Menu
2021-05-03T17:19:42-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
As curvas da estrada de Santos

A Ecorodovias ficará com a Imigrantes até 2033 — e a CCR só comemora

3 de maio de 2021
17:19
Sistema Anchieta-Imigrantes, administrado pela Ecorodovias
Pelos termos do novo contrato, a Ecorodovias investirá R$ 1,1 bi no sistema Anchieta-Imigrantes até 2033; ações da CCR reagiram bem - Imagem: Shutterstock

Empresas como Ecorodovias e CCR têm um trunfo na manga: ao firmarem contratos de longo prazo para a exploração de concessões de infraestrutura, elas têm grande previsibilidade de fluxo de caixa — um chamariz para os investidores que não gostam de fortes emoções. Portanto, estamos falando de um setor sem maiores emoções, certo?

Bem... não é bem assim. Esse coringa só funciona se os contratos forem devidamente cumpridos por ambas as partes — e, infelizmente, rompimentos unilaterais são mais frequentes do que se imagina. De tempos em tempos, vemos autoridades estaduais e federais querendo mudar as regras no meio do jogo.

Afinal, o setor de concessões tem um potencial dividendo político a ser colhido. Cortes em tarifas de pedágio — ou, no mínimo, a postergação de aumentos nas praças — são temas de apelo popular. A ameaça de rompimento de contrato já foi usada inúmeras vezes para que os termos assinados lá atrás fossem desrespeitados.

E é claro que a insegurança jurídica representa um risco relevante ao setor: não há como calcular um fluxo de caixa se as cláusulas contratuais podem ser descumpridas. Mais que isso: ela afasta potenciais novos investidores — ora essas, quem teria interesse de assinar um termo bilionário de 30 anos com um governo que rasga contratos?

Tendo tudo isso em mente, a Ecorodovias anunciou ao mercado uma notícia que soou como música para os ouvidos do setor: depois de muitas disputas judiciais, assinou um termo aditivo com o governo de São Paulo para prorrogar o prazo de concessão da Ecovias, a administradora do sistema Anchieta-Imigrantes.

É claro que, para a Ecorodovias, a assinatura envolve compromissos de investimento e pagamentos às autoridades estaduais. Mas ela traz uma coisa ainda mais valiosa: a segurança jurídica.

Ecorodovias: mais sete anos

Antes de tudo, é preciso entender as condições do Termo Aditivo assinado entre as partes. Do lado do governo de São Paulo, houve a prorrogação até 2033 do contrato de concessão do sistema Anchieta-Imigrantes — a joia do portfólio da Ecorodovias.

Do lado da empresa, houve um comprometimento com mais R$ 1,1 bilhão em investimentos em obras e melhorias em todo o sistema, que liga a capital paulista à baixada santista. Além disso, a companhia irá depositar R$ 613 milhões ao governo estadual, como garantia.

Por fim, o Termo Aditivo também estabelece o fim das disputas judiciais entre a Ecorodovias e o governo de São Paulo, incluindo questões acerca do rebalanceamento dos contratos e outros atritos envolvendo as partes.

Esse tempo extra é fundamental para a Ecorodovias, uma vez que o sistema Anchieta-Imigrantes é responsável por uma fatia relevante da receita da companhia — trata-se, afinal, da concessão com maior fluxo de veículos e maior tíquete médio em termos de pedágio.

No quarto trimestre de 2020, por exemplo, a Ecovias respondeu por R$ 275,8 bilhões da receita bruta da Ecorodovias — o que representa 1/3 das receitas com pedágio de todo o grupo, composto por 10 concessionárias.

O contrato de concessão do sistema Anchieta-Imigrantes foi assinado em 1998 e, nos termos atuais, iria até 2025.

A CCR seguirá o mesmo caminho?

O mercado mostrou-se entusiasmado com a resolução encontrada entre governo de SP e Ecorodovias. As ações ON da companhia (ECOR3) chegaram a disparar mais de 9% logo após a abertura, indo ao patamar dos R$ 13,00. Mas, com o passar do dia, perderam força e fecharam em leve baixa.

Já as ações ON da CCR (CCRO3), por outro lado, sustentaram altas firmes ao longo do pregão, encerrando o dia com mais de 4% de ganhos — o melhor desempenho de todo o Ibovespa. O índice em si teve um dia bastante morno, pouco se afastando do zero a zero.

E o que explica essa forte reação das ações da CCR, considerando que o noticiário diz respeito à rival? Como falamos no início do texto, é uma questão de segurança jurídica: se a Ecorodovias conseguiu resolver suas pendências com o governo e prorrogar sua concessão, será que a CCR seguirá pelo mesmo caminho?

E a CCR tem diversas concessionárias nessa posição: a AutoBAn, que administra o sistema Anhanguera-Bandeirantes até 2026; a ViaOeste, responsável pelo sistema Raposo Tavares-Castello Branco até 2022; e a SPVias, com estradas que dão continuidade ao trecho da ViaOeste, até 2027.

Há, ainda, o imbróglio envolvendo a Nova Dutra, cuja concessão expirava em fevereiro deste ano, mas foi prorrogada por mais um ano — esse é um contrato assinado com a ANTT e o governo federal.

Dito isso, a possibilidade de renovação das concessões paulistas da CCR, somada ao portfólio mais variado da companhia, com aeroportos e mobilidade urbana, fizeram com que, ao menos hoje, os investidores optassem por aumentar as posições nas ações da empresa, e não da Ecorodovias.

O que os analistas acharam

Em relatório, o Bradesco BBI diz que os termos do contrato assinado entre Ecorodovias e governo de São Paulo ficaram um pouco abaixo do esperado, mas que, ainda assim, a notícia era bastante positiva para a companhia. Atualmente, o banco tem recomendação de compra e preço-alvo de R$ 16,00 — um potencial de alta de cerca de 33% em relação aos níveis atuais.

Itaú BBA e Santander foram pelo mesmo caminho: comemoraram a assinatura do termo aditivo e a maior tranquilidade no front da segurança jurídica. Veja abaixo as recomendações dos bancos para ECOR3:

  • Itaú BBA: compra e preço-alvo de R$ 16,00 (+33%)
  • Santander: compra e preço-alvo de R$ 16,40 (+37%)

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

cardápio dos balanços

Balanços de Copel, Braskem, Azul e outros mexem com o mercado nesta quinta; veja os destaques

Só no Ibovespa, foram ao menos cinco companhias que revelaram os resultados do primeiro trimestre entre esta quarta e quinta; desempenho mexe com os papéis das companhias

Exile on Wall Street

Investir de maneira inteligente ajuda (mas não garante) retorno

Quero voltar aqui rapidamente ao Day One de terça, quando o Felipe citou o Soros em sua melhor forma, o arquétipo do investidor autocrítico: “Toda posição tem uma ou mais vulnerabilidades.” “Se você acha sua exposição perfeita, cuidado; você apenas não entendeu direito.”  “Sempre existe algo escondido ali, alguma armadilha não percebida a priori. Suas chances de […]

Dentro do balanço

Mercado Livre adere ao bitcoin e coloca R$ 40 milhões da criptomoeda em caixa

O documento foi publicado na página da SEC, a CVM americana, porque a empresa de entregas é listada na Nasdaq

Briga na Casa

Tensão no Congresso: Senado busca reforma tributária ampla, mas Câmara quer fatiar

A divisão da proposta em quatro partes é defendida pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), com aval do ministro da Economia, Paulo Guedes, mas enfrenta resistências

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies