O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

Exile on Wall Street
Lais Costa
2022-04-22T11:18:19-03:00
EXILE ON WALL STREET

Como construir uma carteira vencedora em meio à inflação e à alta dos juros?

De acordo com o co-CIO gestora Bridgewater, Greg Jensen, a maioria dos portfólios não está preparada para um cenário inflacionário; a carteira de um investidor de longo prazo não pode ser um mero ato de fé

22 de abril de 2022
11:18
Imagem ilustrativa mostra guarda-chuva protegendo uma pilha de moedas, representando a inflação
Imagem: Shutterstock

A obra “O Auto da Compadecida”, do brilhante Ariano Suassuna, é um marco do teatro brasileiro. Composta por três atos, a peça mistura a cultura nordestina com a tradição religiosa católica, entrelaçadas com o humor crítico típico de seu autor.

Na história, a gaita de João Grilo, abençoada pelo “padim” padre Cícero, é capaz de ressuscitar os mortos. A promessa de “cura de ferimento de rifle” é atrelada ao som do instrumento musical, capaz de trazer de volta à esfera terrena a alma do corpo inerte.

O instrumento é, portanto, poderoso o suficiente para trazer à normalidade o sujeito que não é mais capaz de se ajudar.

A travessia espiritual

Além da ressurreição, o indivíduo ainda recebe a oportunidade de se encontrar com o santo milagreiro que abençoou o instrumento ao passar para o plano espiritual. 

Este é o real motivo do interesse do cangaceiro Severino no instrumento: fazer uma travessia espiritual segura, encontrar-se com o “padim” padre Cícero e garantir a volta à normalidade.

Atos de fé e a economia atual

Para se submeter a tal experiência, é necessário que alguém dê um tiro e que outro toque a gaita. São necessários, portanto, pelo menos dois atos de fé.

O primeiro, claro, no potencial sobrenatural do instrumento. O segundo, na habilidade musical e garantia do remanescente terrestre de tocar a bendita gaita. Arranjar alguém para dar o tiro não costuma ser o problema. Já tocar gaita...

Apesar de escrito em 1955, o auto dialoga com nossa atualidade, inclusive econômica.

Ao passo que a inflação permanece elevada em diversas economias, intensificam-se as discussões sobre como os bancos centrais tocarão as políticas econômicas daqui para a frente.

A inflação e a pandemia

É possível dividirmos essa problemática em três atos.

No primeiro, durante o pico da pandemia de Covid-19, impôs-se um freio muito forte na demanda de bens e, principalmente, serviços. Entretanto, também houve uma redução da oferta de diversos insumos. 

Ficou claro que a pandemia era altamente deflacionária, e a dúvida era se as autoridades seriam capazes de gerar liquidez suficiente aos mercados e se garantiriam que o dinheiro chegasse às pessoas em meio a uma economia praticamente paralisada.

Commodities e bens finais

No segundo ato, aproximadamente dois anos depois, pode-se dizer que os efeitos do coronavírus são deflacionários para uma série de insumos (matérias-primas) devido à política restritiva do governo chinês em relação ao número de novos casos da doença. 

Por outro lado, são bastante inflacionários para bens finais, por agravar gargalos de produção em meio a um excesso de liquidez no bolso das famílias.

A escalada da inflação e a alta dos juros

A dúvida hoje é se, em um contexto geopolítico bastante desafiador devido ao conflito entre a Rússia e a Ucrânia, haverá também habilidade das autoridades em tocar os instrumentos em mão para retornarmos à normalização dos preços sem uma recessão da atividade global.

Nos EUA, o presidente do Fed, Jerome Powell, reconheceu ontem durante evento do FMI que uma alta dos juros de 50 pontos-base na próxima reunião é possível, em linha com o que o mercado vem precificando há algum tempo. 

O mercado também precifica uma convergência da inflação de volta para um patamar próximo a 2,5% por lá, apesar da taxa de desemprego nas mínimas históricas e dos juros ainda longe do neutro.

Neste caso, também é preciso acreditar que os instrumentos monetários são poderosos o suficiente para trazer-nos de volta à normalidade das últimas décadas.

Um portfólio robusto para suportar o cenário de inflação

No terceiro ato, que vem logo em seguida, a real preocupação deveria ser a construção de um portfólio suficientemente robusto para suportar “tiros de rifle” ou inaptidões musicais.

De acordo com o co-CIO da renomada gestora Bridgewater, Greg Jensen, a maioria dos portfólios não está preparada para um cenário inflacionário em que a trajetória dos juros precificada hoje seja insuficiente para a conversão dos índices inflacionários de volta às suas metas.

Isso porque, nesse ambiente, a descorrelação histórica entre as classes de ações e de bonds é praticamente perdida — ou seja, ações e títulos de renda fixa caem juntos, potencializando as perdas do investidor. 

Além disso, os ativos que devem performar bem nesse cenário inflacionário atual, como as commodities, são pouco encontrados nas carteiras dos investidores.

O sucesso da carteira em ativos alternativos a longo prazo

O portfólio de um investidor de longo prazo, contudo, não pode ser um mero ato de fé. É necessário um constante estudo sobre a fragilidade e a suscetibilidade de nossas convicções.

Por isso, nós da equipe Os Melhores Fundos de Investimento montamos uma carteira com posições estruturais e táticas em ativos alternativos, como commodities, private equity, hedge funds e criptoativos, além dos melhores fundos de ações e renda fixa do Brasil e do mundo: o FoF Melhores Fundos Blend, da Vitreo. Nela investimos grande parte dos nossos recursos pessoais.

A verdade é que não existem instrumentos milagrosos no processo de investimento, mas é possível ter um portfólio afinado com seu perfil de investimento e seus propósitos de longo prazo.

A única garantia é que haverá tiro, resta saber quem realmente toca gaita.

Um abraço,
Laís

Leia também:

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

CVM recua e libera distribuição de dividendos do fundo imobiliário Maxi Renda FII (MXRF11) com base no ‘lucro caixa’ — relembre o caso

A xerife do mercado de capitais reconheceu “a existência de obscuridade e contradição” na decisão original

Superou o trauma? Bitcoin (BTC) segue no patamar de US$ 30 mil; saiba se a maior criptomoeda do mundo sustentará esse nível

BTC terá também que superar os críticos às moedas digitais, que não pouparam esforços para injetar ainda mais medo nesse mercado já extremamente desorientado

CEO do JP Morgan leva cartão vermelho de acionistas e pode ficar sem bônus milionário, entenda a decisão rara

A desaprovação foi a primeira desde que o conselho do banco norte-americano enfrentou um voto negativo sobre compensações desde que as regras foram introduzidas, há mais de uma década

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Hapvida, Magazine Luiza e Nubank tombam, mas Ibovespa fecha o dia no azul; confira os destaques desta terça-feira

O maior apetite ao risco e a expectativa de manutenção no ritmo de alta no juro nos Estados Unidos ajudou o Ibovespa, que teve um dia de ganho

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sustenta alta após susto inicial com Powell; dólar cai abaixo dos R$ 5

O Ibovespa fechou o dia longe das mínimas, mas o dólar caiu 2% com o apetite por risco no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies