🔴 FENÔMENO QUE TRANSFORMOU 1.500 PESSOAS EM MILIONÁRIAS PODE SE REPETIR – VEJA COMO SER O PRÓXIMO

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
O QUE VEM POR AÍ

Payroll: o recado do dado de emprego dos EUA aos pequenos e grandes investidores

O principal relatório do mercado de trabalho norte-americano sacudiu os mercados na manhã desta sexta-feira (6), mas ainda há mais por vir na próxima semana para determinar os rumos dos juros na maior economia do mundo; entenda o que está em jogo

Carolina Gama
6 de outubro de 2023
13:15 - atualizado às 15:18
Ata Fed
Imagem: Shutterstock

A forte criação de empregos é motivo de comemoração, mas não nos EUA de hoje. A maior economia do mundo gerou estonteantes 336 mil postos de trabalho em setembro, superando em muito as projeções de 170 mil vagas para o período. E os mercados globais não celebraram. 

Bolsas em queda, dólar passando da casa dos R$ 5,20 por aqui e os juros projetados pelos Treasurys, como são conhecidos os títulos de dívida do governo norte-americano, disparando — os yields dos papéis com vencimento em 30 anos bateram na casa dos 5% — esses foram os efeitos imediatos do dado de emprego desta manhã.

Um caos, certo? Mas acredite se quiser: poderia ter sido muito pior. Os investidores foram dormir na quinta-feira (5) sem saber o que esperar do payroll, como é conhecido o principal relatório de emprego dos EUA, desta sexta-feira (6) e a expectativa era a de que um dado forte de abertura de vagas por lá provocasse uma avalanche nos mercados internacionais, mas ela não veio. Confira a cobertura ao vivo dos mercados.

Em jogo estava a saúde da maior economia do mundo, o ritmo de aperto monetário do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) e, consequentemente, o nível de juros dos Treasurys — esses dois últimos fatores calibram as taxas globais, inclusive no Brasil. 

O que o payroll mostrou

O principal relatório de emprego dos EUA mostrou que a economia norte-americana criou 336 mil vagas em setembro, bem acima da estimativa de consenso de 170 mil, mas o payroll também traz outros dados tão importantes quanto a geração de postos de trabalho no país — e os investidores olharam para eles.

Um desses dados é a taxa de desemprego, que permaneceu em 3,8% no mês passado, em linha com as projeções. Abaixo os principais dados do payroll de setembro:

  • Vagas no setor privado: 263 mil vs consenso de 160 mil
  • Vagas na indústria: 17 mil vs consenso de 5 mil
  • Média de ganhos por hora em base mensal: +0,2% vs consenso de +0,4%
  • Média de ganhos por hora em base anual: +4.2% vs consenso de 4,3%
  • Horas trabalhadas no setor privado: 34,4, em linha com o consenso
  • Força de trabalho: 91 mil
  • Taxa de participação da força de trabalho: 62,8%

“Além da criação de 336 mil vagas em setembro, a abertura de vagas dos dois meses anteriores foram revisadas significativamente para cima, acrescentando 119 mil postos aos números reportados anteriormente”, lembra Thomas Feltmate, diretor e economista sênior da TD Economics. 

Ele chama atenção ainda para o fato de as contratações nos últimos três meses nos EUA terem alcançado uma média de 266 mil por mês, bem acima dos 189 mil de agosto, mas ainda abaixo dos 334 mil relatados em janeiro.

O que está por trás dos dados

Quem olha apenas para a robusta criação de vagas nos EUA em setembro não vê o quadro todo do mercado de trabalho. Os dados destacados neste texto explicam muito do por que a reação dos mercados com o payroll poderia ter sido pior e não foi. 

“A abertura de vagas foi impressionante em setembro, mas os detalhes do relatório não são tão robustos. O aumento dos salários desacelerou e há fortes razões para ser cético em relação aos problemas de ajuste sazonal deste relatório”, dizem os economistas da Jefferies. 

Os economistas chamam atenção ainda para o fato de as vagas no setor público terem subido em 73 mil — acima da média mensal de 42 mil dos últimos 12 meses — principalmente impulsionadas pelos professores que voltaram das férias de verão. 

“O Bureau of Labor Statistics [responsável pela divulgação do payroll] tem tido problemas significativos com ajustes sazonais desde 2020 e este é o exemplo mais recente. Fundamentalmente, é difícil compreender por que razão a contratação de professores teria sido tão forte para além do regresso normal ao trabalho”, disseram os economistas da Jefferies. 

O que vai acontecer nos EUA agora? 

Se a reação do mercado não foi tão ruim como poderia, se o payroll traz dados subjacentes que não são tão firmes quanto a abertura de vagas e ainda há o ruído sazonal, não há com o que se preocupar? 

Infelizmente, os investidores continuarão perdendo noites de sono em busca do que o Fed pode fazer nas suas duas últimas reuniões de 2023 — embora já tenham pistas do que vem por aí: mais aumento de juros e taxas mais elevadas por mais tempo. 

“O relatório de hoje impulsionou mais uma disparada dos yields dos Treasurys e acendeu as chamas de mais um aumento dos juros em uma das duas reuniões do Fed que ainda restam neste ano”, disse Sarah House, economista do Wells Fargo. 

James Knightley, economista-chefe internacional do ING, diz que, embora o relatório de emprego tenha desequilíbrios entre os dados, a forte abertura de vagas de setembro por si “mantém viva a possibilidade de mais um aumento de juros, uma narrativa que se ajusta ao atual entendimento do Fed”. 

A inflação vem aí

Há um motivo, no entanto, para os economistas não cravarem que o próximo aperto monetário está contratado: a inflação. 

Na quinta-feira que vem (12), enquanto os brasileiros estarão aproveitando o feriado, o governo norte-americano divulga o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) de setembro. 

Embora não seja o dado preferido do Fed para medir a inflação — o BC dos EUA olha com mais cuidado para o índice de preços para gastos pessoais (PCE, na sigla em inglês) — o número deve dar mais pistas sobre o futuro da política monetária no país. 

“O relatório do CPI da próxima semana e o índice de custos de emprego do terceiro trimestre, a ser divulgado em 31 de outubro, ajudarão o Fed a determinar se o progresso continua na luta contra a inflação, apesar da força surpreendente nos ganhos de emprego nos últimos meses”, disseram os analistas da Jefferies. 

Já Knightley, do ING, acredita que a política monetária já está suficientemente restritiva e os dados de inflação não serão suficientes para forçar o Fed subir os juros agora. “Mas a inflação elevada garantirá que atingiremos 5% no yield dos Treasurys de dez anos”, afirma.

O Seu Dinheiro contou as implicações da disparada dos juros dos Treasurys para a economia mundial e para o seu bolso em uma matéria especial nesta semana.

Compartilhe

DE MALAS PRONTAS

Após o “boom” de preços pós-pandemia, passagens aéreas ficam mais baratas em todo o mundo – e a tendência deve continuar. O que explica esse fenômeno?

25 de julho de 2024 - 14:07

Tarifas de passagens em companhias aéreas nos Estados Unidos, Europa e Austrália já caíram mais de 11% em 2024

MUITA CALMA NESSA HORA

Os juros vão cair mesmo? Por que o mercado comemorou o PIB dos EUA, mas não deveria

25 de julho de 2024 - 12:46

Indicadores econômicos divulgados nesta quinta-feira (25) reforçaram a crença dos investidores de que o primeiro corte de juros nos EUA em quatro anos vai acontecer em setembro

ELEIÇÕES NOS EUA

O que Biden deixou de dizer em discurso é mais importante do que o que ele realmente disse

25 de julho de 2024 - 11:25

Presidente norte-americano faz um balanço de sua administração, fala de manutenção da democracia, mas é vago sobre os motivos que o levaram a abandonar a disputa

AY, HERMANOS

Dólar livre na Argentina: Banco Central do país anuncia regras para aliviar controle sobre moeda norte-americana 

24 de julho de 2024 - 18:07

Um dos objetivos da gestão Milei é unificar essas cotações em uma só e adotar o modelo de câmbio flutuante, como o do Brasil

ELEIÇÕES NOS EUA

Kamala Harris usa passado como promotora para se contrapor a Trump e seus problemas com a justiça — e já aparece em vantagem em pesquisa

24 de julho de 2024 - 10:31

Pesquisa Reuters/Ipsos mostra Kamala Harris com 2 pontos de vantagem sobre Donald Trump no voto popular, mas não é ele que decide a eleição

TROPA NA RUA

Acabou para Maduro? Venezuela vive dias “quentes” antes de eleição que será teste de fogo para o chavista

23 de julho de 2024 - 19:58

Faltando poucos para a eleição de domingo (28), o presidente venezuelano trabalha mais arduamente do que nunca para reforçar a lealdade das Forças Armadas

KAMALAMANIA?

Kamala Harris já dispõe de apoio suficiente entre os democratas, mas ainda tem um caminho a percorrer até ser a candidata oficial do partido

23 de julho de 2024 - 10:42

Candidatura de Kamala Harris precisa ser ratificada pelos delegados do Partido Democrata, o que só deve acontecer em agosto

"EU TE AMO"

Discurso inesperado: Biden fala pela primeira vez após desistência; Harris também se pronuncia

22 de julho de 2024 - 19:57

Biden convocou uma reunião de campanha para agradecer à sua equipe pelo trabalho árduo e para reforçar o apoio à campanha presidencial de Harris

WOMAN POWER

É histórico: Kamala Harris arrecada mais de US$ 100 milhões para o partido menos de 24 horas após Biden desistir da reeleição

22 de julho de 2024 - 19:02

A possibilidade de a vice presidente dos EUA se tornar a candidata democrata canaliza uma enorme quantidade de recursos para os democratas enfrentarem Trump em novembro

ELEIÇÕES NOS EUA

A euforia com Trump vai durar? Os 5 fatores que podem fazer a onda vermelha se tornar um tsunami sobre os mercados

22 de julho de 2024 - 18:46

O estrategista-chefe do UBS Investment Bank listou os pontos de atenção para os investidores em caso de vitória do republicano em novembro

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar