O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-07T11:40:29-03:00
Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
otimismo

Dólar a R$ 3,50? Gestora diz que queda da moeda para patamares mais baixos “não seria impensável”

Efeitos de longo prazo da guerra na Ucrânia podem levar o dólar a níveis vistos pela última vez em abril de 2018

7 de abril de 2022
11:40
Três moedas de um real sobre cédulas de dólar
Última vez que um dólar custou R$ 3,50 foi em abril de 2018 - Imagem: iStock

A queda recente do dólar tem gerado todo tipo de especulação sobre os rumos futuros do câmbio, algumas mais otimistas, outras mais pessimistas. A gestora Persevera está no primeiro grupo — e, talvez, esteja até um pouco otimista demais.

De acordo com a Persevera, o atual cenário pode levar o dólar a patamares próximos de R$ 3,50 nos próximos anos. 

Formada por ex-executivos do Bradesco e HSBC e com mais de R$ 400 milhões sob gestão, a Persevera é conhecida por posições fora do consenso. No início da pandemia, por exemplo, eles defenderam que o Banco Central reduzisse a Selic a zero.

A explicação começa nos efeitos de longo prazo da guerra na Ucrânia.

Guerra-> Inflação -> Juros -> Dólar

Conforme temos reportado no Seu Dinheiro, a guerra elevou as projeções de inflação, o que tem feito bancos centrais no mundo inteiro a elevar as taxas de juros. 

Nos EUA, ciclos de aperto monetário tendem a valorizar o dólar. No entanto, esse efeito é contrabalanceado em países exportadores de commodities, como nós. 

Os preços das commodities, tanto as hard (petróleo, minério, etc) quanto as soft (café, milho, trigo, etc) saltaram depois da invasão da Ucrânia pela Rússia. Isso ocorreu porque ambos os países são importantes exportadores desses produtos e, uma vez em guerra, a produção acaba sendo afetada.

No entanto, para o Brasil, isso significa superávit comercial, já que os preços elevados aumentam a receita proveniente das nossas exportações. E aí está também uma das explicações para o dólar ter cedido tanto no primeiro trimestre do ano.

Nesse cenário, a Persevera diz que “não seria impensável, portanto, que o dólar voltasse a patamares bem mais baixos nos próximos anos, talvez próximos a R$3,50”. A última vez que o dólar chegou a esse nível foi em abril de 2018.

De acordo com a gestora, comparando os ciclos de desvalorização da crise do coronavírus com o das eleições de 2022, no longo prazo, a moeda também extrapola movimentos de queda. 

“Por todos esses motivos, continuamos com visão bastante positiva para a moeda brasileira, detendo posições que variam taticamente entre 10% e 15% da carteira”, escreveu a Persevera em carta aos investidores.

Bolsa também tem potencial

Além da queda do dólar, a Persevera também acredita em valorização da bolsa brasileira. Com os investidores globais buscando ativos ligados a commodities no primeiro trimestre, o Índice Bovespa apresentou uma recuperação importante.

Ao mesmo tempo, as expectativas de resultados aumentaram ainda mais, segundo a Persevera. Para a gestora, o mercado de ações continua com múltiplos próximos das mínimas dos últimos anos.

Selic alta, PIB fraco

Para os juros, as projeções da Persevera são de que o BC deve mesmo elevar a Selic pela última vez em maio, a 12,75%. A previsão está em linha com o que diz o próprio BC, mas diverge da posição de boa parte dos analistas, que acreditam numa dose adicional de aperto.

“Com isso, a autoridade monetária terá implementado uma elevação de pelo menos 10,75 pontos percentuais, que certamente levará a uma contração econômica com fortes efeitos sobre a inflação”, diz a Persevera.

Leia também:

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

CVM recua e libera distribuição de dividendos do fundo imobiliário Maxi Renda FII (MXRF11) com base no ‘lucro caixa’ — relembre o caso

A xerife do mercado de capitais reconheceu “a existência de obscuridade e contradição” na decisão original

Superou o trauma? Bitcoin (BTC) segue no patamar de US$ 30 mil; saiba se a maior criptomoeda do mundo sustentará esse nível

BTC terá também que superar os críticos às moedas digitais, que não pouparam esforços para injetar ainda mais medo nesse mercado já extremamente desorientado

CEO do JP Morgan leva cartão vermelho de acionistas e pode ficar sem bônus milionário, entenda a decisão rara

A desaprovação foi a primeira desde que o conselho do banco norte-americano enfrentou um voto negativo sobre compensações desde que as regras foram introduzidas, há mais de uma década

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Hapvida, Magazine Luiza e Nubank tombam, mas Ibovespa fecha o dia no azul; confira os destaques desta terça-feira

O maior apetite ao risco e a expectativa de manutenção no ritmo de alta no juro nos Estados Unidos ajudou o Ibovespa, que teve um dia de ganho

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sustenta alta após susto inicial com Powell; dólar cai abaixo dos R$ 5

O Ibovespa fechou o dia longe das mínimas, mas o dólar caiu 2% com o apetite por risco no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies