ESQUEÇA BITCOIN: outra criptomoeda de R$ 4 pode valer R$ 80 em breve; conheça aqui

Cotações por TradingView
2022-12-01T11:52:29-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
SINAL VERDE DA CÂMARA

Histórico! Brasil aprova lei sobre criptomoedas; confira o que muda para você a partir de agora

O estabelecimento de regras mais principiológicas é animador para o esse novo setor da economia brasileira, segundo especialistas

29 de novembro de 2022
19:58 - atualizado às 11:52
Lei de criptomoedas é aprovada no Brasil; veja o que muda para você investidor
Lei de criptomoedas é aprovada no Brasil; veja o que muda para você investidor. Imagem: Montagem / Seu Dinheiro

Esta terça-feira (29) é um dia histórico para o mercado de ativos digitais do Brasil. A Câmara dos Deputados acaba de aprovar o projeto de lei (PL) de nº 4.401, que regula o mercado de criptomoedas brasileiro. 

O texto é uma junção de uma série de PLs que tramitavam no Congresso, compilados em apenas uma proposta para facilitar a aprovação. O projeto de lei surgiu na Câmara e, após as alterações feitas no Senado, a lei voltou para a primeira Casa sob a alcunha de PL nº 4.401.

Os parlamentares ainda analisam os destaques apresentados pelos partidos na tentativa de mudar trechos do texto do PL antes que ele siga para a sanção presidencial. Mas, dado o último passo, o mercado brasileiro de ativos digitais tem grandes chances de se desenvolver com mais segurança e competitividade. É o que pensam os representantes do setor.

  • O ‘comeback’ do Bitcoin? Você pode até não estar confiante nisso, mas, segundo este analista de criptomoedas, estamos  entrando em um novo ciclo de alta do Bitcoin que pode multiplicar o seu dinheiro por 2… 3… 5… e até 10 vezes. E você pode receber R$ 120 para “surfar nessa onda”. Clique aqui para saber mais

Mas o que diz o projeto? Em linhas gerais, o texto deixa a cargo do poder Executivo a indicação de um órgão para estabelecer as diretrizes deste mercado. Há uma forte preferência para que essa instância seja o Banco Central (BC).

A proposta também traz incentivos para a mineração verde de moedas digitais e especifica crimes contra a economia popular — como lavagem de dinheiro, esquemas de pirâmide financeira etc. — de maneira complementar ao que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) estabeleceu no seu próprio parecer sobre o tema.

Agora, o texto vai para sanção presidencial.

O último parecer da lei de criptomoedas

Um dos pontos criticados pelos analistas tratava justamente de uma proposta que separava o caixa das empresas dos fundos dos clientes, o que é chamado de segregação patrimonial, que foi alterado no texto final.

Esse mecanismo foi importado do mercado tradicional e é uma forma de proteger os usuários de possíveis problemas financeiros das instituições.

Como exemplo de motivos para manter a exigência da segregação patrimonial, representantes desse mercado utilizaram como exemplo a crise na FTX, que recentemente entrou em insolvência e deixou os clientes a ver navios. Mas, no fim das contas, o texto acabou mantendo a segregação opcional.

Veja também: REGULAÇÃO DO BITCOIN O BRASIL. E AGORA?

O xerife das criptomoedas

Ao que tudo indica, o Banco Central será o principal órgão regulador das criptomoedas no Brasil, de acordo com o PL. Para grande parte dos entes do mercado de ativos digitais, seria improvável a criação de uma nova divisão para tratar de criptoativos.

Além disso, o BC tem participado ativamente com o setor para desenvolver projetos em blockchain e criptografia, a exemplo do próprio real digital.

Já a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que cuida dos mercados tradicionais, também será acionada em momentos específicos, como quando o ativo se assemelhar a um valor mobiliário, por exemplo.

Estarão sob o guarda-chuva do BC as atividades das corretoras de criptomoedas (exchanges), que hoje se submetem à norma IN-1888 da Receita Federal. Após o PL, essas empresas do setor passam a responder ao órgão regulador.

Criptomoedas: commodity ou moeda?

Um dos PLs incorporados à proposta aprovada dava espaço para uma interpretação importante e que pode estimular ainda mais o mercado.

De acordo com o texto, as criptomoedas devem passar a ser encaradas como moedas pelo Banco Central. Atualmente, o bitcoin (BTC) é considerado uma commodity — semelhante ao petróleo, ao café e ao minério de ferro.

Brasil, Meca da mineração de criptomoedas?

Um dos pontos polêmicos previstos no projeto de regulação de criptomoedas diz respeito à mineração dos ativos.

A proposta prevê a isenção de imposto na importação dos computadores com megacapacidade de processamento usados na atividade.

A condição para a alíquota zero é que a mineração seja realizada a partir de fontes renováveis de energia.

A questão ambiental é uma das grandes preocupações relacionadas ao mercado de criptomoedas, graças à energia consumida na mineração. Entenda mais sobre como funciona a mineração de criptomoedas nesta reportagem.

E o que muda

Com essa mudança, as exchanges também devem passar a oferecer serviços e produtos financeiros referenciados em criptomoedas, como empréstimos, por exemplo. Isso dá margem para a regularização de staking e lending em criptomoedas — e deve evitar casos como o da Celsius.

Ao elevar as criptos ao patamar de moedas, o projeto também abre espaço para a criação do real digital, um projeto do Banco Central.

Criptomoedas e o setor público

Ainda na esteira das alterações do PL na Câmara, a proposta do relator também deixou a cargo do poder Executivo a publicação de regras mais bem definidas para a abertura de contas em prestadores de serviço — como exchanges ou instituições de pagamentos ligados a criptomoedas.

Isso dificulta a modernização do serviço público no mercado das criptomoedas, que só tende a crescer no Brasil. A situação fica ainda pior quando se coloca a possibilidade de sanções aos crimes digitais.

Esse atraso no estabelecimento de regras mais claras pode dificultar o trabalho do judiciário no congelamento de bens em caso de crimes digitais, como explicou um representante do setor.

Apresentação de CNPJ — um ponto crucial

As corretoras e prestadoras de serviços em criptomoedas terão um prazo maior para se adequar às normas a partir da aprovação da lei.

Entretanto, existe uma exigência: a empresa precisa ter a aprovação do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e ter um CNPJ regularizado.

Na visão de Marcelo de Castro Cunha Filho, advogado da área de Tecnologia do escritório Machado Meyer, o Coaf deve se preparar para receber e fiscalizar com clareza essas instituições. Do contrário, a medida pode apenas limitar o desenvolvimento do mercado local.

  • O ‘comeback’ do Bitcoin? Você pode até não estar confiante nisso, mas, segundo este analista de criptomoedas, estamos  entrando em um novo ciclo de alta do Bitcoin que pode multiplicar o seu dinheiro por 2… 3… 5… e até 10 vezes. E você pode receber R$ 120 para “surfar nessa onda”. Clique aqui para saber mais

Esse ponto da lei pode colocar ainda mais pressão na Binance no Brasil, que recentemente entrou no noticiário após suspender saques e depósitos em reais e bagunçou o mercado local.

Os prazos da lei de criptomoedas

Os prazos para adequação das exchanges à lei ainda não foram estabelecidos. Mas, se o PL seguir a cartilha de outros projetos anteriores, as corretoras podem ter um prazo entre três meses e dois anos para se adequar às novas regras.

Para o investidor, pouca coisa muda. O usuário provavelmente precisará apenas fazer uma atualização cadastral em suas corretoras para adequação às regras da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

E o saldo da lei de cripto

De modo geral, corretoras e casas de análises consultadas pelo Seu Dinheiro consideram que a lei é positiva. A regulação do mercado traz mais segurança aos investidores e possibilita o desenvolvimento do setor em âmbito nacional.

Havia uma certa preocupação de que o projeto fosse muito restritivo e acabasse limitando o potencial de criação e novas ideias em escala nacional, o que não aconteceu.

Além disso, os participantes do mercado consideram o PL um “bom começo”.

É claro, sempre há uma ou outra especificidade das criptomoedas que precisa ter um detalhamento maior, mas o estabelecimento de regras mais principiológicas é animador para esse novo setor da economia brasileira.

Saiba mais e veja a íntegra os projetos de regulação de criptomoedas que geraram o PL nº 4.401:

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

NÃO É A AMERICANAS

A culpa é do sistema (tributário): Ambev (ABEV3) sobe na mesa e rebate acusação de rombo

3 de fevereiro de 2023 - 9:04

De acordo com a Ambev, trata-se de um litígio tributário devidamente registrado em suas demonstrações contábeis

PONTE AÉREA JURÍDICA

Americanas (AMER3): pedido de busca e apreensão vira disputa “Rio-São Paulo” na Justiça

3 de fevereiro de 2023 - 8:53

Justiça do Rio decidiu não cumprir a ordem de busca e apreensão na Americanas determinada por juiz de São Paulo; entenda o caso

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Sextando com big techs, payroll e Lula: Alfinetadas a Lemann, decepção com Apple e Amazon, crise na Light e outras notícias do dia

3 de fevereiro de 2023 - 8:29

As crises na Americanas, na Oi e agora na Light seguem no radar – e o presidente aproveitou para alfinetar o homem mais rico do Brasil e seus sócios na 3G Capital

MERCADOS HOJE

Bolsa agora: Ibovespa futuro abre em queda com falas de Lula, commodities e exterior; dólar avança

3 de fevereiro de 2023 - 7:23

RESUMO DO DIA: Os investidores acompanham a divulgação dos números de emprego nos Estados Unidos. Porém, os balanços corporativos da noite de ontem (02) amargam o sentimento das bolsas nas primeiras horas da manhã. O destaque local vai para o novo ataque do presidente Lula à autonomia do Banco Central.

O QUE VEM POR AÍ?

A Oi (OIBR3) ainda tem futuro? O que está por trás do pedido que pode levar a companhia a uma nova recuperação judicial

3 de fevereiro de 2023 - 6:45

Medida solicitada pela Oi (OIBR3) prevê proteção contra credores sem que haja intervenção da Justiça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies