🔴 EVENTO GRATUITO: COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
ESPECIAIS SD

Onde investir em 2023: Após ano difícil para o bitcoin (BTC), analistas enxergam oportunidades em DeFis e outras criptomoedas ‘não convencionais’

O cardápio de opções aumenta um pouco mais para o ano que se inicia: com a disparada do bitcoin, outros tokens (criptomoedas) devem se beneficiar também

Renan Sousa
Renan Sousa
4 de janeiro de 2023
6:40 - atualizado às 17:35
Onde investir em 2023 - Bitcoin e Criptomoedas
Imagem: Freepik / Montagem Brenda Silva

Mais um ano se passou, e os investidores recolhem os louros — ou cacos — dos seus investimentos. E, para quem estava posicionado em criptomoedas, o saldo pode não ter sido dos melhores: o mercado como um todo, afinal, sofreu praticamente por todos os últimos 12 meses.

As cotações da maior criptomoeda do mundo, o bitcoin (BTC), caíram 63% em 2022. Nas máximas do ano, a moeda digital atingiu os US$ 48.205; nas mínimas, tocou os US$ 15.521. 

Mas, como dizem: ano novo, vida nova. Analistas do mercado estão com o sentimento de que “o pior já passou” no mercado cripto e aumentam as apostas para 2023.

Quem acompanhou o último especial Onde Investir no 2º Semestre de 2022, pode ter saído um pouco decepcionado — as indicações de criptomoedas não saíram muito dos óbvios bitcoin e ethereum (ETH).

No entanto, para os próximos 365 dias, o cardápio de opções aumenta um pouco mais. Existe uma expectativa de disparada dos preços do bitcoin — o que, por consequência, também estimula a alta de outros tokens (criptomoedas). 

Confira a seguir as indicações dos especialistas para 2023:

Nome (ticker)TipoCotação atualValor de mercado
Bitcoin (BTC)MoedaUS$ 16.751,07US$ 322,24 bilhões
Ethereum (ETH)InfraestruturaUS$ 1.184US$ 142,81 bilhões
Polygon (MATIC)InfraestruturaUS$ 0,758US$ 7,16 bilhões
Solana (SOL)InfraestruturaUS$ 12,32US$ 4,52 bilhões
UniSwap (UNI)DeFiUS$ 5,33US$ 4,02 bilhões
Avalanche (AVAX)InfraestruturaUS$ 12,00US$ 3,74 bilhões
Chainlink (LINK)OráculoUS$ 6,01US$ 2,96 bilhões
Cosmos (ATOM)InfraestruturaUS$ 8,92US$ 2,61 bilhões
GMX (GMX)DeFiUS$ 45,46US$ 8,44 milhões
Fontes: CryptoRank e Coin Market Cap

Ainda existem outros setores que empolgam com cautela os analistas, como o de tokens não fungíveis (NFTs), Metaverso, Web 3.0 e sistemas de armazenamento do tipo IPFS (InterPlanetary File System, ou sistemas de armazenamento interplanetário, numa tradução livre).

Mas esses projetos não têm criptomoedas específicas no momento — e as razões para isto você confere a seguir.

Esta matéria faz parte de uma série especial do Seu Dinheiro sobre onde investir no primeiro semestre de 2023. Eis a lista completa:

O inverno das criptomoedas

Antes de dizer o que esperar de 2023, é preciso colocar na mesa o que manteve bons projetos extremamente descontados ao longo de 2022. Ainda que alguns motivos permaneçam, a ausência de outros injeta otimismo no mercado. 

O ano começou com a expectativa de aumento dos juros nos EUA. O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) tinha a difícil missão de controlar a inflação galopante e manter o desemprego baixo.

Assim, as taxas saíram da faixa de 0% a 0,75% para 4,25% a 4,50% ao ano. Ao mesmo tempo, o cenário macroeconômico não ajudou os ativos de risco. A partir daí, o Longo Inverno Cripto apenas se alongou com os eventos que se sucederam. Relembre aqui alguns:

Todos esses eventos fizeram o valor global das criptomoedas cair mais de 60% desde o início de 2022. O dreno total chegou a US$ 1,2 trilhão nos últimos 12 meses.

Preferências dos analistas

Vale ressaltar que criptomoedas alternativas ao bitcoin e ao ethereum — as chamadas altcoins — tendem a ter uma volatilidade maior. Portanto, é preciso ressaltar que o retorno é proporcional ao risco e que as perdas podem ser substanciais. 

Dito isto, para os especialistas consultados pela reportagem, o inverno cripto “limpou” o mercado de projetos pouco promissores ou que tinham uma má gestão de recursos.

Assim, boa parte dos protocolos que sobreviveram estão relacionados à infraestrutura da tecnologia blockchain, os chamados layer 2 (L2, ou de segunda camada). 

Esses são projetos criados para solucionar algum dos três problemas principais que existem em todas as blockchains: escalabilidade, segurança e descentralização. 

  • O ano da renda fixa (de novo)? Com Selic estável a 13,75% a.a., veja os melhores investimentos que você pode fazer para proteger seu patrimônio e também buscar bons rendimentos. CLIQUE AQUI

“Posições de L2 mais maduras também podem ser uma boa aposta, como Polygon (MATIC). Os outros projetos, como Arbitrum, Optimism (OP) e ZkSync e Starkware, podem acabar se beneficiando também, mas mais por especulação, já que seus tokenomics [“economia do token”, termo técnico para avaliar como aquele protocolo se sustenta financeiramente] ainda não são tão atrativos assim”, define Rafael Castaneda, analista de blockchain e criptomoedas da Mercurius Research.

As criptomoedas queridinhas dos analistas

O segmento de L2 ainda conta com projetos conhecidos, como o ethereum, a segunda maior criptomoeda do mundo. Em 2023, novas atualizações devem animar as cotações com a implementação do sharding da rede. Os detalhes você confere aqui.

Já as ethereum killers Solana (SOL) e Polkadot (DOT) também empolgam. Apesar de não serem mais consideradas as moedas com potencial para substituir o ETH, os protocolos cresceram em número de usuários e criação de projetos em suas blockchains. Com uma melhora geral do mercado, os tokens têm grande potencial. 

Fechando a lista com uma cripto não tão conhecida, o protocolo Cosmos (ATOM) introduz o conceito de multichain. Em resumo, ela pretende ser a via que conecta várias blockchains e protocolos, de maneira mais rápida e segura do que as pontes (bridges)

DeFis: da queda ao topo (?)

Outro setor que também empolga é o de finanças descentralizadas (DeFi). Apesar da queda de mais de 90% no valor estocado em contratos do gênero (Total Value Locked, ou TVL), os que sobreviveram ao inverno saíram mais resilientes, e os analistas enxergam um acúmulo de recursos nesse segmento no médio prazo.

O destaque especial vai para o protocolo GMX (GMX), citado por praticamente todos os analistas. Grosso modo, o protocolo de exchange descentralizada (DEX, na sigla em inglês) serve para negociação de contratos de DeFi.

  • [GRATUITO] Já está disponível para download o guia do Seu Dinheiro “Onde investir em 2023”, com indicações feitas por analistas do mercado das melhores ações, FIIs, BDRs e mais. BAIXE AQUI

Em um relatório publicado pela equipe de research de criptomoedas da Empiricus, Vinicius Bazan, chefe da divisão, e o analista Paulo Camargo destacam que a geração de receitas desse protocolo é extremamente consistente, dando margem para um crescimento sustentável e inclusão de novos mecanismos de fluxo de caixa, como o staking, por exemplo.

Como consequência, a valorização do token GMX também está na perspectiva dos analistas. 

Por último, o protocolo Uniswap (UNI) — tido como um dos primeiros a implementar o sistema que criou as DEX e trocas (swaps) automáticas — também foi um dos que “sobreviveram”. Para o futuro, o protocolo deve estabelecer um sistema de fee switch, que pode fazer o protocolo gerar receita líquida para sustentar a DAO que organiza o projeto

Gerenciamento e manuseio de dados

Esse é o mesmo motivo pelo qual sistemas de armazenamento de informação do tipo IPFS (InterPlanetary File System) também estão entre os destaques dos analistas.

Em linhas gerais, a tecnologia IPFS é uma maneira eficiente e descentralizada de gerenciamento e armazenamento de dados online.

O modelo foi emprestado do universo da web 2.0, mas refinado com a entrada da blockchain no mundo digital, permitindo uma maior segurança e análises de informações com maior transparência, sem a necessidade de um ente centralizador e controlador desses dados.

NFTs, Metaverso e Web 3.0 na geladeira

Assim como protocolos relacionados a IPFS, projetos em NFT ou relacionados ao metaverso e à web 3.0 ainda são deixados “de lado” pelos analistas. 

Isso porque ainda existe um número muito grande de projetos que surfaram a onda do bull market de 2021. Mas são protocolos que não desenvolveram uma tokenomics suficientemente clara ou razoável, na visão dos analistas.

Ou seja, ainda é preciso passar um “pente fino” no mercado para separar bons e maus protocolos e fazer as recomendações.

  • Quer investir no exterior? Então se prepare, pois é preciso ter coragem para encarar a volatilidade do mercado internacional em 2023. Conheça as melhores estratégias que você pode adotar para se expor a esses ativos CLICANDO AQUI.

À exceção do Metaverso e da Web 3.0, existem aqueles que defendem a tese de que os NFTs ainda têm chances de se provarem bons investimentos, como explica André Franco, chefe de research do Mercado Bitcoin (MB).

“Nós tivemos apenas o primeiro round dessa tese. Foi o mesmo que aconteceu com o boom dos ICOs [oferta inicial de tokens, o mesmo que IPO no universo das criptomoedas] em 2017 e depois muitos foram a zero. Depois de uma queda de 95% nos projetos, ainda existem aqueles 5% de NFTs que tem alguma utilidade”, diz.

Nem tudo foi tragédia

Para o CIO da gestora de ativos digitais QR Asset, Alexandre Ludolf, o período foi marcado por pressões nas cotações, mas a tecnologia em si não “falhou” durante o ano.

“O mercado conseguiu fazer o The Merge do ethereum e ainda foram criados novos projetos no último ano, então o blockchain se provou muito resiliente nesse período”, comenta.

Quem engrossa o coro a favor de um otimismo para 2023 é Vinícius Bazan, da Empiricus.

“Projetos como ethereum, polkadot e polygon foram povoados com novas tecnologias, como foi o caso dos zk rollups", diz, em referência à tecnologia que permite a escalabilidade (crescimento) com aumento de velocidade das transações em uma blockchain.

Leis de criptomoedas avançam em todo mundo

Ainda existem outros eventos que estimulam o otimismo no mercado de criptomoedas. O Brasil aprovou o primeiro marco legal dos ativos digitais no final de 2022, o que animou o setor como um todo.

Grandes grupos e países, como a União Europeia e os Estados Unidos, também avançam nos debates sobre o mercado de ativos digitais — especialmente após a falência da FTX, os legisladores se viram diante da necessidade de regular o setor.

A inclusão das criptomoedas no universo regulado dá margem para a entrada de investidores e usuários, o que tende a se refletir nas cotações à vista dos tokens.

Uma nova dinâmica das criptomoedas?

Por fim, o preço do bitcoin oscilava cada vez menos a cada nova crise. Dados on-chain da rede da maior criptomoeda do mundo mostram que a atividade da rede vem aumentando, ainda que isso não reflita ainda no preço à vista.

  • Em dúvida sobre como investir? Faça o download GRATUITO do e-book Onde investir em 2023 e confira a opinião dos maiores especialistas do mercado financeiro sobre os ativos mais promissores para este ano. BAIXE AQUI

Outras métricas, como criação de wallets e comportamento do usuário, também chamaram a atenção em 2022.

Em outras palavras, o BTC se recuperava ou mantinha uma estabilidade de preços com mais facilidade após cada baque do setor.

Isso sustenta a tese de que a maior criptomoeda do mundo pode ter formado um piso mais bem definido, o que permite estimativas de preço e reações mais precisas. A volatilidade dessa classe de ativos, porém, não deve sumir tão cedo — alguns analistas acreditam que o sobe e desce será permanente, já que é inerente à própria dinâmica das moedas digitais.

Como última dica para 2023, vale lembrar que o setor de criptomoedas é altamente arriscado e o investidor não deve se expor desnecessariamente aos perigos deste universo. Os especialistas recomendam alocar uma parcela de no máximo 5% do seu portfólio em ativos digitais.

Compartilhe

CRYPTO INSIGHTS

Após o halving, um protocolo ‘surge’ para revolucionar o bitcoin (BTC): entenda o impacto do protocolo Runes 

23 de abril de 2024 - 8:38

Sim, o halving aconteceu, mas não é essa atualização que vamos falar hoje, mas sim uma atualização que mudou a história da rede

ALGO MUDOU?

Após halving, bitcoin (BTC) sobe e toca US$ 66 mil, mas ainda não mostrou “tudo” para 2024

22 de abril de 2024 - 12:22

Os analistas da Kaiko, empresa especializada em research de criptomoedas, enxergam que o “efeito halving” deve acontecer dentro de alguns meses

ACONTECEU!

Halving do bitcoin (BTC) aconteceu! Mas… E agora? Veja o que analistas esperam da criptomoeda agora que emissão foi cortada

20 de abril de 2024 - 7:04

Nesta sexta-feira (19), o evento aconteceu mais uma vez. A recompensa dos mineradores por bloco de bitcoin caiu pela metade — de 6,25 BTCs para 3,125 BTCs

MAR CALMO

Recuo antes do tsunami: bitcoin (BTC) se aproxima dos US$ 60 mil antes do evento que pode fazer criptomoeda disparar 150%

17 de abril de 2024 - 14:44

As atenções se voltam para o halving, quando a recompensa pela mineração da criptomoeda cai pela metade

crypto insights

O que a guerra no Oriente Médio significa para o bitcoin (BTC)? E quais criptoativos devem se sair bem logo após o halving?

16 de abril de 2024 - 20:00

O susto da guerra foi um gatilho de volatilidade que fez com que os preços do bitcoin e das altcoins corrigissem com força. Mas isso abriu uma oportunidade de compra

PRESSÃO NOS PREÇOS

Bitcoin (BTC) cai e atinge menor nível em quase um mês — mesmo depois de uma ótima notícia para o mercado de criptomoedas

16 de abril de 2024 - 10:48

A maior moeda digital do planeta é um ativo sensível às variações macroeconômicas e as tensões internacionais não facilitam

IRÃ X ISRAEL

Bitcoin (BTC) despenca: aumento da tensão no Oriente Médio cria ‘flash crash’ no mercado de criptomoedas; entenda

14 de abril de 2024 - 14:41

Depois do avanço de drones e mísseis balísticos sobre o território israelense, o mercado de criptomoedas reduziu a queda, mas segue pressionado

DE ELEVADOR

Por que o bitcoin (BTC) zerou os ganhos da semana faltando menos de 7 dias para o halving? Criptomoedas caem até 13% no período

13 de abril de 2024 - 9:02

Nos últimos dias, o mercado financeiro tradicional avaliou que o Federal Reserve (Fed, o Banco Central norte-americano) só deve cortar os juros do país em setembro

QUEM LACRA NÃO LUCRA?

Briga entre Elon Musk e Alexandre de Moraes faz criptomoeda disparar mais de 9.500% em menos de uma semana

12 de abril de 2024 - 17:46

A moeda-meme foi criada por internautas no último domingo (7) — e já se valorizou 9.550% em três dias de lançamento

CONTRA O RELÓGIO

Menos de dez dias para o halving do bitcoin (BTC): depois de impulsionar, ETFs estabilizam criptomoedas; até onde os preços vão agora?

10 de abril de 2024 - 10:57

Em 2016 e 2020, por exemplo, quando ocorreram os últimos dois halvings, o preço do BTC subiu 123,80% e 304,10% respectivamente

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar