Petrobras detalha plano estratégico; confira os principais pontos

Cotações por TradingView
2021-03-10T19:49:00-03:00
Estadão Conteúdo
Risco na esquina

Novo cenário político-eleitoral faz consultorias e corretoras revisarem projeções

Com a volta de Lula ao cenário, a politização de pautas pode acabar influenciando na rentabilidade dos ativos

10 de março de 2021
10:46 - atualizado às 19:49
bols
Imagem: Shutterstock

A incerteza gerada pelo novo cenário político, com a possibilidade de o ex-presidente Lula se candidatar e o risco de o presidente Jair Bolsonaro adotar uma agenda mais populista para ganhar popularidade até 2022, que se soma a um cenário já conturbado na economia, já fez consultorias e corretoras reverem suas projeções macroeconômicas para este ano e para o próximo. Em linhas gerais, os economistas apostam em inflação e taxa de juros mais altas, real mais desvalorizado e PIB mais fraco em 2022.

A MB Associados reajustou ontem suas estimativas para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano, de 4% para 4,3%, e para a taxa básica de juros (Selic) em dezembro, de 4% para 5,5%. A consultoria também anunciou que deve rever a projeção do PIB de 2022 de 2,4% para abaixo de 2%.

"Temos dois candidatos com dificuldade de fazer gestão de política macroeconômica equilibrada. Bolsonaro está agora ainda mais impaciente para entregar algo para a população. Do lado do Lula, não o vejo fazendo uma Carta ao Povo Brasileiro. Não o vejo se aproximando do mercado. Ao contrário, a dificuldade em se relacionar com o mercado cresceu depois do impeachment da Dilma", diz o economista-chefe da MB, Sérgio Vale.

Segundo ele, o estresse atual no mercado financeiro, decorrente da incerteza política, deve pressionar de forma mais permanente os preços dos ativos, como a moeda, que já está se desvalorizando. Um real mais fraco afetará o preço dos importados e, portanto, elevará a inflação. Esse cenário deve fazer o Banco Central subir a taxa de juros. Isso deve ter um impacto negativo na atividade econômica do próximo ano.

Maior pressão

A Necton Investimentos também revisou o IPCA, de 4,1% para 4,58%, e a Selic, de 4% para 5%. Segundo o economista-chefe da corretora, André Perfeito, o que deve pressionar mais inflação e juro, agora, é o comportamento do presidente Bolsonaro. Perfeito diz ver Bolsonaro em posição fragilizada, encurralado por diferentes atores políticos, e tendo de escolher quem serão seus aliados. Nessa situação, pode optar por medidas populistas para evitar perder sua popularidade entre, por exemplo, militares e servidores, se indispondo com o mercado. "Há um conjunto de pressões em torno do presidente, e a questão Lula é mais uma que o joga para uma situação de desconforto."

O economista afirma ainda que a incerteza política aumentou, o que eleva também o risco de se investir no País e a taxa de juros que os investidores pedem para emprestar ao governo. Tudo isso pode reduzir a quantidade de crédito na economia e dificultar a retomada econômica.

Apesar de a consultoria LCA não ter mexido em suas projeções, seu economista-chefe, Braulio Borges, afirma que possivelmente terá de elevar a atual estimativa da Selic - hoje em 4,5%. Para o PIB deste ano, ele acha difícil haver um resultado inferior aos 3,2% que projeta hoje por causa do carrego estatístico (quando a base de comparação é baixa - o resultado médio do PIB em 2020 -, mas o ponto de partida é elevado por conta da recuperação ao longo do último semestre do ano). Borges admite, no entanto, que talvez tenha de rever para baixo o de 2022, atualmente em 3%.

Deterioração

Essa possível deterioração em suas estimativas, afirma o economista, também decorre do aumento da incerteza com o retorno de Lula à política. "A incerteza é a inimiga número um da decisão de se investir. O empresário vai postergando o plano de investimentos. E essa incerteza aumentou também porque não sabemos qual figurino o Lula vai vestir. Embora ele tenha sido pragmático a maior parte do tempo em que esteve na presidência, ele pendeu mais para a extrema esquerda nos últimos anos."

A Tendências Consultoria deve divulgar suas novas projeções amanhã. O economista Silvio Campos Neto, sócio da empresa, destaca que a mudança no cenário da corrida eleitoral tem impacto maior sobre o câmbio. Outras revisões que estão sendo feitas decorrem também de alterações na economia internacional e no aumento dos riscos fiscais.

Para Campos Neto, a possível disputa entre Lula e Bolsonaro em 2022 interfere sobretudo no mercado financeiro no curto prazo. No médio prazo, pode fazer com que empresas retardem apenas os grandes investimentos. "Elas podem preferir aguardar uma definição do cenário político para ver para onde as coisas vão caminhar, mas o foco hoje ainda é a pandemia. Parte da recuperação está preservada no segundo semestre. Decisões de dia a dia de consumo de famílias e de empresas, como ajuste em estoque, estão preservadas."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Capital de risco

Pátria Investimentos adquire Igah Ventures e expande atuação no segmento de Venture Capital

1 de dezembro de 2022 - 20:38

Gestora de Pedro Sirotsky Melzer tem, entre suas investidas, empresas como Infracommerce e a corretora Avenue; valor da transação não foi divulgado

ADEUS, BYE BYE

Oferta pública de aquisição da Getnet (GETT11) termina com negociação de 13,9 milhões de ações; confira os detalhes

1 de dezembro de 2022 - 20:37

Embora a maquininha vermelha tenha entregado resultados e dividendos, o Santander Espanha resolveu fechar o capital da empresa cerca de um ano depois da estreia na bolsa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa deixa exterior de lado e cai, PIB vem mais fraco e o grupamento de ações IRB (IRBR3); confira os destaques do dia

1 de dezembro de 2022 - 20:05

Se em algum momento de dezembro os presentes adornarem a árvore de Natal da B3, talvez o mercado caminhe para um fim de ano mais tranquilo. Mas essa não é a realidade no momento.

NATAL ANTECIPADO

Dividendos e JCP: Vale (VALE3) anuncia pagamento bilionário de proventos; confira valores e prazos

1 de dezembro de 2022 - 19:36

A mineradora informou que o montante a ser distribuído poderá sofrer variação em razão de eventual alteração do número de ações em tesouraria

FECHAMENTO DO DIA

Petrobras (PETR4) tomba após plano estratégico e leva junto o Ibovespa; dólar cai abaixo dos R$ 5,20

1 de dezembro de 2022 - 19:31

Estamos oficialmente no último mês do ano. O clima natalino se confunde com a energia caótica da Copa do Mundo, mas o mercado financeiro sabe bem o que quer ver sob a árvore de Natal antes de o Ano Novo chegar — mas boa parte desses presentes depende da disposição do presidente eleito em distribuir.  […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies