🔴 [TESTE GRÁTIS] 30 DIAS DE ACESSO A SÉRIE RENDA IMOBILIÁRIA – LIBERE AQUI

E o Oscar de melhor fundo no curto prazo vai para…

Nas crises, o investidor inteligente é aquele que sobrevive. Para isso, deve-se preferir a consistência de bons retornos à raridade de desempenhos excepcionais

22 de julho de 2022
13:26
1920x1080 Matéria WebStory Oscar
Imagem: Shutterstock

Desde 2008, tenho o hábito de avaliar todo filme a que assisto.

De imediato, para capturar a opinião nua e crua, sem dar tempo de qualquer discussão técnica sobre os efeitos especiais dos blockbusters ou filosófica sobre as reflexões dos mais cults.

É claro que não há uma fórmula mágica para garantir que um filme receba nota alta – e seria loucura esperar isso de uma expressão artística, que toca cada um de forma diferente.

Mas, após mais de 1.000 filmes nesses 14 anos, consigo identificar certos padrões.

Os novos padrões 

Personagens narradores, linhas do tempo não-lineares, trilhas sonoras marcantes, dilemas existenciais e anti-heróis de moral questionável estão presentes em várias “notas 10” dessa classificação pessoal e totalmente subjetiva.

Nas últimas semanas, surgiu um novo padrão: notas elevadas para curtas-metragens.

Incentivados pelo clichê legítimo (como a maioria dos clichês) dos pais de primeira viagem que nunca mais param para relaxar, os curtas conquistaram seu espaço lá em casa – ainda no período pré-Disney.

Como a maioria dos filmes premiados e que chegam ao streaming tem menos de 15 minutos de duração, a lista de curtas assistidos cresce mais rapidamente do que a média.

Acontece que ser curto tem feito a diferença. Enquanto minha avaliação média para todos os filmes desde 2008 foi de 7,5 – e o viés de disponibilidade e a curadoria prévia explicam –, a nota média dos curtas já está acima de 8.

Menos tempo para errar

O outro extremo é ainda mais relevante… 25% de todos os filmes dos últimos 14 anos receberam alguma nota abaixo de 6 e apenas 9% nos curtas.

O que é comum a esses filmes que tem me inclinado a não os considerar como ruins?

Não há qualquer predileção pessoal por curtas-metragens, mas sim um benefício negligenciado do qual a categoria usufrui: menos tempo para errar.

Um filme de 10 minutos é, sob várias óticas, mais simples do que um de 120 minutos. Criar uma narrativa curta e objetiva força o produtor a seguir o princípio da navalha de Occam, sobrando apenas o simples e essencial.

Não é à toa que alguns dos grandes diretores, como Steven Spielberg, George Lucas, Martin Scorsese e Christopher Nolan, iniciaram suas carreiras de sucesso em curtas-metragens.

Análise dos gestores de fundos

Há alguns anos, também passei a avaliar diariamente gestores de fundos.

Entre a subjetividade da sétima arte e a dinâmica das seis a oito reuniões semanais que temos com gestores desde 2019, onde procuramos indícios que aumentem ou diminuam a probabilidade de um fundo gerar retornos descorrelacionados no futuro, não há mesmo tanta coisa em comum.

Perigos na priorização de fundos

Mas o perigo de valorizar exageradamente fundos mais curtos com alto desempenho está presente o tempo inteiro.

Para o Verde ser nossa maior posição em multimercados, por exemplo, não bastam dois ou três anos de bom desempenho, mas 25 anos de histórico vencedor do Stuhlberger.

O outro lado dessa moeda é que dois ou três anos de desempenho abaixo da média também não desqualificam uma indicação, se nada foi alterado.

Nossa tendência de priorizar bons retornos de longo prazo a excepcionais retornos de curto prazo tem sido alvo de estudos acadêmicos e práticos.

As cartas das gestoras

Neste mês de julho, duas gestoras sistemáticas que acompanhamos escreveram cartas com temática parecida.

Fundos da Avantgarde

A Avantgarde, que completa três anos daqui a 15 dias e já entrega retorno de mais de 50% acima do IBX em seu fundo long biased, montou uma simulação para mostrar que, nos últimos 20 anos, quanto mais tempo um investidor da sua estratégia multifatorial tivesse ficado investido, maior teria sido sua probabilidade de retornos positivos:

Fonte: Avantgarde

“A diligência é a mãe da boa sorte”, já dizia um antigo provérbio inglês.

No curtíssimo prazo, a aleatoriedade domina qualquer análise. E é apenas a partir de cerca de três anos de cota pública que conseguimos começar a concluir algo a respeito da dinâmica entre sorte e verdadeira habilidade dos gestores.

Fundos da Kadima

Já a Kadima, gestora que recomendamos e alocamos nas carteiras da série Os Melhores Fundos de Investimento, utilizou seu relatório trimestral para trazer uma reflexão cotidiana: como escolher entre dois vendedores que anunciam o mesmo produto, quando o primeiro tem 90% de aprovação de apenas 10 usuários e o segundo 85% de aprovação de 500 usuários?

Quem você escolhe?

Podemos ir além: entre dois cirurgiões para realizar um procedimento delicado, você escolheria aquele que faz isso há apenas dois anos com 95% de sucesso ou outro, com experiência de 15 anos, mas 90% de sucesso?

São todas roupagens diferentes do mesmo dilema comparativo entre o “excelente” de uma amostra pequena e o “muito bom” de uma amostra bem maior.

Qual, afinal, é o tempo necessário para batermos o martelo sobre a habilidade (ou falta dela) de um gestor em superar o mercado?

Idade, desempenho e retorno dos fundos

A carta da gestora propõe adaptar uma regra simples criada por LaPlace, matemático francês do século 18, que ajudaria o investidor a analisar melhor a relação entre a idade de um fundo e seu desempenho acima do benchmark.

Quanto maior a idade, maior a convicção de que o resultado desde o início representa mais habilidade do que aleatoriedade, seja ele bom ou ruim.

Como regra de bolso, valorizo mais aqueles que batem seu benchmark em mais de 80% do tempo, lembrando que também importa a magnitude dos ganhos e das perdas.

Por último, este paper de 2008 do pesquisador e atual chefe global de investimentos do fundo soberano de Abu Dhabi, Marcos López de Prado, propõe alterar o caráter exato do Índice de Sharpe – principal medida de eficiência utilizada pela indústria de fundos – para considerá-lo como algo probabilístico, além de incorporar em seu cálculo riscos de cauda.

Assim, seria possível utilizar ferramentas estatísticas para sugerir quais gestores, com 95% de confiança, obtiveram um retorno ajustado ao risco consistentemente alto desde seu início.

Crise e fundos multimercados no Brasil

Em nossas adaptações iniciais do paper para a indústria de multimercados no Brasil, já dá para cravar: são pouquíssimos os fundos que apresentam consistência nesse teste, gerando alfa relevante acima de 10 anos.

Nas crises, o investidor inteligente é aquele que sobrevive. Para isso, deve-se preferir a consistência de bons retornos à raridade de desempenhos excepcionais.

É hora de voltar, novamente, a atenção aos longas – e aos melhores fundos no longo prazo.

Em 15 minutos de filme, não dá nem tempo do primeiro choro.

Compartilhe

EXILE ON WALL STREET

A simplicidade é a maior das sofisticações na hora de investir

12 de setembro de 2022 - 18:55

Para a tristeza dos estudiosos das Finanças, num daqueles paradoxos do conhecimento, quanto mais nos aprofundamos, parece que cavamos cada vez mais no subterrâneo

EXILE ON WALL STREET

Marcas da independência: Vitreo agora é Empiricus Investimentos

5 de setembro de 2022 - 8:43

Com a mudança de nome, colhemos todos os benefícios de uma marca única, com brand equity reconhecido e benefícios diretos, imediatos e tangíveis ao investidor

EXILE ON WALL STREET

Além do yin-yang: Vale a pena deixar os fundos para investir em renda fixa?

2 de setembro de 2022 - 11:47

Investidores de varejo e institucionais migraram centenas de bilhões em ativos mais arrojados para a renda fixa, o maior volume de saída da história do mercado de fundos

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Encaro quase como um hedge

1 de setembro de 2022 - 13:27

Tenho pensado cada vez mais na importância de buscar atividades que proporcionem feedbacks rápidos e causais. Elas nos ajudam a preservar um bom grau de sanidade

EXILE ON WALL STREET

Complacência: Entenda por que é melhor investir em ativos de risco brasileiros do que em bolsa norte-americana

29 de agosto de 2022 - 11:25

Uma das facetas da complacência é a tendência a evitar conflitos e valorizar uma postura pacifista, num momento de remilitarização do mundo, o que pode ser enaltecido agora

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: O elogio que nem minha mãe me fez

25 de agosto de 2022 - 12:02

Em mercados descontados que ainda carregam grandes downside risks, ganha-se e perde-se muito no intraday, mas nada acontece no dia após dia

EXILE ON WALL STREET

Degrau por degrau: Confira a estratégia de investimento dos grandes ganhadores de dinheiro da bolsa

24 de agosto de 2022 - 13:57

Embora a ganância nos atraia para a possibilidade de ganhos rápidos e fáceis, a realidade é que quem ganha dinheiro com ações o fez degrau por degrau

EXILE ON WALL STREET

Blood bath and beyond: Entenda o banho de sangue dos mercados financeiros — e as oportunidades para o Brasil

22 de agosto de 2022 - 12:25

Michael Hartnett, do Bank of America Merrill Lynch, alerta para um possível otimismo exagerado e prematuro sobre o fim da subida da taxa básica de juro nos EUA; saiba mais

EXILE ON WALL STREET

Você está disposto a assumir riscos para atingir seus sonhos e ter retornos acima da média?

19 de agosto de 2022 - 13:50

Para Howard Marks, você não pode esperar retornos acima da média se você não fizer apostas ativas. Porém, se suas apostas ativas também estiverem erradas, seus retornos serão abaixo da média

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Qual é o mundo que nos aguarda logo à frente?

18 de agosto de 2022 - 11:45

O mercado inteiro fala de inflação, e com motivos; afinal, precisamos sobreviver aos problemas de curto prazo. Confira as lições e debates trazidos por John Keynes

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies