🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-05-30T16:07:43-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
DÉJÀ VU

Por que a rede Tron (TRX) está sendo chamada de “nova Terra (LUNA)”? Projeto cresceu 45% em um mês e aumenta tensão no mercado de criptomoedas

Investidores têm comparado as duas redes, mas elas guardam diferenças significativas entre si

30 de maio de 2022
16:07
Criptomoeda tron (TRX)
Entenda os motivos que levaram o mercado a ficar assustado com a Tron (TRX)Imagem: Shutterstock

O mercado de criptomoedas mal saiu da crise envolvendo a Terra (LUNA) — que ganhou uma repaginada total no último sábado (27) — e já sente os ventos de outra tempestade chegando. Estamos falando da terceira maior rede em finanças descentralizadas (DeFi) do planeta, a Tron. 

A comparação tem certo fundamento: a Tron Network possui um token (criptomoeda) nativo, o Tron (TRX), e uma stablecoin do tipo algorítmica USDD (USDD) — entenda mais sobre stablecoins aqui. Ambos são geridos por pela Tron DAO, a organização autônoma descentralizada (decentralized autonomous organization) da rede.

Para quem não se lembra, a Terra Network também tinha o token Terra (LUNA) — agora chamado de Terra Classic (LUNC) — e a stablecoin TerraUSD (UST), que desapareceu após o renascimento da rede

Tron, a Terra já contou essa história antes…

Diferentemente da antiga rede da Terra — focada no desenvolvimento de aplicativos descentralizados (DApps) —, a Tron é uma blockchain focada em finanças descentralizadas.

Recentemente, o protocolo se tornou o terceiro maior do mundo, perdendo apenas para o ethereum (ETH) e a rede da Binance, a Binance Smart Chain (BSC), somando US$ 5,93 bilhões em contratos on-chain

Fonte: DeFi Llama

O número é bem relevante, ainda mais quando levamos em conta que o projeto teve alta de 45% e atingiu esse montante em apenas um mês. Um desempenho que traz paralelos com o da Terra (LUNA), que também teve um salto expressivo nos últimos meses antes de desabar. 

E o método de crescimento “anabolizado” da Terra e do Tron

A maneira como a rede cresceu também foi parecida com o que levou o protocolo Terra para o buraco. Recapitulando: a Terra Network realizava pagamentos por staking — uma espécie de dividendos em criptomoedas — por meio da rede Anchor. 

De modo simplificado, o investidor pode emprestar suas criptomoedas e stablecoins para a rede e receber um pagamento por isso. As taxas podem variar, mas tanto a Terra quanto a Tron oferecem pagamentos astronômicos, na casa dos 20% ao ano.

Isso obviamente faz os olhos dos investidores brilharem, por se tratar de uma renda passiva relativamente segura, garantida pelo código da rede, dentro do universo das criptomoedas.

O tempo que cada uma levou para crescer

Vale ressaltar que a Terra Network foi oficialmente lançada em 2019 e, com pouco menos de três anos de vida, já era um dos maiores protocolos do mundo. O crescimento vertiginoso da primeira blockchain da Terra contou com falhas e pagou seu preço por isso.

Por outro lado, a Tron, lançada dois anos antes, é a 13ª maior criptomoeda do mundo com pouco menos de 5 anos de existência. Além disso, os criadores da Tron preferiram optar por ampliar a rede de maneira mais contida, focando menos na escalabilidade e mais na solidez do projeto. 

O que levou a Terra a desaparecer

As stablecoins do tipo algorítmicas são geridas por código e, ao invés de serem lastreadas em moedas como dólar, euro ou real, seu preço é segurado por outra criptomoeda. 

Quando a Terra (LUNA) passou a cair, o lastro da TerraUSD começou a perder valor. Para manter a paridade com o dólar, foram emitidas mais criptomoedas LUNA — e aí impera a lei do mercado: mais oferta, o valor cai ainda mais.

Essa “espiral da morte” desestabilizou o protocolo, e ambas criptomoedas entraram em queda livre. Os próprios desenvolvedores afirmam que se trata de um ataque hacker à rede Terra, mas alguns analistas entendem que foi um ataque coordenado, não necessariamente de sequestro de dados ou desestabilização do código do protocolo. 

E o mesmo pode acontecer ao Tron?

O risco de um projeto em criptografia desaparecer sempre existe — vide os bilhões de dólares perdidos com a LUNA, que chegou a ser uma das dez maiores criptomoedas do mundo.

Mas cada vez que o mercado de moedas digitais sofre um baque desses, os próprios desenvolvedores se organizam para tornar a rede mais segura, sólida e difícil de ser burlada, manipulada ou hackeada.

O exemplo do que aconteceu com a Terra USD (UST) ligou o sinal amarelo para as demais stablecoins algorítmicas, que correram para os laboratórios para fortalecerem seus projetos. Isso inclui a própria USDD (USDD) e outras stables do gênero, como a Dai (DAI), da MakerDAO, um dos principais protocolos de finanças descentralizadas atualmente. 

Em outras palavras, ficará cada vez mais difícil ver projetos grandes evaporarem sem muitas explicações. Mas, caso ocorra, vale lembrar que os analistas recomendam a alocação de até 5% do seu portfólio em criptomoedas de qualquer espécie.

PAPO CRIPTO #019 — Após a destruição, os próximos passos da Terra (LUNA)

Não perca o último Papo Cripto em que eu entrevisto Ray Nasser, CEO da Arthur Mining e especialista em moedas digitais:

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

NOITE CRIPTO

Na luta: bitcoin (BTC) opera em alta, mas performance não dá inveja; confira cotações

Apesar do avanço, o último mês foi o pior da história do bitcoin. A queda de 37,9% se consolidou como a mais terrível da história, desbancando maio de 2021, quando o recuo foi de 35,4%

PROBLEMAS FINANCEIROS

Tenda (TEND3) negocia com credores e consegue sinal verde para flexibilizar endividamento

Os detentores de debêntures da empresa aceitaram mudar os termos das dívidas em troca de garantias – e remuneração – extras

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

‘Pane’ nas exchanges, os limites para a Rússia e a queda do Ibovespa; confira os destaques do dia

Os corredores do mercado financeiro estavam mais silenciosos do que o habitual nesta segunda-feira (04).  Nos Estados Unidos, as bolsas em Wall Street ficaram fechadas devido ao feriado do Dia da Independência americana, mas parece que boa parte dos investidores brasileiros também deu uma esticadinha no fim de semana.  Sem Nova York e com o […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa cai abaixo dos 99 mil pontos em dia de baixa liquidez; dólar e juros sobem com petróleo

Sem Wall Street, o Ibovespa teve um dia de movimentação limitada. Apesar da alta do petróleo, o índice não conseguiu se consolidar em alta

ELEIÇÕES 2022

Quem é Maria Luiza Ribeiro Viotti, a primeira mulher a comandar o Itamaraty se Lula vencer as eleições?

A indicação de uma mulher para o Itamaraty contemplaria o movimento feminino na diplomacia, que ganhou força política no Congresso e foi incentivado por Amorim no passado; o Brasil nunca teve uma chanceler

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies