O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

Felipe Miranda
Exile on Wall Street
Felipe Miranda
É sócio-fundador e CIO da Empiricus
2022-04-04T11:47:36-03:00
EXILE ON WALL STREET

Ações ou renda fixa? Saiba como aproveitar as viradas do mercado para investir

Quando os juros estão baixos, ninguém quer saber da renda fixa e todo mundo compra ações; com a maior demanda, a renda variável fica cara e o seu retorno esperado cai

4 de abril de 2022
11:47
Imagem mostrando pilhas de moedas cada vez maiores, com uma lâmpada acesa à direita. Simboliza a alta da Selic e dos juros e as ideias de investimento em renda fixa e renda variável nesse cenário
Renda fixa ou ações? Entenda qual é a melhor oportunidade para investir.Imagem: Shutterstock

Esquerda ou direita? Sístole ou diástole? Euforia ou depressão, aperto ou afrouxamento monetário, poupança ou endividamento?

Da pressão sanguínea ao eleitorado, passando pela economia e os mercados, claro, as coisas são cíclicas. Até aí, nada novo. 

Da teoria dos ciclos de vida de Modigliani à ideia de Renda Permanente de Friedman e às flutuações descritas por Prescott, que lhe renderam o Nobel de 2004, as alternâncias em torno da tendência de longo prazo são literatura já antiga na Ciência Jovem.

O que mais me atrai na estrutura dos ciclos é que, tipicamente, eles são mais intensos, profundos, erráticos e contraintuitivos do que o pensamento de primeiro nível (para usar a terminologia de Howard Marks, outro especialista em ciclos) gostaria de sugerir. 

Erros e finanças comportamentais

No livro “Think Twice: Harnessing the Power of Counterintuition”, Michael Mauboussin explora os erros derivados de simplificações excessivas, que ignoram a complexidade de situações reais. 

Sua sugestão passa por: 

  1. Evitar confusões de atribuição entre causa e efeito;
  2. Ser cuidadoso na agregação de situações microeconômicas para projetar situações de nível macro;
  3. Considerar alternativas suficientes antes da tomada de decisão; e
  4. Desconfiar de pseudoespecialistas.

O viés cognitivo de pular rapidamente às conclusões sem pensar com profundidade (Think Twice) é um clássico das Finanças Comportamentais. 

Paraíso do CDI

Talvez você se sinta atraído pela volta do paraíso do CDI. 

Os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil já estavam muito bem descritos por Sérgio Buarque de Holanda lá em 1958. 

O Brasil como Éden poderia ser apenas explorado, sem grande necessidade de trabalho ou, na minha adaptação para finanças e investimentos, sem muita motivação para corrermos riscos, já que voltamos àquela delícia do 1% ao mês, com liquidez diária e sem a impiedosa e volátil marcação a mercado. 

Não tiro a sua razão. Acho, sim, que o investidor deveria aproveitar as taxas gordas da renda fixa brasileira. Inclusive acho que, talvez, ele devesse fazê-lo com certa pressa. 

Afinal, a curva de juros vem caindo de forma contundente e sucessiva nas últimas semanas. Falo mais disso abaixo. A janela pode estar se fechando.

Bolsa e fundos

Com efeito, a dinâmica parece apreendida. 

A observação material do comportamento da indústria mostra meses de resgates líquidos dos multimercados e dos fundos de ações para a aplicação em renda fixa. 

Dia após dia, os FIAs e os FIMs sofrem com captação líquida negativa. 

O ponto interessante é que o destaque de alta nesse momento é justamente o mercado de ações.

De maneira aparentemente contraintuitiva, Bolsa deveria ser comprada quando o juro está alto, não quando o juro está baixo. 

Renda fixa ou ações?

E existe uma correlação que funciona quase como uma lei física: se está difícil para determinada classe de gestores captar, está ótimo para essa mesma classe identificar boas oportunidades de investimento. 

Quando a taxa de juro está baixa, ninguém quer saber da renda fixa e vai lá todo mundo comprar ações. 

Com a maior demanda, claro, a renda variável fica cara, seu retorno esperado cai. É quando as pessoas deveriam estar reduzindo Bolsa. 

Política monetária e ações em bolsa

A política monetária também é cíclica — é a essência do sistema de metas de inflação ou da Regra de Taylor, como preferir. 

Coloca-se o juro básico acima do patamar neutro quando há de se controlar a inflação; e depois ele volta ao neutro ou abaixo dele quando a inflação está muito comprimida (e precisamos estimular o crescimento).

Então, havemos de pensar na dinâmica. No momento em que se começa a apertar a política monetária, o juro baixo vira mais alto, por construção. Então, há um duplo efeito sobre as ações.

Duplo efeito sobre as ações

Primeiramente, a atividade econômica, ceteris paribus, arrefece. As empresas lucram menos. Se os lucros caem, as ações acompanham essa queda. 

Em termos de apreçamento, para a mesma relação Preço sobre Lucro, se o denominador diminui em 10%, o numerador tem que cair nos mesmos 10%. 

Mas também existe um segundo efeito: quando o juro sobe, a renda fixa se torna mais atrativa frente à variável.

Por arbitragem, os múltiplos Preço sobre Lucro devem cair também. 

Passa-se a pagar menos pelo mesmo lucro, porque o retorno esperado da Bolsa precisa subir, uma vez que o retorno esperado da renda fixa também subiu. 

É o chamado “de-rating”, exatamente o que aconteceu na Bolsa brasileira desde o segundo semestre do ano passado.

Juros e lucro 

Os lucros caem porque a atividade arrefece diante do juro mais alto. E o múltiplo (pense no caso mais simples do Preço sobre Lucro) precisa cair também. 

Esse duplo efeito é devastador e magnifica o efeito do ciclo de mercado.

Obviamente, ocorre o exato oposto quando o juro cai. Acontece que o mercado antecipa os movimentos. 

E é por isso que vale a ideia de comprar Bolsa quando o juro está alto. As ações estão baratas, porque ninguém as quer. 

Todas as atenções estão voltadas à renda fixa (e o que mais sobe no ano são justamente os fundos de ações).  

Selic e fatores de esperança

Talvez estejamos na exata inflexão do processo. 

Há, ao menos, seis fatores auspiciosos a serem analisados quando tratamos do prognóstico para a Selic: 

  1. A expressiva apreciação do real, cujas pernas nos parecem bastante longas, afeta os tradables num primeiro momento e, pelo repasse cambial, contagia todos os demais bens posteriormente;
  2. Estamos na iminência da adoção da bandeira verde nas tarifas de energia; 
  3. As commodities parecem se acomodar (lembre-se de que inflação é variável de preço, não é nível de preço);
  4. As expectativas de inflação para 2023 e 2024 permanecem, ao menos até aqui, muito bem ancoradas; 
  5. Os efeitos da política monetária sobre a atividade econômica ocorrem de maneira defasada, de modo que a demanda agregada deveria ser impactada nos próximos meses; e 
  6. Enquanto o juro real segue bastante negativo na maior parte do mundo, aqui temos uma taxa real bastante positiva e em território contracionista. 

Queda da Selic no radar?

Em carta trimestral a seus cotistas, a gestora Clave já aponta a possibilidade de início do processo de queda da taxa Selic no último trimestre deste ano. 

Sua expectativa é de um intenso ciclo de cortes do juro básico, para 8% em 2023, “uma vez que a inflação projetada para 2024 no cenário de referência da própria autoridade monetária (2,4%) se encontra bem abaixo da meta (3,0%)”.

No momento em que o mercado começar a discutir a queda das taxas de juro, os preços serão outros. Deixaremos de olhar para 2022 para projetar 2023, com expansão de múltiplos e alguma recuperação cíclica dos lucros. Os 150 mil pontos são logo ali.

Leia também:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

BALANÇO

Magazine Luiza (MGLU3) deixa lucro para trás e registra prejuízo líquido de R$ 161,3 milhões no primeiro trimestre

Última das grandes varejistas da B3 a divulgar os resultados do primeiro trimestre, o Magazine Luiza (MGLU3) reforçou nesta segunda-feira (16) como o cenário macroecônimo atrapalha a vida das gigantes do comércio físico e eletrônico. A companhia registrou prejuízo líquido de R$ 161,3 milhões entre janeiro e março, contra lucro de R$ 258,6 milhões no […]

Reino Unido ameaça revisão em termos do Brexit e alimenta temores de guerra comercial; fique por dentro da visita de Boris Johnson à Irlanda do Norte

Divergências entre diferentes unionistas e nacionalistas na Irlanda do Norte pode acabar afetando relação entre Reino Unido e União Europeia

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa na contramão de NY, Gol troca comandante e Tesla em apuros; confira os destaques do dia

Mesmo com o dia ruim em NY, o Ibovespa conseguiu ter um dia de ganhos

BALANÇO

De mudança para os EUA, Inter (BIDI11) lucra R$ 27,5 milhões no primeiro trimestre; confira os destaques do banco digital

O Inter também ultrapassou a marca dos 18 milhões de clientes entre janeiro e março, alta de 82% na comparação com o mesmo período de 2021

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies