🔴 5 MOEDAS PARA MULTIPLICAR SEU INVESTIMENTO EM ATÉ 400X – VEJA COMO ACESSAR LISTA

Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
VENDER OU COMPRAR?

3 razões para comprar dólar agora e não mais tarde, segundo quem aposta na alta da moeda contra o real

Para analistas e gestores que veem o real forte como um fenômeno transitório, é hora de aproveitar a queda do dólar para manter ou aumentar a exposição na moeda norte-americana

Jasmine Olga
Jasmine Olga
30 de março de 2022
6:05 - atualizado às 22:33
dólar na carteira
Notas de dólares - Imagem: Shutterstock

Não há como negar que o primeiro trimestre do ano tem sido muito diferente do que a maior parte das projeções no mercado financeiro indicavam. Mas no quesito surpresas, poucas superam a forte queda do dólar em relação ao real, mesmo diante de um conturbado cenário de guerra no leste europeu e a proximidade das eleições presidenciais. 

Em um momento em que se esperava cautela e corrida para ativos de segurança, o Brasil foi surpreendido com a entrada de mais de R$ 90 bilhões de investimento estrangeiro no país, a maioria em direção aos pesos-pesados da bolsa – as companhias produtoras de commodities. O resultado é uma alta de 14% do Ibovespa e uma valorização de quase 15% do real em 2022

Depois de contar para você a visão de quem acredita que essa não é a hora de comprar dólar, agora é a vez de ouvir o outro lado. 

Para esta matéria, eu conversei com gestores e analistas que veem a queda da moeda norte-americana como uma oportunidade de compra — seja como proteção, investimentos no exterior ou em preparação para uma possível viagem futura. 

Confira as razões que levam Marcello Negro, gestor de multimercados da Fator Administração de recursos; Victor Benndorf, Diretor na Benndorf Consultoria; e Bruno Di Giacomo, CIO da Blackbird Investimentos, a entrarem do time dos que apostam no dólar. 

1) O fôlego das commodities pode acabar a qualquer momento

O segundo semestre de 2021 foi difícil para as empresas de mineração e siderurgia, grandes representantes entre as exportadoras brasileiras — que trazem dólares para o país.

Para refrescar a memória: nos últimos meses do ano passado, a incorporadora Evergrande assustou o mercado com sua potencial falência com bilhões de dólares em dívidas, e o governo chinês impôs diversas restrições à produção de aço. 

Em 2022 a página virou. A possível ruína da Evergrande deixou de ser um problema que ameaça o mercado financeiro de forma estrutural, e a China tem se mostrado disposta a continuar estimulando a economia local. 

A demanda por commodities, em especial o petróleo, aumentou ainda mais com a guerra entre Rússia e Ucrânia.

A disparada dos preços das matérias-primas atraiu um grande fluxo de dinheiro estrangeiro para a bolsa brasileira. A enxurrada de dólares na B3 ajudou a derrubar as cotações do dólar. 

O grande fluxo estrangeiro que tem sustentado o mercado brasileiro até aqui vai ao encontro principalmente das ações ligadas ao setor de commodities. Porém, na visão dos analistas consultados, é pouco provável que o ritmo se sustente nos próximos meses. 

Para Marcello Negro, da Fator Administração de recursos, os efeitos da guerra sobre os preços das commodities não deve ser de alta tão relevante nos próximos meses.

Um eventual acordo de paz na Ucrânia, por exemplo, pode fazer com que o movimento visto até aqui se inverta. Nos últimos dias, as negociações entre os governos de Kiev e de Moscou avançaram, e um encontro entre Volodymyr Zelensky e Vladimir Putin pode ocorrer nos próximos dias.

2) A diferença de juros deve diminuir — e fortalecer o dólar

Outro ponto importante que faz com que os especialistas não acreditem em uma valorização mais expressiva do real são os sinais de que o ciclo de alta da Selic deve ser encerrado em breve. 

Na última semana, o presidente do Banco Central brasileiro, Roberto Campos Neto, afirmou em duas ocasiões diferentes que uma alta adicional de juros na reunião de junho seria improvável, aumentando as apostas de que a taxa básica deve parar em 12,75% ao ano. 

Para os analistas, o diferencial de juros entre o Brasil e os Estados Unidos tem sido atrativo até agora, mas a aceleração esperada para o aperto monetário do Federal Reserve no segundo semestre deve interromper o fluxo abundante de dólares que hoje entram no país, o que deixa o cenário mais propenso a uma desvalorização do real do que o contrário. 

3) O Brasil está longe de ser um porto seguro

Até agora, o Brasil tem se mantido majoritariamente na contramão dos mercados internacionais, superando máximas enquanto o restante do mundo sente o peso do conflito que se desenrola no leste europeu e dos próximos passos do Federal Reserve. Mas isso não significa que o país é um porto seguro diante das incertezas globais. 

Para Victor Benndorf, o Brasil surgiu como oportunidade em um momento em que mercados que poderiam ser boas opções atravessam um momento turbulento — com a Rússia em guerra e a China cercada por incertezas econômicas e geopolíticas.

Além disso, o analista não enxerga uma melhora estrutural significativa que ajude a explicar a valorização do real. Embora a parte fiscal esteja sendo compensada pela balança comercial positiva, a saúde das contas públicas ainda está longe do que era antes da pandemia.

O fator eleição também não é deixado de fora e pode ter implicações no cenário fiscal, já que os dois principais candidatos no páreo exibem tendências populistas. 

Dólar: Hora de comprar 

Com um cenário menos otimista para o real em mente, os especialistas ouvidos pelo Seu Dinheiro apontam que é hora de colocar mais dólar na carteira. 

Para a Blackbird, o ponto de entrada atual até a faixa dos R$ 5 é atrativo. Em vez de simplesmente comprar a moeda, a gestora de fortunas prefere “colocar o dólar para trabalhar”, ou seja, investir em ativos em moeda estrangeira e que gerem fluxo de caixa — como ações, por exemplo.

Marcello Negro, da Fator, também aponta que esse é o momento para aumentar a fatia de proteção da sua carteira ou se preparar para uma viagem ao exterior. Embora veja espaço para o enfraquecimento do real, o gestor não crê que o dólar deve voltar às máximas. 

Diante da incerteza que cerca o ambiente, o investidor precisa estar atento às mudanças de cenário e não se apegar eternamente ao conceito de “longo prazo”, já que as coisas podem mudar rapidamente, segundo Victor Benndorf, diretor da Benndorf Consultoria. “É preciso sempre monitorar os níveis do ativo e entender os catalisadores do cenário global. Diversificação segue sendo muito importante”.

Compartilhe

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Petrobras (PETR4) limita ganhos do Ibovespa; dólar cai a R$ 5,10 e recua mais de 1% na semana

17 de maio de 2024 - 17:35

RESUMO DO DIA: Como uma montanha-russa, o Ibovespa iniciou a semana em alta com a ata do Copom que aliviou, momentaneamente, o temor dos investidores. Mas Petrobras (PETR4) roubou a cena com a demissão repentina de Jean Paul Prates da presidência da estatal. Com isso, o Ibovespa termina a última sessão da semana em baixa […]

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa se recupera do tombo de Petrobras (PETR4) e fecha em alta; dólar cai a R$ 5,13

16 de maio de 2024 - 17:40

RESUMO DO DIA: Após um dia de tensão por conta das mudanças na Petrobras (PETR4), o Ibovespa conseguiu conter as perdas embalado pelas máximas em Wall Street. O principal índice da bolsa brasileira terminou a sessão com alta de 0,20%, aos 128.283 pontos. O dólar fechou a R$ 5,13, com baixa de 0,13% no mercado […]

TEMPOS DE GLÓRIA CHEGARAM?

Nas alturas: Dow Jones ultrapassa os 40 mil pontos pela primeira vez na história 

16 de maio de 2024 - 16:30

Quando começou a operar, Dow Jones era composto apenas por 12 ações. Hoje, o índice tem ações das 30 maiores empresas dos Estados Unidos

DESTAQUES DA BOLSA

De malas prontas: Presidente e dois membros do conselho da CVC (CVCB3) renunciam; ações caem mais de 7% na B3 

16 de maio de 2024 - 13:41

Valdecyr Maciel Gomes renunciou ao cargo depois de três anos na função; movimentação acontece uma semana após balanço do primeiro trimestre

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Petrobras (PETR4) rouba as atenções e Ibovespa fecha em queda em dia de NY nas máximas; dólar sobe a R$ 5,13

15 de maio de 2024 - 17:16

RESUMO DO DIA: Sinal vermelho para os mercados: a repentina demissão de Jean Paul Prates da presidência da Petrobras (PETR4) pegou os investidores de surpresa e as atenções se voltaram para os desdobramentos da mudança no comando da companhia. Dado o peso de Petrobras no principal índice da bolsa brasileira, o Ibovespa terminou o pregão […]

VOLATILIDADE

Opções de venda de ações da Petrobras (PETR4) disparam mais de 1000% com ruído em torno da demissão de CEO

15 de maio de 2024 - 15:06

Investidores com posições em opções de venda de ações da Petrobras lucram com o estrago provocado pelo anúncio da saída de Jean Paul Prates

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

Magda Chambriard vai virar a Petrobras (PETR4) de ponta-cabeça? Veja o que pensa a indicada de Lula para suceder Prates

15 de maio de 2024 - 14:06

Compilamos as opiniões da Magda Chambriard sobre os investimentos, os dividendos e o futuro da Petrobras

DANÇA DAS CADEIRAS

Prates não sai sozinho: Petrobras (PETR4) anuncia demissão de CFO e nomeia presidente interina 

15 de maio de 2024 - 13:22

A estatal confirmou Clarice Coppetti, atual diretora executiva de assuntos corporativos, como presidente interina

O DIA QUE NÃO TERMINOU

O que fazer com as ações da Petrobras (PETR4) agora? Saiba se é hora de vender ou se a queda abriu oportunidade

15 de maio de 2024 - 12:42

O ruído em torno da saída de Jean Paul Prates na presidência da estatal já custou a perda de mais de R$ 60 bilhões em valor de mercado

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa avança com ata do Copom, enquanto dólar cai a R$ 5,13; Hapvida (HAPV3) e Natura (NTCO3) chamam atenção após balanços

14 de maio de 2024 - 17:27

RESUMO DO DIA: Dizem que para toda pergunta há uma resposta. Pois bem, o mercado finalmente recebeu a sua hoje, com a divulgação da ata do Copom, após a decisão dividida sobre o corte de 0,25 ponto percentual na taxa Selic. No documento, a explicação foi resumida por uma decisão “técnica”, nada além disso. Afastando […]

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar