🔴 RECEBA TODA SEMANA RECOMENDAÇÕES PARA PODER DOBRAR O SEU DINHEIRO – CONHEÇA O MÉTODO

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
FUTURA EX-ESTATAL?

Copel (CPLE6) chega à reta final da privatização. Vale a pena cruzar na frente e comprar as ações na B3?

Benefícios da Copel privatizada vão mais do que compensar os custos do processo, como o pagamento pela renovação das concessões, segundo os analistas do Itaú BBA

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
14 de abril de 2023
15:16 - atualizado às 15:33
Funcionários da Copel
Funcionários da Copel - Imagem: Divulgação

Na "corrida" para a privatização, a Copel (CPLE6) está cada vez mais perto de cruzar a linha de chegada. E para os analistas do Itaú BBA esse pode ser um bom gatilho de compra para as ações da estatal paranaense de energia na B3.

O governo do Paraná conseguiu eliminar dois obstáculos para a venda do controle da Copel nesta semana. O primeiro foi a definição do valor das outorgas para a renovação da concessão de três usinas.

A outra pendência para a privatização resolvida nos últimos dias curiosamente tem o Itaú como protagonista. Isso porque o banco fechou acordo para receber uma dívida bilionária do governo paranaense, e que tinha ações da Copel como garantia.

Sendo assim, os analistas do Itaú BBA resolveram elevar o preço-alvo para as ações da estatal (CPLE6) para R$ 9,60. O valor representa um potencial de valorização de 26%. No pregão de hoje da B3, os papéis subiam 0,64% por volta das 14h55, cotados a R$ 7,88.

  • Você conhece a “profecia do Bitcoin”? Segundo entusiastas de criptomoedas, o BTC pode substituir o sistema financeiro tradicional nos próximos anos – e as crises bancárias recentes estão fortalecendo cada vez mais essa tese. Este é o momento para comprar bitcoin? Descubra aqui.

Copel: os riscos da privatização

A expectativa é que a privatização da Copel aconteça em outubro. Mas o Itaú BBA não dá o negócio como favas contadas. A projeção para as ações, aliás, considera uma possibilidade de 75% de que a operação seja bem sucedida.

Caso a companhia permaneça nas mãos do governo do Paraná, os analistas estimam o valor justo dos papéis em R$ 8,70. Ou seja, mesmo no pior cenário a companhia oferece algum potencial na B3.

E o que pode atrapalhar a "bandeirada" na reta final dessa corrida? O último passo pendente do processo é a aprovação dos termos da privatização pelo Tribunal de Contas do Estado, incluindo a definição do preço mínimo.

Assim como aconteceu com a privatização da Eletrobras, o preço mínimo não será revelado publicamente. Mas expectativa do Itaú BBA é de que fique acima do valor patrimonial da companhia, que encerrou o ano em R$ 7,70.

"Enxergamos esse como um dos principais riscos do negócio: se o preço mínimo for muito alto, pode não haver demanda suficiente", escreveram os analistas, em relatório a clientes.

Benefícios superam os custos

A conta para passar às mãos da iniciativa privada também não será pequena. A Copel terá de desembolsar R$ 3,7 bilhões para renovar as concessões das usinas, o que deve ocorrer logo após a oferta de ações que vai marcar a privatização.

Mas o Itaú acredita que os benefícios da Copel privatizada vão mais do que compensar os custos. Seja como for, os eventuais ganhos de eficiência devem ser bem menores do que no caso da Eletrobras.

"A administração da Copel já tem feito grandes esforços na redução de custos, principalmente por meio de programas de desligamento voluntário."

Por fim, nos cálculos dos analistas, a Copel privatizada pode reduzir os custos em R$ 570 milhões, o equivalente a 15% das despesas. Para efeito de comparação, na Eletrobras a estimativa é de uma economia de 50%.

Compartilhe

VISÃO DO GESTOR

Vem IPO pela frente? Nova janela de ofertas de ações deve abrir na B3 até o 2T25, mas Brasil ainda depende de 3 fatores

25 de junho de 2024 - 10:21

Para Fabio Nazari, do BTG Pactual, a bolsa brasileira poderá registrar grandes aberturas de capital em até 9 meses. Mas o que ainda está segurando o apetite por novos IPOs? Confira

O BRILHO DA DÍVIDA

A bolsa não tem um IPO desde 2021 — mas o mercado deu um jeito de continuar em movimento, afirma o CEO da B3

24 de junho de 2024 - 14:23

Para Gilson Finkelsztain, os ativos de crédito corporativo se tornaram o “destaque definitivo” de 2024 em meio à escassez de aberturas de capital na bolsa

MERCADOS HOJE

Ibovespa sobe com força e zera queda mensal na reta final de junho — mas ainda está longe de reverter perdas do ano

24 de junho de 2024 - 12:55

O destaque da manhã foi para o acordo firmado entre AliExpress e Magazine Luiza (MGLU3), que fez as ações da brasileira saltarem mais de 10%

FECHAMENTO DO MERCADO

Dólar supera os R$ 5,46: por que a moeda norte-americana voltou a subir e fechou no maior nível em quase dois anos

20 de junho de 2024 - 17:34

O dólar abriu o dia em queda, mas o alívio pós-decisão do Copom durou pouco e a moeda emendou o quinta pregão consecutivo de ganhos

GESTORAS

Studio Investimentos muda gestão de fundo após queda acumulada de mais de 30% no ano

20 de junho de 2024 - 16:57

A saída aconteceu pela necessidade de “alterar e reforçar a gestão” da família de fundos da casa, de acordo com a Studio, que tem R$1 bilhão sob gestão

(MAIS) DINHEIRO NO BOLSO

Os dividendos deste fundo imobiliário com mais de 40 mil cotistas devem subir nos próximos meses, segundo os cálculos da gestão

20 de junho de 2024 - 15:07

O SNCI11 já pagará proventos cerca de 5% maiores neste mês e, com um novo cenário macroeconômico traçado pelo mercado, a gestão espera dividendos ainda maiores

LADEIRA ABAIXO

Ações da rede social de Trump chegam a cair 15% hoje — o que explica a queda livre dos papéis?

20 de junho de 2024 - 14:11

A empresa que controla Truth Social perdeu US$ 2 bilhões em valor desde o início do mês; entenda o que está acontecendo com os papéis

AS QUERIDINHAS DA BAIXA RENDA

Cinco fatores por trás do otimismo com as ações de Direcional (DIRR3) e Cury (CURY3) — e qual delas é a favorita do Itaú BBA

20 de junho de 2024 - 13:21

O banco de investimentos revisou as suas estimativas para ambas as companhias e reforçou a visão positiva para o setor

MERCADOS HOJE

Lula não gostou, mas o mercado sim: após decisão de manter Selic em 10,5% e comunicado duro, Ibovespa salta 1% hoje

20 de junho de 2024 - 12:15

No mesmo horário, o dólar à vista era negociado próximo da estabilidade, ainda na faixa de R$ 5,40, reagindo ao cenário internacional

REPORTAGEM ESPECIAL

Taesa (TAEE11) e ISA Cteep (TRPL4): por que parte do mercado aposta na queda das ações preferidas dos “caçadores de dividendos”

20 de junho de 2024 - 6:18

Duas das principais transmissoras de energia do País, Taesa e ISA Cteep vêm recebendo desde o ano passado recomendações de “venda” de analistas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar