro encontro cara a cara desde a guerra, Xi disse que estava muito feliz por encontrar um "velho amigo" novamente, após Putin afirmar que tentativas grosseiras dos EUA de criar um mundo unipolar falhariam.

"Diante das mudanças no mundo, em nossos tempos e na história, a China está disposta a trabalhar com a Rússia para desempenhar um papel de liderança na demonstração da responsabilidade das grandes potências e instilar estabilidade e energia positiva em um mundo em turbulência, " Xi disse a Putin.

Para Putin, o encontro envia uma mensagem crucial de que ele continua sendo um ator global, com amigos que compartilham suas visões autoritárias e determinação de criar uma nova ordem mundial na qual os EUA não dominam mais.

Sob a ótica Xi, sua primeira viagem ao exterior em quase três anos marca seu ressurgimento diplomático antes de um congresso do Partido Comunista em outubro, quando ele espera garantir um terceiro mandato, quebrando precedentes.

China e Rússia: um equilíbrio delicado de forças

A China manteve um equilíbrio delicado na guerra entre a Rússia e a Ucrânia, pedindo paz e endossando as queixas russas de que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) era a culpada por causa da expansão da aliança. 

Xi tentou dar apoio moral a Putin sem apoiar totalmente a invasão ou enviar assistência financeira ou militar que incorreria em sanções secundárias.

Tendo se comprometido a manter relações comerciais normais com Moscou, a China continuou a exportar mercadorias para a Rússia, bem como importar petróleo e gás russos. O comércio bilateral cresceu 31% nos primeiros oito meses de 2022, segundo dados da alfândega chinesa.

No entanto, é improvável que Xi ofereça apoio mais concreto a Putin. Fazer isso pode arriscar um retrocesso ocidental que exacerbaria uma lista crescente de desafios domésticos, incluindo uma economia chinesa em desaceleração, crise imobiliária e descontentamento público com políticas rígidas de covid- zero.

A Taiwan de Xi e a energia de Putin

Enquanto Xi segue evitando declarar apoio publicamente à Rússia na guerra contra a Ucrânia, no encontro de hoje, Putin apoiou explicitamente a China em relação a Taiwan.

"Pretendemos aderir firmemente ao princípio de 'Uma China'", disse Putin. "Condenamos as provocações dos EUA e seus satélites no Estreito de Taiwan", acrescentou. 

A China realizou exercícios militares em estilo de bloqueio em torno de Taiwan depois que a presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, visitou a ilha no mês passado. O governo de Taiwan rejeita veementemente as reivindicações de soberania da China.

Enquanto o Ocidente tenta reduzir sua dependência da energia russa, Putin procura aumentar as exportações de energia para a China e a Ásia, possivelmente com um oleoduto através da Mongólia.

Em uma reunião com Xi e Putin, o presidente da Mongólia, Ukhnaagiin Khurelsukh, disse que apoiava a construção de oleodutos e gasodutos da Rússia para a China via Mongólia.

A Rússia estuda há anos a possibilidade de um novo e importante gasoduto — o Power of Siberia 2 — viajar pela Mongólia levando gás russo para a China.

Ele transportará 50 bilhões de metros cúbicos de gás por ano, cerca de um terço do que a Rússia normalmente vende para a Europa ou equivalente aos volumes anuais do Nord Stream 1.

*Com informações do Washington Post e da Reuters

Compartilhe

RECADO DADO

A punição de Biden: EUA não perdoam ataque a Israel e castigam o Irã — mas o verdadeiro motivo das sanções não é econômico

18 de abril de 2024 - 13:17

O Tesouro norte-americano anunciou medidas contra uma dezena de pessoas e empresas iranianas e ainda avalia restrições ao petróleo do país, mas, ao contrário do que parece, medidas também mandam uma mensagem a Netanyahu

GUERRA QUENTE

Por essa nem Putin esperava: a previsão que coloca a Rússia à frente da maior economia do mundo

17 de abril de 2024 - 18:41

O Fundo Monetário Internacional (FMI) atualizou as projeções para a economia russa e os números revelam o segredo de Putin para manter o país em expansão

COM OU SEM CHAMPANHE?

O maior bilionário do planeta ficou quase R$ 30 bilhões mais rico hoje. O que fez a fortuna do dono da Dior e da Louis Vuitton disparar?

17 de abril de 2024 - 17:55

O patrimônio do magnata de luxo francês acompanha a valorização das ações da LVMH; conheça os números do conglomerado que animaram o mercado hoje

DECRETO CONTINUA

Milei tem vitória no “STF” da Argentina e mantém decreto em vigor, mas batalha ainda não terminou  

17 de abril de 2024 - 10:31

Mesmo que a Corte resolvesse barrar o DNU, Milei ainda tem uma carta na manga: ele poderá indicar até dois novos juízes para o tribunal

MAGNATA INDONÉSIO

Como este bilionário que você provavelmente não conhece transformou uma fortuna de US$ 5 bilhões em US$ 51 bilhões de em um ano

16 de abril de 2024 - 19:33

O magnata asiático da indústria de energia conseguiu multiplicar a sua fortuna em dez vezes em um ano; entenda o que aconteceu

ELON MUSK TINHA RAZÃO?

Invasão da China: como Biden e Trump querem frear os elétricos chineses liderados pela BYD nos EUA

16 de abril de 2024 - 18:58

Os veículos elétricos ainda não são vendidos no país, mas despertam cada vez mais preocupação de políticos e empresários do segmento, que colocam planos para barrar a maré vermelha à prova

A VIDA VAI MELHORAR (?)

Segura, Javier Milei: Argentina terá inflação de “apenas” 150% em 2024, mas contração econômica será maior, diz FMI

16 de abril de 2024 - 16:47

As projeções para 2025 melhoram, com a expectativa de que a inflação fique em 45% no ano e a atividade econômica cresça 5% em relação a 2024

ÁGUA NO CHOPE DO MERCADO

Juros em alta? Presidente do Fed fala pela primeira vez após dado de inflação e dá sinal claro do que vai acontecer nos EUA — bolsas sentem

16 de abril de 2024 - 15:35

A declaração de Powell voltou a sacudir os mercados: Wall Street devolveu ganhos, com o S&P 500 no vermelho, e os yields (rendimentos) dos títulos do Tesouro norte-americano voltaram a disparar

SEM BANHO-MARIA

Fogo alto: o revide de Israel contra o Irã coloca Netanyahu em uma panela de pressão — mas há uma saída possível

16 de abril de 2024 - 14:34

O mundo se pergunta quando Israel vai revidar à ofensiva iraniana e uma autoridade do país dá uma pista do que pode acontecer daqui para frente

OS ALVOS DO BILIONÁRIO

‘Petróleo branco’, níquel e satélites: conheça interesses de Elon Musk no Brasil

15 de abril de 2024 - 19:06

Entre seus principais alvos está a mineração, que abastece suas indústrias com materiais necessários para produção

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar