2021-01-09T17:09:40-03:00
Estadão Conteúdo
projeções

EUA: Temporada de balanços deve apontar queda de 12% nas receitas das empresas

Números seriam melhores do que os apresentados nos dois primeiros trimestres do ano, mas representam retração na comparação com o 3º trimestre

9 de janeiro de 2021
18:47 - atualizado às 17:09
Placa sinalizando Wall Street, centro financeiro dos EUA e que simboliza a bolsa e o mercado de ações do país
Com ajuda de Wall Street, Ibovespa sobe hoje puxado por commodities - Imagem: Shutterstock

J.P. Morgan, Citi, e outros bancos americanos vão iniciar a temporada de balanços do quarto trimestre de 2020 na próxima semana, e a maioria dos resultados das empresas que compõem o índice S&P 500 vêm na sequência do mês de janeiro. O mercado espera mais um período de baixa, com receitas caindo 12% na comparação com 2019 e vendas caindo 6%.

Os números seriam melhores do que os apresentados nos dois primeiros trimestres do ano, quando as empresas enfrentaram a maior parte dos lockdowns resultantes da pandemia do novo coronavírus.

Mesmo assim é uma retração na comparação com o terceiro trimestre, quando as receitas caíram 8,6% e vendas, 3%. A segunda onda da covid-19 pode ser apontada como a principal razão para o recuo.

Apesar disso, um trimestre ruim não deve importar muito. O viés positivo do mercado deixa os investidores satisfeitos em ignorar os percalços no caminho e focar na recuperação do pós-pandemia. A atenção deles está em como as empresas vão gerir esse futuro. Enquanto o otimismo prevalecer, o mercado acionário não deve sentir efeitos dos resultados trimestrais.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Mais do que isso, esta temporada de balanços deve ser a última desafiadora. Com o início de 2021, as comparações anuais vão ficar mais suaves. As companhias vão apresentar crescimento, precisando apenas superar os baixos patamares de 2020.

O mercado espera até que as receitas e lucros das empresas do S&P 500 quebrem os patamares recordes de 2019, mas isso somente para o segundo semestre, uma vez que a vacinação contra a covid-19 avançar e a economia reabrir.

A vacina é tudo o que importa por meses. O forte rali das ações desde o segundo trimestre não vem sendo sustentado por uma análise de fundamentos, mas sim precificando o mundo pós-pandemia, com políticas fiscais e monetárias abrangentes que ajudam a fazer essa transição.

Por setor

Ações de empresas cíclicas e sensíveis à economia – como energia e indústria – vêm liderando o mercado desde o outono (primavera no Brasil), mas analistas esperam que as maiores quedas anuais aconteçam exatamente com as companhias energéticas, com 148% de queda nos lucros do setor no quarto trimestre, enquanto vendas podem cair 35%.

Os papéis do setor tiveram valorização de aproximadamente 30% nos últimos três meses, sustentadas por melhores preços no petróleo, que ainda acumula perda de 30% no último ano.

No setor industrial, a estimativa é de queda de 39% nos lucros e 14% nas receitas. Esses números seriam melhores que os dois trimestres anteriores, com a recuperação no setor manufatureiro global acelerando no fim do ano. Avanços sobre os baixos patamares podem ser vistos como uma vitória para as empresas do segmento.

Os lucros devem voltar ao campo positivo no primeiro trimestre de 2021, com as vendas subindo no período seguinte. Isso pode explicar o rali de 12% das empresas do setor no S&P 500 nos últimos três meses. Caterpillar avançou 23% no período. A General Electric tem alta de 71% desde o início de outubro.

Alguns dos melhores desempenhos baseados em fundamentos devem vir dos setores de saúde, consumo e serviços básicos - os clássicos segmentos defensivos. Lucros e vendas de saúde devem subir 13,7% e 5,5%, respectivamente.

Consumo deve ter avanço de 11% em lucros, em cima de receitas um pouco maiores, enquanto utilities devem ter um salto de 9,5% em vendas, mas queda de 4% em lucros. Mesmo assim, ações de utilities caem 2,3% nos últimos três meses, enquanto consumo subiu apenas 1,7%. Enquanto o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) e o Congresso mantiverem os estímulos, não espere uma corrida por ações defensivas.

As ações de empresas de tecnologia, que desde o fim do ano vêm com desempenho pior que as cíclicas, devem ter uma temporada dura de lucros. O setor cresceu em vendas e lucros nos primeiros nove meses de 2020, mas agora enfrentam uma comparação difícil com o mesmo período de 2019, que foi de recorde. A estimativa é de queda de 6% em lucros e 10% em vendas.

A pressão nos papéis de tecnologia com múltiplos altos devem aumentar se os resultados decepcionarem os investidores. Elas não vão receber o benefício da dúvida como indústria e energia. Já as ações cíclicas, o ajuste deve vir só depois da pandemia. Só aí os investidores vão avaliá-las por seus fundamentos novamente.

Fonte: Dow Jones Newswires

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Análise SD

Jogou a toalha? Azul (AZUL4) critica plano de recuperação da LATAM e dá a entender que não vai aumentar a proposta

A Latam pretende injetar mais de US$ 8 bi com as medidas de seu plano de recuperação judicial, cifra superior à proposta pela Azul (AZUL4)

bitcoin (BTC) hoje

Alívio com variante da covid-19 chega primeiro ao mercado de criptomoedas e bitcoin (BTC) volta aos US$ 57 mil

O mercado de criptomoedas, que não para nunca, sentiu o alívio ainda no final do sábado (27) e segue em alta hoje

Radiocash

“Esses 4 milhões de pessoas na Bolsa vieram para ficar”, diz Gustavo Cerbasi

Com 16 livros publicados e 1,5 milhão de seguidores no Instagram, o ex-professor universitário encara com cautela a fama, e rejeita alguns rótulos

Ao acionista com carinho

Ação da Petrobras (PETR4) pode render 100% só em dividendos nos próximos cinco anos

Relação ‘risco-recompensa’ é como comparar um formigueiro ao Everest, avalia o UBS

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Preocupe-se menos com a volatilidade e mais com os fundamentos em si

O que preocupa mesmo é uma eventual perda permanente do capital, e não propriamente se tal ação ou título vai subir ou cair hoje