🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
JÁ VI ESSE FILME

A próxima vítima? Quem é o PacWest, banco que já perdeu 72% do valor na bolsa e pode ser vendido para se salvar

Em comunicado enviado ao mercado, a companhia está avaliando opções para “salvar” os negócios, e isso inclui uma possível venda das operações

Próxima Vítima de Jerome Powell quem é o PacWest Bancorp, banco que está na na corda bamba
Imagem: Montagem Seu Dinheiro / Divulgação

Analistas do mercado tentam se convencer de que a crise dos bancos dos Estados Unidos não teria um contágio generalizado entre as instituições. Entretanto, os dados dizem o contrário. A “bola da vez” é o banco PacWest Bancorp, cujas ações têm queda de mais de 40% no pré-mercado em Nova York nesta quinta-feira (04). 

No acumulado de 2023, os papéis do banco já tiveram uma desvalorização da ordem de 72%, o que acendeu a luz amarela para os investidores.

Afinal, após a quebra do Silicon Valley Bank (SVB), do Signature Bank, do Silvergate e do First Republic Bank, o mercado parece pouco disposto a dar margem para novos problemas.

Sendo assim, o PacWest está avaliando opções para “salvar” os negócios, e isso inclui uma possível venda das operações. Segundo reportagem da CNBC, executivos do banco trouxeram consultores para “avaliar os planos de longo prazo” da instituição.

Foi justamente esse o gatilho para os investidores amplificarem o movimento de venda das ações do banco desde ontem à noite.

Afinal, quem é o PacWest?

Desde o início da crise bancária nos Estados Unidos, o investidor brasileiro precisou se familiarizar com o nome de uma série de instituições de médio porte no país, que ao contrário do Brasil tem um sistema financeiro bastante pulverizado.

Possível próxima vítima, o PacWest Bancorp foi fundado em 1999 e tem sede em Los Angeles, Califórnia. Segundo a última demonstração de resultados, são mais de US$ 44 bilhões em ativos totais sob custódia da instituição.

Assim como outros bancos regionais dos EUA, os principais serviços oferecidos incluem empréstimos imobiliários, investimentos em construção e comércio, além de serviços de tesouraria para pequenas e médias empresas.

O que houve e o futuro do banco PacWest

A situação do PacWest já despertava o receio do mercado, mas em um comunicado enviado ao mercado, o banco confirmou os planos de busca por investidores e parceiros para reduzir os efeitos nocivos da crise bancária.

Mas afinal, o que levou o PacWest para esta situação?

O balanço do banco mostrou que os depósitos caíram para US$ 28,2 bilhões no primeiro trimestre, o que representa uma contração de US$ 5 bilhões em relação ao fim de dezembro. 

A corrida por saques, vale ponderar, foi bem menor do que a do o First Republic Bank, que não conseguiu se salvar mesmo depois de receber uma injeção de US$ 30 bilhões para tentar estancar a crise

No caso do PacWest, apesar dos resgates no acumulado dos três primeiros meses do ano, entre o dia 20 de março e o fechamento do trimestre, a instituição financeira registrou a entrada líquida de US$ 1,1 bilhão em depósitos.

Ainda assim, a companhia anunciou um plano estratégico para “otimizar a eficiência operacional”. Por último, o comunicado destaca que tem antecipado alguns desses passos como resposta à atual crise no setor bancário.

VEJA TAMBÉM - Adeus, Serasa: “se eu deixar de pagar minhas dívidas por 5 anos, elas simplesmente somem e meu nome volta a ficar limpo?”

Descubra a resposta para este e outros problemas envolvendo dinheiro no novo episódio de A Dinheirista, que resolve suas aflições financeiras com bom humor:

Banco quebrado e falido: os rastros da crise

Tudo começou quando o Silicon Valley Bank (SVB) viu-se forçado a liquidar posições em títulos diversos, o que resultou em uma perda de US$ 1,8 bilhão. A partir daí, os investidores começaram a ficar apreensivos com a saúde financeira da instituição.

A alta nos juros penalizou especialmente os Treasuries, os títulos do Tesouro norte-americano, e as perdas com esses investimentos fizeram diversos bancos sentirem um abalo nos negócios — chegando ao ponto de alguns fecharem as portas. 

Na esteira dos acontecimentos, as ações do setor caíram em bloco por diversos dias seguidos. O Credit Suisse foi o principal expoente da crise dos bancos na Europa, e precisou ser comprado pelo concorrente, o UBS. Há menos de uma semana, o First Republic Bank também teve seus negócios assumidos pelo JP Morgan.

É verdade que a situação do PacWest parece mais controlada — entretanto, os investidores parecem não querer ver para crer.

Compartilhe

AVERSÃO AO RISCO NO RADAR

Dólar mais forte e juros longos mais altos? Como o mercado vai reagir ao atentado contra Trump

14 de julho de 2024 - 13:55

Mercado deve reagir a atentado contra Trump com aversão ao risco e temores fiscais com perspectiva de vitória do republicano

SEM ANTECEDENTES

O que se sabe até agora sobre o homem identificado como suspeito de atirar em Donald Trump

14 de julho de 2024 - 11:04

De acordo com FBI, o atentado contra Trump foi promovido por um jovem de 20 anos de idade que morava a cerca de uma hora de estrada do local do ataque

ELEIÇÕES NOS EUA

Financiadores de campanha endossam candidatura de Trump após atentado, inclusive um tradicional apoiador dos democratas

14 de julho de 2024 - 9:02

Em meio a mensagens de solidariedade a Trump, Elon Musk foi o primeiro financiador de grande porte a endossar a candidatura do republicano

ELEIÇÕES NOS EUA

Duas pessoas morrem em ataque a comício de Donald Trump nos EUA

13 de julho de 2024 - 20:44

As informações disponíveis ainda são desencontradas, mas imagens mostram Trump com sangue no lado direito do rosto

HERESIA?

Libertário Milei anuncia intervenção no câmbio em tentativa desesperada de frear alta do dólar na Argentina

13 de julho de 2024 - 18:59

Governo de Javier Milei pretende vender dólares no mercado paralelo a partir de segunda-feira para “esterilizar” emissão equivalente de pesos nas transações cambiais

Aperta o play!

Como investir no exterior com real fraco, eleições pelo mundo e iminência de corte de juros nos Estados Unidos

13 de julho de 2024 - 11:00

Com bolsas americanas batendo recordes, incertezas sobre o Fed e eleição batendo à porta nos EUA, João Piccioni, responsável pela Empiricus Gestão, fala sobre como posicionar a parcela dolarizada da carteira

INVESTIMENTOS NO EXTERIOR

Nvidia não é a favorita: Itaú BBA recomenda cinco ações do setor de tecnologia para aproveitar a “liquidação” das bolsas dos EUA

12 de julho de 2024 - 19:20

Para o time de análise de tecnologia do banco, os fundamentos permanecem fortes em muitos nichos dentro do setor de tech

PREÇOS VOLTARAM A SUBIR

A magia de Milei acabou? Inflação na Argentina interrompe sequência de quedas e já supera os 270% em um ano

12 de julho de 2024 - 17:11

O avanço foi puxado pelo aumento nas tarifas de electricidade, gás e aluguéis residenciais

O JOGO NÃO ESTÁ GANHO

Não tem nada garantido: o “vilão” que pode impedir o BC dos EUA de cortar os juros em setembro

12 de julho de 2024 - 16:11

As apostas no afrouxamento da política monetária em setembro saíram da casa dos 70% para 96% nesta sexta-feira (12), depois de uma semana cheia de sinais sobre o futuro da política monetária da maior economia do mundo, mas esse jogo ainda não está ganho

BOJ EM AÇÃO?

A possível intervenção do governo japonês no iene que impediu a queda no preço do dólar no Brasil

12 de julho de 2024 - 9:24

A diferença entre o dólar e o iene criou uma oportunidade de negociação altamente lucrativa chamada carry trade

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar