🔴 +35 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – VEJA GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView
Carolina Gama
ATÉ TU, BRUTUS

Biden caloteiro: o que pode acontecer se os EUA não fizerem um acordo sobre a dívida trilionária

O presidente norte-americano considera não ir à reunião do G-7 para conseguir um acordo com o Congresso que impeça que a maior economia do mundo deixe de honrar seus compromissos

Carolina Gama
10 de maio de 2023
18:27 - atualizado às 19:35
joe biden, eua
O presidente dos EUA, Joe Biden - Imagem: Divulgação

Deixar de pagar uma dívida é sempre um transtorno para o devedor e para o credor. Agora imagine o que pode acontecer quando a maior economia do mundo deve e não paga — como é o caso dos EUA

Mais uma vez, o governo norte-americano flerta com a possibilidade de não ter dinheiro para honrar seus compromissos, e o mundo entra em estado de atenção. 

O presidente dos EUA, Joe Biden, vive um verdadeiro cabo de guerra com os republicanos no Congresso, que fazem inúmeras demandas para ampliar o teto da dívida e permitir que o governo possa continuar gastando. 

Nesta quarta-feira (10), Biden disse que, para atender às demandas republicanas para aprovação de um novo teto da dívida, teriam que ser cortados 22% do orçamento.

"Haveria queda de recursos para uma série de importantes programas, incluindo cuidados com saúde", afirmou Biden sobre a possibilidade.

Ainda assim, o democrata apontou que segue disposto a buscar um programa bipartidário para resolver a questão.

  • Não dê dinheiro à Receita Federal à toa: você pode estar deixando de receber uma boa restituição do Imposto de Renda por algum equívoco na hora da declaração. Clique aqui e baixe GRATUITAMENTE um guia completo para não errar em nada na hora de acertar as contas com o Leão.

O que pode acontecer se o teto não for ampliado

Há previsões terríveis de caos financeiro global se o Congresso dos EUA não chegar a um acordo para aumentar o teto da dívida.

Também conhecido como limite da dívida, o teto da dívida versa sobre uma lei que limita a quantidade total de dinheiro que o governo pode tomar emprestado para pagar suas contas.

Isso inclui o pagamento de funcionários federais, militares, Previdência Social e gastos com saúde pública, bem como juros sobre a dívida norte-americana e restituições de impostos.

Atualmente, esse limite é de US$ 31,4 trilhões (R$ 15,5 trilhões). Esse limite foi violado em janeiro, mas o Departamento do Tesouro usou medidas extraordinárias para fornecer mais dinheiro ao governo enquanto não se chega a um acordo com o Congresso. 

EUA vivem uma briga política

Normalmente, a elevação do teto da dívida é uma formalidade para o Congresso norte-americano, mas desta vez está mais difícil se chegar a um acordo sobre os termos para isso aconteça. 

Tanto é que Biden disse hoje que pode não ir à reunião do G7 (grupo que reúne EUA, Canadá, Reino Unido, Alemanha, Itália, França e Japão) para tentar um acordo sobre o teto da dívida. 

O presidente norte-americano deve se reunir novamente na sexta-feira (12) com líderes no Congresso para tentar destravar as negociações. 

Enquanto tenta um acordo mais amplo com os congressistas, Biden também não descarta uma ampliação de curto prazo no teto da dívida para evitar o calote.

Biden, no entanto, criticou a postura de políticos e o projeto de lei condicionando o teto da dívida a cortes de gastos. Segundo ele, a proposta não detalha como os cortes seriam executados, permitindo brechas que poderiam prejudicar setores essenciais.

"Eles parecem não ter certeza do que estão propondo", afirmou.

O presidente norte-americano ainda ressaltou que seu governo reduziu parte das dívidas e prevê cortes de gastos para os próximos anos no orçamento entregue em março. Biden destacou a que a proposta equilibra cortes, retirada de determinados subsídios e impostos sobre mais "ricos", o que acredita ter potencial de "impulsionar" a receita tributária do governo.

Compartilhe

QUEM AVISA, AMIGO É

Fed: o novo recado do banco central dos EUA aos mercados sobre o corte de juros

1 de março de 2024 - 19:51

O alerta do Fed foi feito em relatório que deve ser apresentado ao Congresso norte-americano na próxima semana e também chama atenção para as guerras

FALTOU CONSENSO

A palavra da discórdia: por que a reunião do G20 no Brasil terminou sem um comunicado conjunto

1 de março de 2024 - 10:18

Divergências geopolíticas impediram ministros das Finanças e presidentes de BCs do G20 de chegarem a uma declaração conjunta

CÂMBIO PARA CAMBIAR

O milagre de Milei? Dólar livre cede 15% na Argentina em fevereiro — a queda mais acentuada em 20 anos

29 de fevereiro de 2024 - 19:26

Entenda os motores por trás da tendência que contrasta com uma economia na qual a inflação estimada para o mês está projetada em 15%

TIC TAC TIC…

A guerra nuclear é inevitável? O alerta de Putin após a provocação da França e da Otan

29 de fevereiro de 2024 - 17:00

O presidente da Rússia fez um discurso à nação nesta quinta-feira (29) e deixou bem claro que está preparado para o que der e vier para conter o Ocidente

CÂMBIO

O dólar já era? Se depender da Rússia, sim. A proposta de Putin para Brasil, China e outros emergentes “esquecerem” de vez a moeda americana

28 de fevereiro de 2024 - 20:01

Moscou também já estaria testando uma nova tecnologia de pagamento que pode sinalizar a criação de uma moeda do Brics

G-20

Yellen no Brasil: as principais declarações da chefona do Tesouro dos EUA na passagem por aqui

27 de fevereiro de 2024 - 17:45

Ela, que já foi presidente do Federal Reserve, participou hoje de encontro promovido pela Amcham Brasil e falou sobre o potencial de crescimento brasileiro, inflação nos EUA e outros temas que o Seu Dinheiro resumiu para você

SUÉCIA NA OTAN

Sinuca de bico para Putin: como a Europa deixou a Rússia sem “ângulo para bater” em um cenário de guerra mundial

26 de fevereiro de 2024 - 19:35

Quem fez a jogada que deixou o chefe do Kremlin com pouca margem de manobra foi a Hungria; entenda o que aconteceu dessa vez

Eleições nos EUA

Trump é inevitável? Ex-presidente americano derrota Nikki Haley em casa por vasta margem e caminha para virar o candidato republicano

25 de fevereiro de 2024 - 11:01

Donald Trump vence as primárias republicanas no estado da Carolina do Sul, berço político da oponente Nikki Haley, por 60% dos votos

2 anos da guerra

Ocidente demonstra apoio a Kiev no 2º aniversário da guerra entre Ucrânia e Rússia; Zelensky assina acordos com Itália e Canadá

24 de fevereiro de 2024 - 20:18

Líderes do Ocidente foram à capital ucraniana neste sábado, pelo aniversário da guerra; ajuda dos EUA e da União Europeia ao país, no entanto, passa por dificuldades

THE FINAL COUNTDOWN

Contagem final? Como Trump pode consolidar indicação republicana antes do tempo e encarar Biden em novembro

23 de fevereiro de 2024 - 19:55

A vitória de Trump na Carolina do Sul escreveria o capítulo final de uma das histórias políticas mais importantes da última década

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies