Menu
2020-05-19T10:16:33-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Estratégias na crise

“Quem deixar dinheiro em caixa vai perder chance de ganhar dinheiro”

Se esta crise não for uma oportunidade de colocar o dinheiro para trabalhar não sei quando será, diz Fabio Okumura, sócio e gestor da Gauss Capital; conheça as principais posições da gestora

19 de maio de 2020
5:53 - atualizado às 10:16
Fabio Okumura, sócio e diretor de investimentos da Gauss Capital
Fabio Okumura, sócio e diretor de investimentos da Gauss Capital - Imagem: Divulgação

O ano de 2020 não começou bem para a Gauss Capital. Em janeiro, o principal fundo da gestora que possui aproximadamente R$ 2 bilhões em patrimônio ficou no zero a zero e no mês seguinte sofreu um tombo de 7%.

Mas no fatídico mês de março, quando o resto do mercado sofria com o tombo de 30% da bolsa e a disparada da dólar, a Gauss fechou com uma alta de pouco mais de 1%. Em abril, obteve um retorno de 7,5% e recuperou as perdas do começo do ano.

“Nós estávamos otimistas, o que eu não acho um erro porque o mercado estava pronto para acelerar se não fosse o vírus. Mas corrigimos e viramos a mão muito rápido”, me disse Fabio Okumura, sócio e diretor de investimentos da Gauss, em uma conversa que tivemos por videoconferência.

O ponto da virada para o gestor ocorreu durante o Carnaval, com as notícias sobre os casos de coronavírus na Itália e no Irã.

Foi o sinal de que a pandemia do coronavírus poderia se tornar um problema global, o que levou a uma redução nas posições de maior risco logo no começo do choque nos mercados financeiros globais.

Caixa não é rei

Diante da grande incerteza sobre a magnitude e os impactos da doença na economia, muitos gestores têm optado por manter uma parcela dos recursos em caixa à espera de uma melhor definição do cenário.

Mas o sócio da Gauss, que antes de montar a própria gestora trabalhou na tesouraria de bancos como Itaú Unibanco e Credit Suisse, é contrário a essa tese.

Para ele, quem mantiver os recursos em caixa, rendendo cada vez menos com a queda das taxas de juros, vai perder a chance de ganhar dinheiro.

“Se esta crise não for uma oportunidade de colocar o dinheiro para trabalhar não sei quando será” – Fabio Okumura, Gauss Capital

Ele se diz “conservadoramente otimista” com relação ao desfecho da crise e reconhece que de fato existe muita incerteza. “Ao mesmo tempo, o deslocamento de preços nas últimas semanas criou muita oportunidade.”

Sem “ideia genial”

Mas onde estão essas oportunidades? O gestor da Gauss disse que não há uma única posição responsável pelos retornos do fundo. “Não tivemos uma ideia genial, nem acho correto investir dessa forma.”

Em abril, a Gauss surfou a alta da bolsa norte-americana, que devolveu boa parte da forte queda no mês anterior puxada principalmente pelas ações de tecnologia.

As cinco grande empresas do ramo – Apple, Amazon, Facebook, Microsoft e Google – respondem por quase 20% do S&P500, principal índice da bolsa da Nova York. Por isso mesmo, ele avalia que não dá para ficar de fora da bolsa norte-americana. “A crise está fortalecendo essas empresas”, diz.

Além de apostar na Amazon, Okumura me disse que se vale de uma das filosofias do fundador da gigante de comércio eletrônico, Jeff Bezos, para orientar os investimentos do fundo no atual momento de incerteza.

“Em vez de tentar adivinhar quais negócios vão sobreviver, tentamos responder o que não vai mudar daqui a dez anos.”

Nesse sentido, o gestor não compartilha da visão extremamente pessimista do mercado hoje para as empresas aéreas. “Pode ser que fique mais caro voar daqui para frente e que mude os protocolos de segurança, mas a indústria não vai acabar.”

De todo modo, a Gauss fez valer a visão mais conservadora adotada na crise e aproveitou a alta recente para reduzir a exposição ao mercado acionário.

A maior posição do fundo, contudo, segue no mercado norte-americano, só que agora na área de crédito.

Com a garantia dada pelo Banco Central norte-americano (Fed) dentro das ações de combate à crise, o gestor aproveitou para colocar na carteira de títulos de dívida de empresas com boa qualidade de crédito (high grade).

Dinheiro difícil no Brasil

O lado conservador do gestor da Gauss também se faz mais presente quando questionado sobre a visão para o mercado brasileiro.

Para Okumura, a turbulência política e a bateção de cabeça no combate ao coronavírus tornam o cenário para investir ainda mais difícil por aqui. Nesse sentido, ele avalia que tem opções melhores e menos arriscadas no exterior.

“A gente não precisa se gabar de ganhar o dinheiro mais difícil do mundo, nosso trabalho é obter o maior retorno possível com menor risco.”

Isso também não significa que a Gauss esteja vendida na bolsa brasileira ou em real. Embora considere que o dólar tem espaço para subir mais, a gestora tem hedge (proteção) da exposição aos ativos no exterior.

No mercado de juros, a gestora tem uma pequena posição em títulos públicos atrelados à inflação. “Não tem como ser gestor vindo de tesouraria no Brasil e ficar fora desse mercado.”

Nos dois grupos que se formaram no mercado depois que o Banco Central surpreendeu ao reduzir a Selic em 0,75 ponto percentual, Okumura faz parte dos que defendiam um corte menor dos juros.

Mas o gestor diz não ser um grande crítico da decisão do Copom. “Entendo que o BC não deveria ter cortado tanto os juros, mas reconheço os desafios neste momento.”

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Fechamento

Dólar sobe, Eletrobras fecha em queda no exterior e ações de tecnologia sustentam alta de índices nos EUA

Renúncia de Ferreira Junior ao cargo de presidente da estatal brasileira afeta confiança dos investidores na privatização; S&P 500 e Nasdaq fecham em alta

SD PREMIUM

Segredos da bolsa: Ata do Copom é destaque em meio à preocupação com covid-19 e cenário fiscal

A queda do EWZ, o principal fundo de índice com ações brasileiras em Nova York, indica uma reabertura no vermelho para o Ibovespa na volta do feriado

Futuro da estatal

‘Temos dentro da Eletrobras profissionais capazes de me suceder’, diz Wilson Ferreira

Após deixar presidência, Wilson Ferreira responde se há conflito de interesse ao se manter no conselho da Eletrobras e, ao mesmo tempo, presidir a BR Distribuidora

Expectativas

Novo presidente da Eletrobras (ELET3) deve dar prioridade à privatização, diz Caio Megale

Após saída de Wilson Ferreira, analista afirma que ‘a privatização da Eletrobras tem sua importância pela sua situação atual e pelo seu grau de maturidade (para ser privatizada)’

Reformas

‘Vamos limpar a pauta, destravando o horizonte de investimentos’, diz Paulo Guedes

Ministro prometeu que o governo não irá aumentar impostos e reforçou que a atividade está se recuperando em ‘V’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies