🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-06-23T12:59:01-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
DE NOVO NÃO!

Site da terceira maior criptomoeda do mundo sofre ataque hacker; stablecoin Tether (USDT) tenta manter paridade com o dólar

Além do Tether, outra stablecoin também está no radar dos investidores e reacendeu os medos de uma “nova Terra” desaparecer

21 de junho de 2022
11:57 - atualizado às 12:59
Entenda por que o ataque é perigoso para as criptomoedas e para a stablecoin tether (USDT)
Entenda por que o ataque é perigoso para as criptomoedas e para a stablecoin Tether (USDT). Imagem: Shutterstock

O mercado de criptomoedas tem enfrentado dias difíceis em relação à segurança dos tokens. No mais recente episódio relacionado, o portal oficial da Tether (USDT), maior stablecoin do mundo e terceira maior moeda digital do planeta, sofreu um ataque hacker no final da última segunda-feira (20).

Esse tipo de ataque, chamado DDOS, é comum principalmente no caso de criptomoedas que tentam otimizar a escalabilidade da rede. Também é chamado de “investida de múltiplos acessos”, pois os criminosos simulam um congestionamento dos sites ou canais de comunicação — e chegam até mesmo a tirar blockchains do ar.

Felizmente, de acordo com o CTO da Tether, Paolo Ardoino, apenas o site teve um congestionamento. A rede da stablecoin USDT não foi afetada. Até o início da manhã de hoje, o portal ainda continha um aviso de “under attack” (“sob ataque”, em inglês), mas ele foi retirado no decorrer do dia.

Por que o ataque ao site gera preocupação?

De modo geral, os portais das criptomoedas são utilizados para fazer a conexão com as blockchains e facilitar as negociações dos clientes que não têm contas em corretoras de cripto (exchanges).

Um ataque a esses sites poderia reduzir o volume e o valor negociado por essas criptomoedas, derrubando as cotações — além de, é claro, poder comprometer a segurança dos tokens dos investidores.

Tether (USDT): a crise das stablecoins se amplia

Desde a crise do protocolo Terra (LUNA), que culminou na criação da Terra 2.0, as stablecoins têm sofrido de diversas maneiras. Mas a principal delas é a perda da paridade (ou “peg”, no jargão do mercado) com o dólar, no caso das stablecoins lastreadas na moeda americana.

Recapitulando, essas criptomoedas geralmente têm lastro em moedas fiduciárias, como dólar, real ou euro. Ainda existe a classe das stablecoins lastreadas em commodities, como o ouro ou outros metais preciosos.

Stablecoins: nem tão “stable” assim

Os problemas com a Terra (LUNA) foram resolvidos, mas deixaram suas marcas. Isso porque o desaparecimento da stablecoin do tipo algorítmica TerraUSD (UST) colocou em xeque esse modelo de criptomoedas.

Algumas stablecoins conseguiram se recuperar, mas outras, como a USDD (USDD), da Tron (TRX) — uma das stablecoins algorítmicas que sobreviveu ao baque do mercado em um primeiro momento — e o próprio Tether, seguem relativamente instáveis.

Há mais de um mês o USDT está abaixo de US$ 1,00 — justiça seja feita, o Tether perde nas casas decimais, valendo cerca de US$ 0,9991. Alguns analistas entendem que não passa de um “ajuste”, tendo em vista que as cotações do Coin Market Cap e outros agregadores representam uma média de preços negociados nas blockchains e corretoras.

O que acontece com a stablecoin USDD?

Mas o caso da USDD é mais grave: essa stablecoin do tipo algorítmica é negociada a US$ 0,9743, uma diferença significativa. A Tron, empresa por trás da emissão da USDD, vem injetando milhões de dólares para manter a paridade da criptomoeda com a moeda americana, sem muito sucesso.

De acordo com a página oficial que acompanha o tesouro da USDD, essa stablecoin tem um lastro 300% maior do que o necessário. Isso significa que existe mais dinheiro em caixa do que tokens em circulação para garantir a paridade com o dólar.

A empresa por trás da emissão da USDD alega que o mercado vive um momento de FUD (sigla em inglês para medo, incerteza e dúvida), e por isso sua criptomoeda é penalizada.

Uma nova Terra? Stablecoin algorítmica ameaçada

Seja como for, os investidores permanecem atentos aos movimentos da USDD. Vale lembrar que a TerraUSD também era uma stablecoin algorítmica e foi o estopim para a crise do protocolo.

O desaparecimento da Terra (LUNA) foi um dos motivos que levou o mercado global de criptomoedas a uma queda de 25% no último mês.

Papo Cripto #021 — Pânico no mercado cripto: o que fazer agora?

O convidado desta semana do Papo Cripto é o analista de criptomoedas da VG Research, Felipe Fernandez. Ele dá dicas de onde e em quais projetos investir no momento de queda do mercado. Aperte o play!

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Fraqueza nos números

Entrega de veículos da Tesla (TSLA34) recua no segundo trimestre e vem abaixo da expectativa do mercado

Apesar do crescimento das vendas na comparação anual, houve uma queda em relação ao trimestre anterior

Mais uma vítima

Após tomar calote do 3AC, exchange Voyager Digital suspende saques, depósitos e negociações de clientes

Corretora de criptomoedas tomou calote de mais de US$ 670 milhões, mas, apesar de ter tomado empréstimos, precisou paralisar atividades

Bancões na área

Vão sobrar uns cinco ou dez bancos digitais, e o Next está entre eles, diz CEO do banco digital do Bradesco

Renato Ejnisman diz ainda que Next visa a mais aquisições e pensa ainda em internacionalização

No vermelho

Magazine Luiza (MGLU3) é a ação com o pior desempenho do Ibovespa no primeiro semestre de 2022; outras varejistas e techs também sofreram no período

Com queda acumulada de quase 70% no ano, ações do Magalu são as piores do Ibovespa no semestre que acaba de terminar

Proteção

Qual título público comprar no Tesouro Direto? Santander recomenda papel indexado à inflação para o mês de julho; veja qual

Recomendação do banco para o Tesouro Direto visa proteção contra a inflação e possibilidade de valorização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies