O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-01-24T18:37:25-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
pessimismo nos mercados

Por que a ameaça de conflito entre Rússia e Ucrânia derruba as bolsas mundo afora?

Escalada de tensões entre os dois países levou EUA e Reino Unido a retirarem funcionários de embaixadas na Ucrânia; veja como uma eventual invasão russa ao país pode afetar os mercados

24 de janeiro de 2022
16:20 - atualizado às 18:37
Bandeiras da Ucrânia e da Rússia com armas simbolizando conflito
Conflito entre Rússia e Ucrânia pode pressionar preços das commodities. Imagem: FabrikaPhoto/Envato

Os mercados internacionais derreteram nesta segunda-feira (24), depois que o governo dos Estados Unidos recomendou, ontem, que todos os cidadãos americanos na Ucrânia saiam do país imediatamente, citando o aumento da presença russa na fronteira entre os dois países.

Os EUA também ordenaram que funcionários da sua embaixada em Kiev, a capital ucraniana, deixem o país com suas famílias, devido à deterioração das condições de segurança. O Reino Unido seguiu a iniciativa americana e também começou a retirada do seu corpo diplomático da Ucrânia, o que foi anunciado nesta segunda-feira.

As iniciativas indicam a escalada das tensões entre Ucrânia e Rússia, que vem transferindo tropas e armamentos para a fronteira entre os dois países. Já são mais de 100 mil soldados russos na região.

Embora Moscou negue que tenha a intenção de invadir o vizinho, tanto os Estados Unidos como o Reino Unido já ameaçaram a Rússia com sanções em caso de conflito.

A União Europeia anunciou 1,2 bilhão de euros em ajuda financeira aos ucranianos. Já a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) anunciou hoje que está deslocando mais navios e jatos de combate para o Leste Europeu.

A Ucrânia tinha pretensões de entrar para a Otan e, como membro, uma invasão a seu território exigiria uma reação imediata da organização. Moscou se opõe ao ingresso da Ucrânia na aliança.

Tombo nos mercados

O aumento das tensões na região leva a uma queda generalizada dos mercados hoje, com o crescimento da cautela em um cenário que já era de aversão a risco.

O índice pan-europeu Stoxx 600, que reúne as principais empresas do continente, fechou em baixa de 3,81%, depois de ter chegado a cair mais de 4% mais cedo.

Em Wall Street, o Dow Jones e o S&P 500 chegaram a cair mais de 3%, e o Nasdaq tombou mais de 4% no pior momento do dia. Mas após passarem o dia inteiro em baixa, os três índices viraram para alta no fim do pregão. O Dow Jones fechou com ganho de 0,30%, o S&P 500 subiu 0,29%, e o Nasdaq avançou 0,63%.

Na semana passada, as bolsas americanas e europeias já haviam registrado fortes quedas, na expectativa pela primeira reunião do Federal Reserve do ano, a ser realizada nesta quarta-feira (26).

O mercado espera que, na ocasião, o Fed indique o início da alta de juros nos EUA já na reunião de março e sinalize os próximos passos da retirada de estímulos monetários, mas teme que haja alguma surpresa, no sentido de um aperto monetário mais forte.

O clima negativo lá fora contaminou a bolsa brasileira, e o Ibovespa não conseguiu se recuperar com a virada em Nova York, fechando em baixa de 0,92%, a 107.937 pontos, depois de ter fechado acima dos 108 mil pontos na semana passada, na contramão das bolsas dos países desenvolvidos.

Mas poderia ter sido pior. Na mínima, o principal índice da B3 tombou mais de 2% e chegou a perder até mesmo os 107 mil pontos.

O índice de volatilidade VIX, apelidado de "índice do medo", registrou alta de mais de 20% pela manhã, alcançando seu maior patamar em um ano.

Os investidores fugiram dos ativos de risco e buscaram abrigo nos ativos considerados mais seguros, como o dólar, o ouro e os Treasuries, os títulos do Tesouro americano.

Com isso, o dólar à vista avançou 0,88% ante o real, a R$ 5,5032, depois de ter chegado a subir mais de 1% e ultrapassar os R$ 5,52. Os juros dos Treasuries recuaram, uma vez que a demanda pelos títulos impulsionou seus preços para cima, derrubando também os juros futuros por aqui.

Por que o mercado teme um conflito entre Ucrânia e Rússia

O maior temor dos investidores e dos governos em relação às tensões na fronteira entre os dois países é que seja desencadeada uma guerra. E ainda há muita incerteza quanto à reação dos países que fazem parte da Otan ao conflito.

A região tem grande importância para a economia europeia. Cerca de 35% do gás natural da Europa vem da Rússia, sendo que boa parte dele passa por gasodutos localizados em território ucraniano. A Rússia também é importante exportadora de petróleo, inclusive para a Europa.

Saiba mais sobre a crise energética pela qual a Europa passa, bem como as possíveis consequências do conflito entre Rússia e Ucrânia para o fornecimento de gás natural para o continente.

A região do Mar Negro também é crucial para a exportação de trigo e grãos. Quatro grandes exportadores - Ucrânia, Rússia, Cazaquistão e Romênia - comercializam esses produtos a partir de portos no Mar Negro, que podem ter suas operações interrompidas em caso de ações militares ou sanções.

A própria Ucrânia é a terceira maior exportadora de milho do planeta e quarta maior exportadora de trigo, sendo que a Rússia é a primeira.

Além da possibilidade de interrupções no fornecimento desses produtos ao restante do planeta em caso de conflito armado, sanções dos países europeus à Rússia podem resultar em retaliações. Por outro lado, se a Europa "pegar leve" com a postura russa, estará abrindo um precedente perigoso no continente.

Estamos falando, portanto, de risco de alta adicional nos preços das commodities, elevando preços de alimentos, combustíveis e energia elétrica e pesando sobre a inflação, que já está pressionada ao redor do mundo, incluindo os países desenvolvidos.

Isso num momento em que os bancos centrais já planejam aumentos nas taxas de juros para conter a inflação atual, e com atividade econômica não exatamente superaquecida nos países ricos.

Por exemplo, os Índices de Gerentes de Compras compostos (PMIs, na sigla em inglês) divulgados hoje mostram desaceleração da atividade nos Estados Unidos, no Reino Unido e na zona do euro.

Nos EUA, o indicador caiu de 57 em dezembro para 50,8 em janeiro, ainda indicando expansão da atividade (índice maior que 50), mas em desaceleração em relação ao mês anterior.

No Reino Unido e na zona do euro, os PMIs compostos caíram a 53,4 e 52,4 em janeiro, respectivamente, menores níveis em 11 meses.

Ou seja, uma pressão inflacionária maior - não relacionada à atividade econômica, mas a um conflito geopolítico - que possa levar a um aperto monetário ainda mais forte tende a machucar ainda mais os ativos de risco.

Mesmo assim, o petróleo hoje recuou mais de 2%, em razão da aversão a risco generalizada, que derruba todos os mercados, com exceção dos ativos considerados "seguros".

*Com informações da Reuters e da CNBC.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

'PERGUNTA PRO SACHSIDA'

Bolsonaro se pronuncia sobre ‘fritura’ e possível substituição do presidente da Petrobras (PETR4)

Bolsonaro voltou a dizer que “ninguém vai tabelar preço de combustível”, mas afirmou que a “finalidade social” da Petrobras não está sendo cumprida

BAIXOU A PREVISÃO

Magazine Luiza (MGLU3) rebaixado: JP Morgan corta previsão para ações antes do balanço de amanhã, mas projeção ainda é de alta de quase 50%; entenda motivos

O cenário de alta dos juros deve pressionar o varejo, mas o JP Morgan entende que a empresa está bem posicionada no setor

ESFRIOU

Ano deve ter queda de fusões e aquisições, mas 2022 conta com negócios de grante porte até o momento; relembre algumas delas

Entre os fatores que causaram essa freada, estão a guerra entre Rússia e Ucrânia e a expectativa de desaceleração na China, após lockdowns para conterdos casos de covid

SEU DIA EM CRIPTO

Terra (LUNA) não acompanha recuperação do bitcoin (BTC) neste domingo; criptomoedas tentam começar semana com pé direito

Mesmo com a retomada de hoje, as criptomoedas acumulam perdas de mais de dois dígitos nos últimos sete dias

A COISA VAI ESQUENTAR

Novo capítulo da guerra? Vizinhos da Rússia, Finlândia e Suécia devem se juntar à Otan e tensão na região aumenta

Vladimir Putin, presidente russo, já havia dito que a entrada dos países na Organização exigiria retaliações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies