Menu
2021-06-09T12:56:48-03:00
Estadão Conteúdo
Em rota de colisão

Na mira da Azul, Latam pede adiantamento de US$ 500 milhões em empréstimo

De acordo com a diretoria da empresa, os recursos do adiantamento estarão disponíveis em até 10 dias úteis após a solicitação

9 de junho de 2021
12:56
Avião da Latam
Imagem: Shutterstock

A diretoria da Latam Airlines decidiu, em reunião realizada na terça-feira, 8, pedir um adiantamento de US$ 500 milhões no âmbito do empréstimo debtor-in-possession (DIP) de US$ 2,45 bilhões que a aérea recebeu no ano passado. De acordo com a companhia, o adiantamento é necessário diante da extensão da crise provocada pela pandemia da covid-19.

O comunicado enviado à US Secutiries and Exchange Comission (SEC, a CVM americana) afirma que a decisão de pedir o repasse foi feita após uma análise das restrições a viagens nos países em que a Latam opera, assim como da situação de caixa da companhia. O Grupo Latam está em recuperação judicial (chapter 11) nos Estados Unidos desde maio de 2020, em consequência da pandemia.

De acordo com a diretoria da empresa, os recursos do adiantamento estarão disponíveis em até 10 dias úteis após a solicitação. No empréstimo, a Latam recebeu US$ 1,15 bilhão dos credores em desembolso feito em outubro do ano passado. O plano de financiamento incluía fundos como Oaktree, Knighthead, a aérea Qatar Airways e os grupos Cueto e Eblen, entre outros.

Em maio, a Latam operou com apenas 30,8% da capacidade de transporte que possuía no mesmo mês de 2019, anterior à pandemia da covid-19. Já a demanda pelos voos da companhia foi 25,6% da observada naquele período. Os dois números se referem a todos os países em que a empresa opera.

A Latam tem sido alvo de investidas de empresas rivais diante do agravamento de sua situação operacional e financeira. No último mês, a brasileira Azul tentou comprar a operação brasileira, a principal do grupo, mas a Latam recusou a venda. As duas empresas tinham um acordo de compartilhamento de voos que foi rompido em maio - a tentativa de compra ocorreu em paralelo.

A Azul tem buscado credores e alguns dos investidores do empréstimo DIP da Latam atrás de apoio para adquirir a rival, mas como mostrou a Coluna do Broadcast, o movimento não foi bem-sucedido. Esses agentes consideram que este não é o momento certo para vender a operação brasileira da aérea, que está com valor baixo por causa da crise. Mas a perspectiva de fusão não foi descartada.

Retomada

O pedido de recursos por parte da Latam acontece no momento em que a companhia continua a expandir as operações no mercado brasileiro de voos domésticos. Segundo a companhia, em junho, sua capacidade chegará a 62% do total observado em junho de 2019, antes da pandemia. Em maio, na comparação com o mesmo mês de 2019, a capacidade era de 49,8%.

A Latam informou, em nota, que operará uma média de 310 voos diários de passageiros no Brasil ao longo deste mês, e que nos voos para o exterior, quer operar 15% do total visto em 2019, voando para 11 destinos internacionais. A companhia ressalta, entretanto, que todas as estimativas estão sujeitas ao cenário da pandemia e das restrições impostas pelos países em que opera.

Em todo o Grupo, a Latam espera operar com 36% de sua capacidade total neste mês, também na comparação com o mesmo mês de 2019. Serão 691 voos diários de passageiros, em 14 países. Na operação de cargas, serão mil voos, alta de 20% em relação a dois anos atrás.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies