🔴 [TESTE GRÁTIS] 30 DIAS DE ACESSO A SÉRIE RENDA IMOBILIÁRIA – LIBERE AQUI

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
BANDEIRA BRANCA

Putin colocou preço: o que a Rússia quer para acabar com a guerra na Ucrânia

O presidente russo vem dizendo que está aberto às negociações de paz, mas as exigências não são nada fáceis para os ucranianos; veja o que ele quer agora

Carolina Gama
27 de dezembro de 2022
19:32 - atualizado às 8:53
Vladimir Putin vestindo terno azul marinho e camisa branca, em frente a um púlpito com dois microfones na frente
O presidente da Rússia, Vladimir Putin - Imagem: Divulgação/Kremlin

A bandeira branca que o presidente russo, Vladimir Putin, está disposto a levantar para acabar com a guerra na Ucrânia tem um preço — e talvez seja alto demais para Kiev.

O chefe do Kremlin vem sinalizando que está aberto às conversações de paz, mas as exigências não são nada palatáveis para os ucranianos: ele quer negociar sob os termos da Rússia. 

A questão é que esses termos incluiriam o reconhecimento por parte da Ucrânia da conquista de um quinto de seu território pelos russos.

Acontece que Kiev, armada e apoiada pelos EUA e aliados, diz que vai recuperar todo o território ocupado e expulsará os soldados de Putin. 

Putin mandou avisar, se não cumprir…

O recado de Putin para a Ucrânia é direto: aceite as exigências de Moscou para acabar com a guerra ou então assista as forças armadas russas tomarem o território no campo de batalha. 

"O ponto é simples: cumpra-as para o seu próprio bem. Caso contrário, a questão será decidida pelo exército russo", disse o ministro russo Sergei Lavrov. 

A fúria de Putin tem endereço certo: os EUA. Na semana passada, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenski, visitou Washington e saiu de lá com US$ 1,85 bilhão em assistência militar, incluindo a transferência do Sistema de Defesa Aérea Patriot.

"Não é segredo para ninguém que o objetivo dos EUA e aliados é derrotar a Rússia no campo de batalha — um mecanismo para enfraquecer ou mesmo destruir o nosso país", afirmou Lavrov. 

A estratégia dos EUA funcionou?

Putin invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro deste ano em uma operação batizada por ele de especial e que deveria durar pouco tempo.

O líder russo, no entanto, não contava com a resistência de Kiev e, muito menos, com os reveses embaraçosos que sofreu no campo de batalha. 

No mais recente deles, um ataque com drones na segunda-feira (26) expôs falhas nas defesas aéreas russas, causando uma explosão fatal na base principal de seus bombardeiros estratégicos. 

Um dos reveses mais significativos, no entanto, ocorre nas províncias de Donetsk e Luhansk — que juntas formam a região de Donbass. Em setembro, Putin disse que anexou a região junto com as províncias de Kherson e Zaporizhzhia, no sul, só que até agora não controla nenhuma delas. 

*Com informações da Reuters e da Agência Tass

Compartilhe

OS ALVOS DO BILIONÁRIO

‘Petróleo branco’, níquel e satélites: conheça interesses de Elon Musk no Brasil

15 de abril de 2024 - 19:06

Entre seus principais alvos está a mineração, que abastece suas indústrias com materiais necessários para produção

O PRATO QUE SE COME FRIO

A resposta de Israel ao Irã ainda não veio: por que você deveria estar preocupado mesmo assim

15 de abril de 2024 - 16:59

Os preços do petróleo ainda rondam patamares elevados e algumas das principais bolsas do mundo operaram em queda nesta segunda-feira (15)

COM O PÉ ESQUERDO

A fortuna evaporou? Trump sai do ranking dos bilionários e ainda pode ser preso no fim do julgamento que começou hoje 

15 de abril de 2024 - 15:44

O republicano, que viu seu patrimônio diminuir em 10%, enfrenta 34 acusações criminais e pode encarar quatro anos de prisão por cada uma delas

PRESIDENTE HERMANO

Javier Milei terá semana decisiva: ministro negocia US$ 15 bilhões com FMI e vice tenta passar “pacotão” para destravar Argentina

14 de abril de 2024 - 12:44

Para atingir seus objetivos ultraliberais, o presidente conta com a ajuda do ministro da Economia, Luis Caputo, e de Victoria Villarruel, vice-presidente do país

TENSÕES AUMENTAM

Ataque do Irã deve fazer petróleo e dólar dispararem — mas o efeito nos juros será mais devastador para a economia

14 de abril de 2024 - 9:33

O Irã confirmou ter iniciado uma ofensiva com drones e mísseis contra Israel, em retaliação pelo ataque aéreo que destruiu o consulado iraniano em Damasco, no começo do mês

NO ORIENTE MÉDIO

Noite de terror: veja o que aconteceu nas últimas 24h entre Irã e Israel e como a escalada do conflito afeta o mundo

14 de abril de 2024 - 8:33

O contra-ataque é uma reação após um suposto ataque à embaixada iraniana em Damasco, que deixou um general e seis oficiais mortos

ACIRRAMENTO DAS TENSÕES

Irã fala em retaliação “calibrada” após ataque à embaixada na Síria e navio é capturado em estreito próximo da região 

13 de abril de 2024 - 10:24

O comando da Guarda Revolucionária, uma força paramilitar do Irã, usou um helicóptero para capturar um navio ligado a Israel perto do Estreito de Ormuz neste sábado

LUZ NO FIM DO TÚNEL?

Milei acertou a mão? Inflação na Argentina desacelera pelo terceiro mês seguido e abre espaço para corte de juros

12 de abril de 2024 - 18:59

A grande surpresa dos dados desta sexta-feira (12) foi o núcleo da inflação — aquele que não considera preços monitorados ou sazonais —, que subiu um dígito pela primeira vez desde outubro

ENCONTRO AGUARDADO

Javier Milei quer ajudar Elon Musk na batalha contra Alexandre de Moraes; confira os destaques do encontro entre o presidente da Argentina e o bilionário

12 de abril de 2024 - 16:23

De acordo o porta-voz da presidência, Milei ofereceu ajuda ajuda a Musk no conflito com o judiciário brasileiro a respeito do X, o antigo Twitter

OS TAMBORES DA GUERRA SOAM ALTO

Ataque em 48 horas e socorro da China: o que você precisa saber sobre a vingança do Irã contra Israel que pode abalar o mundo — as bolsas já sentem

12 de abril de 2024 - 15:05

Os mercados nesta sexta-feira (12) refletem a gravidade da situação geopolítica, com o petróleo tipo Brent batendo em US$ 92 o barril. Por aqui, o Ibovespa cai e o dólar atinge o maior valor em seis meses, a R$ 5,14.

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies