2022-03-07T06:32:14-03:00
Ricardo Gozzi
Camille Lima
PRIVATIZE-ME SE PUDER

De privatização a controle de preços: O que Lula, Bolsonaro, Moro, Ciro e Doria querem fazer com a Petrobras

Como de costume, com a eleição presidencial cada vez mais próxima, os candidatos já começaram a anunciar seus planos para a estatal — e as ideias se dividem

4 de fevereiro de 2022
13:18 - atualizado às 6:32
Placa Petrobras
Candidatos à presidência anunciam seus planos para a Petrobras caso sejam eleitos. Imagem: Shutterstock

Não existe ano eleitoral que se preze sem que os principais candidatos à presidência manifestem suas posições em relação à privatização da Petrobras.

Contra ou a favor? Tanto faz. Desde 1989, não se passou nenhuma eleição presidencial sem que o assunto entrasse na pauta dos candidatos.

Fundada pelo então presidente Getúlio Vargas em 1953, a Petrobras passou décadas como uma empresa exclusivamente estatal. Chegou à bolsa em 2000, quando foi lançado o IPO de PETR3, tornando-se então uma empresa de economia mista.

O que talvez mais tenha mudado com o passar dos anos é a quantidade cada vez maior de candidatos em posição de destaque defendendo que a petrolífera seja totalmente vendida à iniciativa privada.

Compilamos a seguir os comentários públicos mais recentes dos principais candidatos segundo as pesquisas disponíveis de intenção de voto.

Luiz Inácio Lula da Silva

Líder nas pesquisas, o ex-presidente Lula vem sinalizando a intenção de reverter a política de desinvestimentos — o eufemismo da moda para privatizações — da Petrobras.

Ele também parece disposto a usar seu capital político na busca por mudanças na atual política de preços da Petrobras.

“Nós não vamos manter o preço da gasolina dolarizado. É importante que o acionista receba seus dividendos quando a Petrobras der lucro, mas eu não posso enriquecer o acionista e empobrecer a dona de casa que vai comprar um quilo de feijão e paga mais caro por causa da gasolina”, declarou Lula recentemente.

Jair Bolsonaro

Em segundo lugar nas pesquisas, Bolsonaro assumiu a presidência prometendo levar a cabo o plano de seu então todo-poderoso ministro da Economia, Paulo Guedes, de privatizar tudo o que visse pela frente. Na prática, porém, a teoria foi outra.

O atual governo conseguiu levar adiante a alienação da participação da Petrobras na BR Distribuidora, atual Vibra, e vender a Refinaria Landulpho Alves (RLAM) para o fundo de investimentos Mubadala Capital.

Simultaneamente, Bolsonaro viu-se às voltas com uma disparada dos preços dos combustíveis. 

A situação se deve em grande parte à mudança na política de preços da Petrobras, levada a cabo pelo antecessor de Bolsonaro, Michel Temer. 

A atual política de preços de combustíveis privilegia a paridade com os preços internacionais do petróleo, o que é bom para os acionistas, mas complica bastante a vida dos consumidores nesses tempos de dólar alto e petróleo ainda mais caro.

Incomodado com as cobranças, Bolsonaro chegou a chamar a Petrobras de monstrengo, reclamou que a empresa “só dá dor de cabeça” e disse em diversas ocasiões que o governo estudava alguma forma de privatizá-la.

Sergio Moro

O ex-juiz Sergio Moro desponta como principal expoente entre os que buscam uma alternativa a Lula ou a Bolsonaro. Pré-candidato pelo Podemos, Moro vinha guardando silêncio sobre o tema. 

Afinal, seus críticos o acusam de ter usado a Operação Lava Jato como trampolim para a política. E o alvo principal da Lava Jato, cujas sentenças vêm sendo agora revertidas por causa da Vaza Jato, era a corrupção em altos postos da Petrobras.

No decorrer da semana, Moro rompeu o silêncio declarando-se a favor da privatização. 

“A Petrobras teve papel importante para o país, mas é uma empresa atrasada, que ainda vive da exploração do petróleo, um combustível que o resto do mundo já não está mais usando. Hoje estamos discutindo outras formas de energias limpas, mais ambientalmente corretas, energias limpas como a energia solar", disse ele.

João Doria

O governador de São Paulo, João Doria, é outro pré-candidato abertamente favorável à privatização da Petrobras. Ele afirma inclusive ter uma estratégia para a venda.

Caso seja eleito, Doria promete fatiar a Petrobras em três ou quatro empresas diferentes antes de oferecê-la à iniciativa privada.

Cada uma dessas empresas teria donos diferentes e elas teriam que contribuir com um fundo de compensação para "uso de mercado", prosseguiu Doria.

Ciro Gomes

Ex-ministro nos governos Fernando Henrique e Lula, o pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, tem planos diferentes, caso vença a eleição.

“Esse lucro especulativo da Petrobras se transfere tudo para meia dúzia de acionistas minoritários que são banqueiros e seus sócios estrangeiros. Isso tudo vai acabar no meu governo”, afirmou o pré-candidato.

Ele disse também que pretende acabar com a paridade internacional de preços e fazer com que a Petrobras cobre um custo de produção no Brasil. Tudo isso para que o lucro da Petrobras mantenha-se em linha com os resultados das petroleiras internacionais.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies