IPCA + 7,5%: receba esta e outras ofertas ‘premium’ de renda fixa no WhatsApp; clique aqui

Cotações por TradingView
2023-01-18T17:37:56-03:00
Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
ESPECIAIS SD

Onde investir em 2023: Perigo de recessão global exige boa dose de proteção – mas o dólar e o ouro não são a resposta

Em tempos de Selic de dois dígitos, a renda fixa supera o dólar como principal opção para proteger seu portfólio dos riscos de recessão

11 de janeiro de 2023
6:32 - atualizado às 17:37
Onde investir em 2023 - Dólar, Ouro e Proteções
Imagem: Freepik / Montagem Brenda Silva

Antes de o Brasil começar a subir os juros, no final de 2021, era comum ouvir gestores, analistas e influenciadores nas redes sociais recomendando que os investidores montassem parte do seu portfólio com alguma exposição ao dólar.

A estratégia de diversificação, algo sempre recomendado por planejadores financeiros, servia como “proteção contra o risco-Brasil”. Ou seja, caso acontecesse um solavanco na economia local, parte dos efeitos negativos poderia ser mitigada com o investimento em dólar.

O ouro, outro ativo que sempre volta à moda quando aparece uma crise, também teve sua chance de brilhar logo no começo da pandemia.

E se é verdade a premissa de que o mundo caminha para uma recessão, agora, mais do que nunca, seria o momento para proteger seus investimentos com dólar e ouro, certo? 

Bem… não é bem assim.

Apesar do Seu Dinheiro levar a sério o mantra “sempre tenha dólar na carteira”, não importa qual seja a cotação, alguns gestores estão achando difícil recomendar o investimento na moeda com o intuito de proteção - e isso está diretamente ligado à Selic.

Esta matéria faz parte de uma série especial do Seu Dinheiro sobre onde investir no primeiro semestre de 2023. Eis a lista completa:

Custo de oportunidade entre dólar e renda fixa

Com a taxa básica de juros da economia brasileira em 13,75% ao ano, o investidor não precisa ir muito longe para encontrar retornos polpudos e seguros: basta abrir o Tesouro Direto para perceber que está difícil para qualquer outra classe de ativos competir com esses retornos. 

Aliás, você pode conferir o panorama completo que a Julia Wiltgen escreveu sobre os melhores investimentos em renda fixa aqui.

E, como os títulos públicos são um dos investimentos menos arriscados, eles já servem de proteção na carteira.

“Existe uma chance não desprezível de que o Banco Central não só não corte, como tenha que subir os juros [neste ano]. Ficar em ativos que acompanham a Selic tende a ser uma alocação de recursos mais tranquila e confortável para o patrimônio dos investidores”, recomenda Fabiano Godoi, sócio e CIO da Kairós Capital.

Alfredo Menezes, sócio-fundador da gestora de fundos Armor Capital, não acredita em novo aumento dos juros, mas acha que papéis indexados à inflação, especialmente os isentos de imposto, como debêntures de infraestrutura, são a melhor pedida.

“O melhor ativo defensivo é realmente o papel indexado à inflação e isento. Depois disso, é ficar no CDI com liquidez”, disse Menezes.

  • Quais os melhores BDRs para investir em 2023? O mercado internacional é ótima opção para quem busca proteger o patrimônio das incertezas do cenário brasileiro – mas é preciso cuidado na escolha dos ativos. VEJA OPINIÃO DE ANALISTAS AQUI

Seja qual for a renda fixa escolhida, o fato é apenas um: com juros beirando os 14% ao ano, o custo de oportunidade de se proteger com dólar agora é muito grande. Mas, se você vive no Brasil, é importante ter em mente a necessidade de diversificação.

Dólar depende da sua cesta de consumo

De acordo com o gestor da Armor, se você vive num país emergente, deveria ter uma poupança no exterior que corresponda a, no mínimo, 20% do seu portfólio.

Godoi, da Kairós, diz que o cálculo dessa fatia deve levar em consideração o quanto da sua cesta de consumo está atrelada ao dólar. Supondo que você faça viagens para o exterior com frequência, por exemplo, é razoável ter parte do patrimônio dolarizado.

Mas há várias formas de se expor ao dólar. Uma delas é comprando ações de empresas americanas, como a Ana Carolina Neira explicou na reportagem sobre investimento no exterior.

Em algumas plataformas de investimento também é possível encontrar títulos de dívida de empresas americanas (debêntures) pagando um prêmio interessante.

Outra maneira de investir em dólar é por meio de fundos cambiais. Nesse caso, o ideal é aplicar nos produtos com a menor taxa de administração possível. Veja a seguir as indicações da equipe da Empiricus:

  • BTG Dólar - Taxa de administração: 0,10%
  • Vitreo Dólar - Taxa de administração: 0,05%
  • Vitreo Moedas Life -Taxa de administração: 0,05%

Se tudo isso parece muito complicado, há sempre a opção de comprar a moeda em si - ou delegar para gestores experientes.

Fundos multimercado podem ajudar a diversificar

Os fundos multimercado aparecem como uma opção de diversificação por terem mandatos que permitem navegar por diferentes cenários. No ano passado, em que a bolsa passou por aperto, eles foram o destaque na indústria de fundos, superando, inclusive, os retornos dos fundos de renda fixa.

  • Quais criptos devem crescer ‘estrondosamente’ em 2023? Conheça as apostas dos analistas sobre as criptomoedas que devem ‘deslanchar’ e trazer ótimos lucros aos seus investidores neste ano. CONFIRA A LISTA COM 9 NOMES GRATUITAMENTE AQUI

Segundo a Anbima, a rentabilidade acumulada dos multimercados macro alcançou 17% no ano passado, desempenho acima dos principais indicadores de referência. Os multimercados livres, que não possuem obrigatoriamente o compromisso de concentração em nenhuma estratégia específica, não foram tão bem quanto seus pares, mas, ainda assim, acumularam ganhos de 9,4% em 2022.

Porém, os dados mostram que os investidores não aproveitaram essa rentabilidade exuberante. Isto porque os fundos multimercados também foram os que sofreram maior resgate de toda a indústria de fundos no ano passado, com R$ 87,6 bilhões.

Ouro

Poucos gestores gostam de ter ouro na carteira - Menezes, da Armor, diz que não gosta nem nos dentes.

A rejeição ao metal se explica pela ausência de remuneração na forma de juros, pois o investidor só ganha se vender a um preço maior do que comprou. E, se comparar o preço da commodity no dia 1º de janeiro de 2023 com o dia 31 de dezembro de 2021, o metal ficou de lado.

“Não gosto de ouro. Teria que subir ao longo do tempo para valer a pena e não há uma demanda para isso”, disse Leonardo Rufino, da Mantaro Capital. 

Já  Godoi, da Kairós, pondera que assim como os juros altos jogam contra o dólar, o mesmo vale para o ouro.

  • Em dúvida sobre como investir? Faça o download GRATUITO do e-book Onde investir em 2023 e confira a opinião dos maiores especialistas do mercado financeiro sobre os ativos mais promissores para este ano. BAIXE AQUI

Mas vale destacar que a Verde Asset, de Luis Stuhlberger, ficou com posição comprada no metal na maior parte de 2022. A gestora não quis dar entrevista, mas a informação consta nas cartas mensais do principal fundo da casa.

Se Stuhlberger gosta de investir em ouro, talvez devamos ficar de olho no comportamento do metal.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

DIA 31

Está confirmado: Lula vai para os EUA no dia 10 de fevereiro — veja o que ele vai discutir com Biden

31 de janeiro de 2023 - 20:06

Enquanto o encontro não chega, o petista tentou acalmar os ânimos dos investidores — que seguem desconfiados em relação à responsabilidade fiscal do novo governo

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa sobe em meio ao caos de um interminável janeiro; o que afeta a bolsa nos próximos dias?

31 de janeiro de 2023 - 18:57

Veja tudo o que movimentou os mercados nesta terça-feira, incluindo os principais destaques do noticiário corporativo

MELHORES DO MÊS

Renascimento cripto: bitcoin (BTC) volta a brilhar, sobe mais de 30% e é disparado o melhor investimento de janeiro; títulos do Tesouro ficam na lanterna

31 de janeiro de 2023 - 18:46

As medalhas de prata e bronze foram para o ouro e para o Ibovespa, em um movimento de busca por segurança — e barganhas

ESTAGNOU?

Dividendos do Maxi Renda (MXRF11) não cresceram em 2022, mas os proventos destes outros três fundos imobiliários subiram mais de 50% — veja quais são

31 de janeiro de 2023 - 18:33

O melhor resultado foi obtido pelo Santander Papéis Imobiliários CDI (SADI11), com alta de 77,1%

RELATÓRIO DE PRODUÇÃO

Pé no freio: produção e vendas da Vale (VALE3) registram recuo tímido em 2022; confira os destaques operacionais da mineradora

31 de janeiro de 2023 - 18:30

A produção e a comercialização de minério de ferro da companhia se aproximaram da estabilidade no ano passado, com leves quedas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies