🔴 RENDA MÉDIA DE ATÉ R$238,02 POR DIA COM APENAS 4 CLIQUES – SAIBA COMO

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
PDVSA EM DESTAQUE

Adeus, dólar: Com sanções de volta, Venezuela planeja usar criptomoedas para negociar petróleo

O país liderado por Nicolás Maduro vem utilizando o Tether (USDT), a terceira maior criptomoeda do mundo, para vender petróleo desde o ano passado

Renan Sousa
Renan Sousa
23 de abril de 2024
11:12 - atualizado às 15:09
Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, com uma bandeira do país atrás e uma gota de petróleo
Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, com uma bandeira do país atrás e uma gota de petróleo - Imagem: Divulgação / Montagem Seu Dinheiro

Nações por todo planeta tentam se livrar da hegemonia do dólar norte-americano utilizando das mais variadas formas e pelos mais variados motivos. Nesse cenário, a Venezuela vem gradualmente deixando de lado a moeda dos Estados Unidos e utilizando criptomoedas nas negociações de petróleo com o resto do mundo. 

A verdade é que não é bem um abandono total do dólar. De acordo com matéria publicada pela Reuters na última segunda-feira (22), o país liderado por Nicolás Maduro vem utilizando o Tether (USDT), a terceira maior criptomoeda do mundo, para vender petróleo desde o ano passado, porém em menor escala. 

O Tether é de de uma classe específica de criptomoedas, as chamadas stablecoins — ou, em resumo, moedas virtuais que possuem lastro e, no caso do USDT, paridade com o dólar norte-americano. 

Em outras palavras, a Venezuela vem usando um “dólar virtual” para fazer as negociações de petróleo com outros países. E esse movimento tem se intensificado após os Estados Unidos voltarem a levantar sanções econômicas contra o país.

  • Quem investiu apenas R$ R$ 3.500 em uma criptomoeda ANTES do último halving ficou milionário… Agora, uma nova lista com o mesmo potencial foi liberada com um único objetivo: te fazer ficar milionário investindo pelo menos R$ 500 em cada ainda neste ciclo de alta. Confira mais detalhes aqui.

Venezuela, petróleo e criptomoedas

O medo da Venezuela é de que, ao utilizar moedas tradicionais no contexto das sanções impostas pelos EUA, as receitas da venda do petróleo sejam bloqueadas nas contas estrangeiras do país.

Em outubro do ano passado, o país liderado por Joe Biden afrouxou regras para importação do petróleo venezuelano. A medida, porém, valia apenas por seis meses, tendo terminado no final de março. 

Com criptomoedas, impedir o acesso às carteiras virtuais (wallets) é mais difícil. Vale lembrar que o Tether é emitido por uma empresa de mesmo nome e que não tem ligação direta com o Tesouro dos Estados Unidos, o que dificultaria alguma sanção imediata.  

"Temos várias moedas diferentes [para negociar petróleo], de acordo com o que está previsto em contrato", disse o ministro do Petróleo venezuelano, Pedro Tellechea, à Reuters, na semana passada.

Ele ainda afirmou que, em alguns contratos, as criptomoedas podem ser o método de pagamento preferido. Tellechea não deixou claro o porquê, mas as transações quase anônimas das moedas virtuais podem ser uma pista. 

O passado do petróleo na Venezuela

Em 2023 houve um escândalo de corrupção envolvendo a Petróleos de Venezuela, ou apenas PDVSA, como é mais conhecida a estatal que explora a commodity por lá.  

Foram descobertos cerca de US$ 21 bilhões em recebíveis não contabilizados de exportações de petróleo nos últimos anos. Algumas dessas transações envolviam também a utilização de criptomoedas. 

Na mesma época, Tellechea assumiu o Ministério do Petróleo da Venezuela, e os EUA retiraram sanções para a importação de petróleo do país — tendo em vista os conflitos com grandes países produtores, como Rússia e nações do Oriente Médio. 

O resultado foi visto neste ano: as exportações atingiram cerca de 900 mil barris por dia em março, o maior valor em quatro anos.

Migração lenta — mas contínua

A PDVSA também passou a exigir que os novos clientes que queiram negociar com a Venezuela tenham criptomoedas em uma carteira digital. Até mesmo alguns contratos antigos estão sendo alterados para utilizar o USDT.

Porém, para fazer essas negociações, são necessárias parcerias com intermediários, como corretoras (exchanges) ou outras plataformas de cripto. E parte das sanções dos EUA atinge esses entes, o que dificulta a ampliação do uso de USDT.

Assim, a Venezuela praticamente não consegue negociar diretamente com grandes consumidores, como a China. 

  • VEJA TAMBÉM - POR QUE A CHINA FARIA DE TUDO PARA O CONFLITO NO ORIENTE MÉDIO NÃO ESCALAR?

Além da Venezuela: quem negocia petróleo sem dólar

Aqui no Seu Dinheiro nós já fizemos uma sequência de matérias sobre a hegemonia do dólar norte-americano como principal moeda para transações do planeta. Aqui você pode ler as partes quatro, três, dois e um.

Essa “majestade” do dólar começou no fim da Segunda Guerra Mundial e se estendeu até a suspensão da Rússia do Swift, o sistema de pagamentos internacional — e aí tudo começou a ir pelo ralo.Desde então, até mesmo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se tornou uma das vozes mais ativas contra a hegemonia do dólar.

Em visita à China, ele reforçou à época a necessidade de uma moeda comum para trocas comerciais dos BRICS, o bloco de países em desenvolvimento mais importante do mundo.

  • [Relatório cortesia da Empiricus Research] Estrategista-chefe da casa libera conteúdo com recomendações de investimento e comentários sobre o cenário macro. Veja o que Felipe Miranda tem a dizer sobre Israel-Irã, dólar, juros nos EUA e meta fiscal, clicando AQUI.

Compartilhe

INVESTIMENTO EM TECNOLOGIA

China cria fundo multibilionário para desenvolver cadeia própria de semicondutores e enfrentar os EUA

27 de maio de 2024 - 10:22

Esse montante marca a terceira fase do chamado Fundo de Investimento da Indústria de Circuitos Integrados da China e representa o dobro do total levantado nas fases anteriores

DÊ O PLAY!

Javier Milei já conseguiu avançar muito na Argentina — mas os últimos cortes deixaram a ‘faca’ do presidente cega?

25 de maio de 2024 - 11:00

Esse foi o tema do mais recente episódio do Touros e Ursos, o podcast do Seu Dinheiro, que contou com a presença do nosso colunista, Matheus Spiess

AYUDA, HERMANOS

A motosserra de Milei ficou sem combustível? Entenda por que o dólar voltou a bater máximas na Argentina — e por que isso já era esperado

23 de maio de 2024 - 12:55

Ao mesmo tempo em que o mercado aumentou o apetite por dólares, Javier Milei, o presidente do país, virou capa da revista Time

VAI VOLTAR A SUBIR?

Ata do Fed joga balde de água fria nas bolsas — entenda o que acabou de vez com o apetite por risco dos investidores hoje

22 de maio de 2024 - 16:04

Dirigentes do Fed estão descontentes com o ritmo da queda da inflação nos EUA e veem juros no atual nível por mais tempo

REI CHARLES AUTORIZOU

Primeiro-ministro dissolve o Parlamento e antecipa as eleições gerais no Reino Unido

22 de maio de 2024 - 14:44

Assim, os deputados perdem o seu mandato e agora precisam fazer campanha para a reeleição se quiserem continuar

EL PELUCA

Seis meses de Javier Milei: como está a Argentina hoje para o investidor — e para o viajante — após novo presidente assumir? 

22 de maio de 2024 - 6:20

Desde que assumiu, Milei colecionou algumas vitórias e derrotas no seu primeiro semestre de gestão; conheça algumas delas e saiba se a Argentina ainda é um destino turístico atrativo, do ponto de vista financeiro

NÃO DEIXOU BARATO

Na mira de Xi Jinping: China impõe sanções à Boeing e mais duas empresas dos EUA por venda de armas a Taiwan

20 de maio de 2024 - 19:22

A medida é a mais recente de uma série de sanções anunciadas pelo Gigante Asiático nos últimos anos contra companhias pelo fornecimento de armamento a Taipé

INTERNACIONAL

Presidente do Irã morre em queda de helicóptero; aiatolá já decidiu quem será o sucessor

20 de maio de 2024 - 7:53

Além de Ebrahim Raisi, seu ministro das Relações Exteriores e mais 7 pessoas morreram no incidente, ocorrido no norte do Irã

LOBBY DE BANCOS

CEO do JP Morgan levou outros presidentes de bancos para pressionar Federal Reserve por normas mais frouxas

19 de maio de 2024 - 16:47

Agora, o Fed e dois outros reguladores querem um novo plano, que reduziria o aumento obrigatório de capital — de quase 20% — para os maiores bancos dos EUA

NO ORIENTE MÉDIO

Membro do gabinete de Guerra de Israel ameaça pedir demissão caso não haja plano para conflito em Gaza

19 de maio de 2024 - 14:55

Benny Gantz reconheceu o impacto prejudicial que a guerra está tendo sobre os civis, mas insistiu que a “decisividade” é necessária

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar