Independência do Banco Central vai acabar? Entenda melhor aqui

Cotações por TradingView
2021-08-03T09:55:09-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Entrevista

Enquanto aguarda a melhor safra para o IPO na B3, a Wine aposta no avanço do vinho pelo interior do país

Wine pode retomar os planos de IPO antes do período pré-eleitoral que costuma fechar a janela para as ofertas de ações, segundo Marcelo D’Arienzo, CEO da empresa de e-commerce de vinhos

3 de agosto de 2021
6:03 - atualizado às 9:55
Marcelo D'Arienzo, CEO da Wine
Marcelo D'Arienzo, CEO da Wine - Imagem: Celso Doni

Você conhece um ex-tomador de vinho? Desde o começo da pandemia, mais de sete milhões de brasileiros descobriram a bebida. E para Marcelo D'Arienzo, CEO da Wine, eles provavelmente manterão o hábito durante toda a vida.

D’Arienzo conta com a fidelidade do consumidor para sustentar o crescimento da empresa de e-commerce responsável pelo maior clube de vinhos do país. Apenas nos últimos 12 meses, a Wine conquistou mais de 120 mil novos assinantes.

São quase 250 mil pessoas que recebem mensalmente em casa os vinhos selecionados pela empresa fundada em 2008 em Vila Velha (ES). Essa expansão se deu justamente na “base da pirâmide”, de pessoas que se tornam clientes a partir dos planos de entrada — com rótulos a partir de R$ 25,90 por unidade.

Os números que você acabou de ler se referem ao primeiro trimestre, data do último balanço publicado pela Wine, que agora é uma empresa de capital aberto.

Não por acaso, D’Arienzo foi bem cauteloso ao falar dos resultados durante a conversa que tivemos por videoconferência, da qual também participou Alexandre Magno, diretor de relações com investidores.

O plano original da Wine era abrir o capital com uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) na B3. Mas a operação ficou pelo caminho em meio à turbulência nos mercados no fim do ano passado.

O projeto de ter sócios não apenas no clube de vinho como da própria empresa na bolsa não acabou após a frustração da primeira tentativa. Assim como a seleção de um bom vinho depende da safra, o IPO da Wine também deve acontecer no momento apropriado.

“Com o capital aberto, queremos manter a conexão com os investidores para possivelmente realizar a operação enquanto o mercado estiver aberto.”

D’Arienzo não falou em datas, mas indicou que o processo pode ser retomado entre o quarto trimestre deste ano e os primeiros meses de 2022, antes do período pré-eleitoral que costuma fechar a janela para as ofertas de ações.

Uma alternativa que a companhia provavelmente vai adotar para agilizar a operação é realizar o IPO por meio de uma oferta restrita, que dispensa o registro prévio na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), desde que a operação seja limitada a até 50 investidores profissionais — que possuem pelo menos R$ 10 milhões em patrimônio. Nesse caso, o pequeno investidor só poderá comprar ações da empresa após a estreia no pregão.

Por falar em IPO, a nossa colunista Larissa Quaresma preparou um vídeo especial sobre a abertura de capital da Raízen (RAIZ4). Confira e aproveite para se increver no nosso canal:

Festa no interior

Enquanto não chega a hora de estrear na B3, a Wine mira o interior do país. Sem o dinheiro dos novos sócios na bolsa com o IPO, a empresa acabou adotando outro instrumento de mercado de capitais para financiar os planos mais imediatos de expansão: uma emissão de R$ 120 milhões em debêntures (títulos de dívida).

Os recursos foram usados para a aquisição da importadora Cantu. O negócio tem um objetivo estratégico: reforçar o canal de venda para bares, supermercados e restaurantes (B2B) da Wine.

A aquisição já coloca a empresa na liderança entre os importadores de vinho, em uma disputa “garrafa a garrafa” com a chilena Concha y Toro. Mas D’Arienzo diz que o mercado nacional ainda é muito pequeno para falar em concorrência.

Com a reabertura de bares e restaurantes diante do avanço do processo de vacinação, o B2B deve ser a principal avenida de crescimento do mercado no pós-pandemia.

A aquisição da Cantu também permitirá à companhia ganhar musculatura para avançar na distribuição de vinhos para cidades no interior.

“Muitos restaurantes médios de São Paulo ainda não têm nem carta de vinho. Essa é uma realidade dentro do Brasil.”

Leia também:

Duas lojas da Wine por mês

A Wine nasceu com o DNA da venda digital, que ganhou força na pandemia e deve ser outro caminho sem volta. Mas a empresa enxerga a abertura de lojas físicas tradicionais como outro diferencial no processo de crescimento.

Já são 13 unidades — a mais recente na Barra da Tijuca, no Rio — e o plano é manter um ritmo de uma a duas novas lojas por mês até 2022. Os locais são escolhidos onde há um “adensamento” de sócios do clube.

Loja da Wine na Barra da Tijuca, no Rio
Loja da Wine na Barra da Tijuca, no Rio

As lojas próximas aos assinantes permitem descentralizar o estoque e permitem a entrega das compras realizadas pelo aplicativo no mesmo dia. A proximidade se reflete em mais vendas. D’Arienzo diz que o consumo dos clientes pela rede física é 30% maior.

Do lado do clube de vinhos por assinatura, o carro-chefe da Wine, a estratégia é manter em campo o time que está vencendo, com investimentos em marketing e na expansão das assinaturas a partir da indicação feita pelos próprios usuários, que ganham desconto quando trazem novos membros.

Tudo isso tem um custo para a companhia. No primeiro trimestre deste ano, a Wine registrou um prejuízo de R$ 500 mil. Embora no vermelho, foi um resultado bem melhor que a perda de R$ 5,9 milhões do mesmo período de 2020.

Os primeiros balanços divulgados como companhia também deverão servir de treino para companhia, que a partir do momento em que tiver ações listadas na bolsa precisará lidar também os “sommeliers de balanço”.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

RAINHA DA RENDA FIXA

BB Seguridade (BBSE3) surfa alta da Selic e tem lucro 47% maior no 4T22; veja os números

9 de fevereiro de 2023 - 9:20

A holding que reúne as participações do Banco do Brasil (BBAS3) em seguros e previdência registrou lucro líquido de R$ 1,8 bilhão no quarto trimestre de 2022

ENTREVISTA

Eleitor de Lula contra Bolsonaro, Armínio Fraga vê risco de petista se atrapalhar na economia

9 de fevereiro de 2023 - 9:12

Ex-presidente do Banco Central sob FHC, Arminio Fraga vê ataques de Lula à autoridade monetária como ‘equívoco’

MERCADOS HOJE

Bolsa agora: Ibovespa futuro abre em alta e acompanha maior apetite do exterior; dólar recua

9 de fevereiro de 2023 - 7:05

RESUMO DO DIA: As bolsas de valores estrangeiras amanheceram no azul. Os investidores reagem a balanços positivos de empresas dos Estados Unidos e da Europa. Por aqui, o mercado prepara-se para o IPCA de janeiro. Também monitora a trégua na queda de braço entre o governo do presidente Lula e o Banco Central.

Lá vem bomba

Com Americanas no radar, analistas se preparam para o pior no balanço do Bradesco (BBDC4) no 4T22

9 de fevereiro de 2023 - 6:21

Bradesco publica resultados do quarto trimestre de 2022 nesta quinta-feira (9), após o fechamento do mercado

LOTERIAS

Mega-Sena sai pela primeira vez em 2023; veja de onde são os novos milionários brasileiros

9 de fevereiro de 2023 - 5:54

Mega-Sena estava acumulada desde o sorteio da virada; Lotofácil saiu para apostadores de 3 diferentes capitais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies