🔴 ONDE INVESTIR EM DEZEMBRO? VEJA RECOMENDAÇÕES GRATUITAS

Cotações por TradingView
Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
NOVAS PROMESSAS

Biden está brincando com fogo? Presidente dos EUA diz que defenderia Taiwan de um ataque chinês — e Pequim não curtiu nem um pouco

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Pequim afirmou que os comentários de Biden enviaram um “sinal seriamente errado” às forças separatistas de Taiwan

China e Estados Unidos guerra
Imagem: Shutterstock

O xadrez geopolítico entre a China e os Estados Unidos segue a todo o vapor — e o presidente norte-americano Joe Biden acaba de mexer uma nova peça do tabuleiro, com novas promessas de reações a uma possível invasão chinesa a Taiwan.

Em entrevista à emissora norte-americana CBS no último domingo (18), Biden disse que as forças militares dos EUA entrariam em defesa de Taiwan no caso de um “ataque sem precedentes”.

O entrevistador Scott Pelley questionou o líder americano se a promessa significava que os soldados dos Estados Unidos defenderiam Taipé no caso de uma invasão de Pequim, ao contrário da situação atual na Ucrânia.

Novamente, os espectadores ouviram um “sim” do presidente.

Esta foi a primeira vez em que Joe Biden pareceu ir além da estratégia norte-americana de “ambiguidade” de longa data em relação a Taiwan.

Uma só China

Outra questão foi a posição dos Estados Unidos sobre a independência de Taiwan. Logo no começo da entrevista, Joe Biden afirmou que a terra do Tio Sam mantém o princípio de “Uma China”.

“Concordamos com o que assinamos há muito tempo. Há uma política de Uma China, e Taiwan faz seus próprios julgamentos sobre sua independência. Não estamos nos movendo – não estamos incentivando a independência. Essa decisão cabe a eles.”

Basicamente, a política determina que o país que mantiver relações com a República Popular da China deve reconhecer a existência de uma só China.

No caso, Taiwan é exatamente a peça que falta para que a China complete seu quebra-cabeça de reunificação. O rompimento aconteceu em 1949, e, desde então, Pequim reivindica Taiwan como seu território.

Atualmente, Taiwan é plenamente reconhecido por pouco mais de uma dúzia de países. Nem mesmo os EUA mantêm relações diplomáticas plenas com Taipé nem reconhece formalmente o governo.

Biden está brincando com fogo?

O presidente Joe Biden sabe que é impossível agradar a todos — mas parece ter cutucado a onça com um graveto bem curto.

Enquanto o Ministério de Relações Exteriores de Taiwan agradeceu ao chefe norte-americano por sua reafirmação do “compromisso de segurança sólido do governo dos EUA com Taiwan”, a China não gostou nada das falas de Biden.

Em uma entrevista coletiva nesta segunda-feira, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Pequim, Mao Ning, afirmou que os comentários de Biden enviaram um “sinal seriamente errado” às forças separatistas de Taiwan.

A porta-voz destacou que os Estados Unidos devem “compreender completamente a natureza extremamente importante e altamente sensível da questão de Taiwan e respeitar o princípio da China Única”.

Segundo Mao Ning, não fazer isso pode causar “mais danos às relações China e EUA e à paz e estabilidade” em Taipé. A representante ainda informou que a China se reserva o direito de tomar todas as medidas necessárias para combater o separatismo em Taiwan.

Clima tenso entre EUA e China

O relacionamento entre a China e os Estados Unidos está passando por um período conturbado e repleto de DRs — especialmente após a famigerada visita da presidente da Câmara norte-americana, Nancy Pelosi, a Taiwan no mês passado.

A visita de Pelosi aconteceu em um momento em que a relação estressante entre Washington e Pequim ganhava contornos militares.

A tensão subiu tanto que Pequim interrompeu as negociações climáticas e militares e passou a realizar os exercícios militares mais próximos de Taiwan em décadas. 

Enquanto isso, a Marinha dos Estados Unidos aumentou sua presença nos mares da região.

A última vez que um oficial norte-americano de escalão equivalente ao de Nancy Pelosi havia visitado Taiwan foi em 1997, quando o presidente da Câmara na época, Newt Gingrich, visitou a ilha e as relações entre EUA e China eram mais amenas. 

Leia também:

Anúncios de Biden podem prejudicar Taiwan?

Os governantes de Taiwan parecem extasiados com as novas promessas de apoio feitas por Joe Biden. Acontece que, segundo especialistas, o “tiro” do presidente dos Estados Unidos pode sair pela culatra.

“A preocupação é que isso acentue o atual momento de alta tensão de Taiwan, em vez de reduzi-lo”, disse Lev Nachman, professor assistente da Universidade Nacional de Chengchi. 

O professor explica que, apesar de esta não ter sido a primeira vez em que Biden tenha feito promessas do tipo, o atual contexto preocupa ainda mais, especialmente por conta dos recentes exercícios militares chineses no Estreito de Taiwan.

Em maio, o presidente respondeu positivamente quando perguntado se os EUA estavam preparados para se “envolver militarmente” se necessário. 

Logo, a Casa Branca esclareceu que Biden queria dizer que o país forneceria equipamentos militares a Taiwan, não enviaria tropas para defender Taipei caso a China decidisse atacar.

Na época, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Mao Ning, afirmou que o país estava  “fortemente insatisfeito” e se opunha fortemente aos comentários de Joe Biden.

Cerca de dois meses depois, o presidente chinês, Xi Jinping, disse ao líder norte-americano que “aqueles que brincam com fogo perecerão por ele”.

*Com informações de CNBC e Bloomberg

Compartilhe

TOC TOC TOC

A rara visita de Putin ao Oriente Médio: por que o presidente da Rússia foi bater na porta dos países árabes

6 de dezembro de 2023 - 19:32

Putin fez poucas incursões para além das fronteiras da Rússia nos últimos meses — por isso, essas visitas destacam a importância dos países árabes para as relações internacionais do Kremlin

ERA UMA VEZ UM GIGANTE

O dia do acerto de contas chegou? A previsão do FMI para a China coloca a segundo maior economia do mundo em xeque

6 de dezembro de 2023 - 18:45

A chefona do Fundo apresentou nesta quarta-feira (6) uma projeção de crescimento para Pequim, mas fez uma ressalva importante

ELEITA PELA TIME

Personalidade do Ano de 2023: Taylor Swift bate novo recorde — desta vez fora dos palcos da The Eras Tour

6 de dezembro de 2023 - 15:01

A artista também se tornou a primeira mulher a aparecer duas vezes na capa da Pessoa do Ano desde o início da seleção, há 96 anos

FIM DA CRISE

Blackpink volta a movimentar bolsa de Seul; ação de gravadora dispara com anúncio de renovação de contrato

6 de dezembro de 2023 - 13:05

Crise entre o grupo de k-pop BLACKPINK e a gravadora YG Entertainment vinha mexendo com as ações da Coreia desde julho, com a aproximação do fim do contrato da banda

O GRANDE ENCONTRO

Posse de Milei na Argentina: Bolsonaro e seu clã confirmam presença — será que Lula também vai estar lá?

5 de dezembro de 2023 - 18:26

Petista se manifesta oficialmente sobre a ida a Buenos Aires em 10 de dezembro, quando o novo presidente argentino assume a Casa Rosada

EVASÃO FISCAL

Conspiração bilionária: saiba como um grande banco suíço escondia US$ 5,6 bilhões em dinheiro de contribuintes dos EUA

4 de dezembro de 2023 - 19:45

A punição, no entanto, será bem mais branda do que o valor escondido pela divisão bancária do Grupo Pictet, que tem mais de 200 anos de história; confira

SIMULADO

Putin passou no teste? Líder russo fica cara a cara com o “botão nuclear”, mas não aperta

4 de dezembro de 2023 - 17:51

O chefe do Kremlin chegou a instalar mísseis nucleares táticos em Belarus e mudou a posição da Rússia em relação a dois importantes tratados de armas

‘HALL OF SHAME’

Os “bilionários da vergonha”: Forbes cria lista de ricaços suspeitos com menos de 30 anos — e um deles pode ser condenado a 115 anos de cadeia

4 de dezembro de 2023 - 16:10

A Forbes destacou os nomes que já entraram na lista de “Under 30” e que tenham se tornado uma “vergonha” — seja por fraudes financeiras bilionárias ou outros motivos

É RECORDE!

Nem tudo o que reluz é ouro? Metal precioso atinge cotação recorde no mercado à vista — e analistas acreditam que o preço vai continuar subindo

4 de dezembro de 2023 - 10:06

Tensões geopolíticas, queda dos juros nos EUA e tendência de baixa do dólar tendem a beneficiar o ouro nos próximos meses — e talvez anos

ELE DISSE O QUE PENSA

Powell responde à pergunta do milhão: o Fed vai finalmente cortar os juros nos EUA?

1 de dezembro de 2023 - 14:16

Enquanto o chefão do BC dos EUA falava, o Dow Jones seguia operando em alta, beirando os maiores níveis do ano, acompanhado de perto pelo S&P 500 e o Nasdaq — até o Ibovespa reagiu

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies