2022-04-01T20:08:23-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Balanço do mês

Ibovespa e títulos atrelados à inflação são os melhores investimentos de março; dólar, ouro e bitcoin são os piores. Veja o ranking completo

Fluxo estrangeiro puxou o Ibovespa e derrubou o dólar, enquanto queda nos juros futuros e na pressão inflacionária impulsionou NTN-Bs

31 de março de 2022
21:15 - atualizado às 20:08
Imagem: Shutterstock

Recuperando terreno na reta final do mês, os títulos públicos atrelados à inflação (Tesouro IPCA+ ou NTN-B), notadamente os de longo prazo, tiveram alguns dos melhores desempenhos de março.

Dividindo o pódio com os papéis do Tesouro Direto, como já esperado, a bolsa brasileira ocupa o segundo lugar no ranking dos melhores investimentos do mês, terminando o período com uma alta de 6,06%, aos 119.999 pontos. É... bateu na trave!

No ano, o Ibovespa acumula ganhos de quase 15%, sagrando-se, até agora, como o investimento mais rentável de 2022. O mesmo não pode ser dito dos títulos atrelados à inflação, porém, que vinham sofrendo fortes desvalorizações já há algum tempo.

Na ponta oposta do ranking, os únicos ativos que terminaram o mês de março com desempenho negativo foram o bitcoin, o ouro e o dólar. A moeda americana, que caiu quase 8% no mês e acumula perda de cerca de 15% no ano, terminou março a R$ 4,74, na cotação à vista, e R$ 4,76, na cotação PTAX, do Banco Central.

Em todos esses casos, porém, foi o fortalecimento da moeda brasileira ante o dólar que levou ao mau desempenho dos ativos em real. Em dólares, o bitcoin teve ganho de 2,63% em março, e o ouro ficou de lado. Já a moeda americana se valorizou levemente ante outras moedas fortes.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Veja a seguir os melhores e piores investimentos do mês de março:

Os melhores investimentos de março

InvestimentoRentabilidade no mêsRentabilidade no ano
Tesouro IPCA+ 20456,78%-5,22%
Ibovespa6,06%14,48%
Tesouro IPCA+ 20354,58%-1,38%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 20404,00%0,44%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 20323,60%-
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 20553,06%-0,84%
Índice de Debêntures Anbima - IPCA (IDA - IPCA)*3,02%3,26%
Tesouro IPCA+ 20262,93%3,18%
Índice de Debêntures Anbima Geral (IDA - Geral)*1,91%3,07%
IFIX1,42%-0,88%
Tesouro Selic 20250,90%2,68%
CDI*0,84%2,38%
Tesouro Selic 20270,73%2,83%
Tesouro Prefixado 20250,56%0,37%
Poupança antiga**0,50%1,69%
Poupança nova**0,50%1,69%
Tesouro Prefixado 20290,49%-
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 20330,46%-
Bitcoin-3,21%-16,16%
Ouro-4,89%-11,52%
Dólar à vista-7,65%-14,61%
Dólar PTAX-7,80%-15,09%
(*) Até dia 30/03. (**) Poupança com aniversário no dia 28.
Todos os desempenhos estão cotados em real. A rentabilidade dos títulos públicos considera o preço de compra na manhã da data inicial e o preço de venda na manhã da data final, conforme cálculo do Tesouro Direto.
Fontes: Banco Central, Anbima, Tesouro Direto, Broadcast e Coinbase, Inc..

Alívio nos juros futuros impulsiona Tesouro IPCA+

Com os juros futuros pressionados pela escalada da Selic, a perspectiva de aperto monetário nos Estados Unidos e depois pelo início da guerra na Ucrânia - que pressiona a inflação mundial e levou o mercado a esperar aumentos de juros ainda mais fortes pelos bancos centrais -, os títulos públicos atrelados à inflação e prefixados vinham apresentando desempenhos ruins, com queda nos seus preços de mercado.

Ao mesmo tempo, as taxas pagas por esses papéis aumentavam cada vez mais. No caso dos Tesouro IPCA+, beiraram os 6% ao ano mais inflação, em alguns vencimentos. Afinal, a alta dos juros futuros derruba os preços desses títulos, mas aumenta a rentabilidade paga pelas novas aplicações.

Na reta final de março, no entanto, os juros futuros mais longos passaram por um certo alívio com a queda do dólar no mercado internacional e a consequente redução das perspectivas inflacionárias.

O barril do tipo Brent ainda terminou o mês em alta, tendo saído da faixa dos US$ 100 para US$ 105 nesta quinta-feira (31). Porém, no pior momento do mês, em 23 de março, a cotação chegou a bater mais de US$ 120.

Apenas hoje, o recuo do preço da commodity foi de 6%, depois que os Estados Unidos anunciaram que vão utilizar suas reservas especiais para tentar conter os preços dos combustíveis.

A redução na perspectiva de inflação reduziu também a estimativa de aperto monetário por parte dos bancos centrais, derrubando os juros futuros.

Além disso, recentemente o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, sinalizou que a Selic só deve enfrentar mais uma alta de 1 ponto percentual, terminando seu ciclo de alta em 12,75%. Ou seja, a escalada dos juros parece mesmo estar chegando ao fim.

Ao mesmo tempo que agora a estimativa do mercado não é mais de um completo descontrole inflacionário, os preços ainda devem sim ficar pressionados por um bom tempo, mantendo os índices de preços elevados.

Assim, vimos os títulos que oferecem proteção contra a inflação valorizarem mais do que os prefixados, alternativas que se beneficiam mais de um cenário de inflação e juros futuros em queda.

Papéis mais longos, como é o caso das NTN-Bs que aparecem no topo do ranking, também são mais voláteis, subindo mais em momentos positivos, mas também recuando mais forte em momentos negativos.

No entanto, na maioria dos vencimentos oferecidos hoje no Tesouro Direto, as fortes altas de março ainda não foram suficientes para reverter o desempenho negativo no acumulado do ano.

Lembre-se, contudo, que os prejuízos com títulos públicos só são realizados se o investidor vender o papel antes do vencimento em um mau momento de mercado. Caso fique com ele até o fim do prazo, o investidor recebe exatamente a rentabilidade contratada na hora da compra.

Assim, tanto quem comprou esses títulos no começo do ano quanto quem comprar agora, ainda receberá, no vencimento, remunerações bastante elevadas. Veja quanto estão pagando os títulos públicos negociados no Tesouro Direto atualmente.

Fluxo estrangeiro segue impulsionando o Ibovespa e derrubando o dólar

Ainda que as cotações do petróleo tenham visto certo alívio no fim do mês e apesar dos temores em relação à atividade econômica da China, que ainda se debate com medidas de restrição contra o coronavírus, o fluxo de recursos estrangeiros para a bolsa brasileira continuou positivo em março, totalizando ingresso líquido de R$ 27 bilhões no mês. No ano, a entrada líquida de dinheiro gringo na B3 já chega a R$ 86,6 bilhões.

Atualização: no dia 1º de abril de 2022, a B3 informou que havia um erro na sua base de dados, e que o ingresso líquido de recursos estrangeiros na bolsa brasileira no ano até o fim de março na verdade totalizava R$ 64,1 bilhões. Leia mais detalhes a respeito aqui.

Os gringos que querem investir em mercados emergentes buscam economias com grande exposição a commodities, dada a pressão inflacionária mundial, ambiente que tende a ser positivo para as matérias-primas. Assim, encontram no Brasil, atualmente o mais estável e barato dos grandes emergentes, um mercado atrativo.

Embora as ações de algumas petroleiras do Ibovespa, como Petrobras e PetroRio, tenham visto desvalorizações em março, a maioria das grandes produtoras de commodities - e a maior parte das ações do índice em geral - terminaram o mês no azul. Em verdade, apenas 17 das 92 ações do índice tiveram desempenho negativo em março.

Em adição à questão das commodities, a perspectiva de término do ciclo de alta de juros em breve, ainda que a Selic permaneça elevada por algum tempo, traz maior previsibilidade aos investidores e também favorece os ativos de risco.

O ingresso de recursos estrangeiros na bolsa é um dos responsáveis pela valorização do real ante o dólar, mas não só. A disparada recente da taxa Selic, enquanto o banco central americano mantém seu ritmo controlado de aperto monetário, aumentou fortemente o diferencial entre os juros dos dois países, o que torna os títulos públicos brasileiros bastante atrativos para os investidores estrangeiros que querem ganhos rápidos em mercados de taxas altas.

Veja a seguir as maiores altas e maiores quedas do Ibovespa em março:

Melhores desempenhos do Ibovespa

EmpresaAçãoVariação
SulAméricaSULA1138,58%
CVCCVCB332,99%
CognaCOGN325,66%
QualicorpQUAL324,81%
3R PetroleumRRRP323,52%
JHSFJHSF322,72%
GerdauGGBR421,64%
AssaíASAI320,80%
CemigCMIG420,65%
RumoRAIL320,52%
Fonte: B3/Broadcast

Piores desempenhos do Ibovespa

EmpresaAçãoVariação
EmbraerEMBR3-14,60%
BraskemBRKM5-7,40%
PetroRioPRIO3-7,36%
FleuryFLRY3-6,45%
AzulAZUL4-5,58%
UsiminasUSIM5-4,83%
MarfrigMRFG3-3,88%
UltraparUGPA3-3,08%
Petrobras ONPETR3-2,78%
HapvidaHAPV3-2,56%
Fonte: B3/Broadcast
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele