🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Renato Carvalho
Acordo que alivia

CCR vai pagar R$ 1,2 bilhão ao governo de São Paulo, e isso é bom para a empresa; saiba os motivos

Concessionárias AutoBan, SPVias e ViaOeste terão que pagar valores para encerrar discussão judicial sobre aditivos firmados em 2006, além de rever taxas de retorno em contratos

Rodovia dos Bandeirantes
Imagem: Governo de SP

Pagar um valor bilionário, revisar contratos, e assumir compromisso de fazer mais investimentos. Esta combinação, que poderia ser considerada um problema para a grande maioria das empresas, é vista pelos analistas como libertadora para a CCR.

A empresa anunciou um acordo com o governo de São Paulo para encerrar uma discussão judicial que envolve três de suas concessionárias de rodovias mais importantes.

AutoBan, que administra o sistema Anhanguera-Bandeirantes, ViaOeste, das rodovias Castello Branco e Raposo Tavares, e SPVias, que também administra 516 quilômetros em várias rodovias paulistas, terão que pagar um total de R$ 1,2 bilhão para o Estado.

Serão R$ 585 milhões da ViaOeste, R$ 352 milhões a serem pagos pela AutoBan e outros R$ 263 milhões pela SPVias. Todos os pagamentos devem ser feitos no prazo de 15 dias.

O governo de São Paulo vinha questionando aditivos firmados em 2006 pela Agência Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), com o objetivo de promover reequilíbrio financeiro dos contratos de concessão.

Posteriormente, o Estado pediu a anulação destes aditivos, alegando que eles beneficiavam as concessionárias de forma equivocada. A discussão chegou a ser levado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Além dos pagamentos acertados no acordo, as empresas terão que diminuir a Taxa Interna de Retorno (TIR) dos contratos, além de fazer novos investimentos nas rodovias que administram.

Mas então, por que a empresa e principalmente seus acionistas podem se beneficiar depois do acordo?

Os analistas explicam

O BTG Pactual e o Credit Suisse têm uma avaliação muito parecida quando se trata do Valor Presente Líquido a ser gerado pelo acordo.

Os bancos projetam que a CCR deve ganhar entre R$ 8,2 bilhões e R$ 8,3 bilhões em valor de mercado, ou cerca de R$ 4 por ação da companhia. Este valor corresponde a aproximadamente 30% do preço atual dos papéis.

Isso porque o fechamento do acordo tira da empresa um fator de risco futuro, já que era difícil prever o resultado de um eventual prolongamento das ações judiciais por parte do governo paulista.

A diferença entre os dois bancos estava nas expectativas. O Credit Suisse já havia precificado este ganho de valor resultante do acordo, enquanto o BTG não. A diferença está no preço-alvo estabelecido pelos dois bancos.

No suíço, o preço-alvo já estava em R$ 21,50, enquanto no BTG é de R$ 18. Em ambos, a recomendação já era de Compra, e não foram feitas atualizações na perspectiva para o valor da ação.

Sendo assim, o preço-alvo do Credit Suisse projeta uma valorização de quase 70% para a ação da CCR. Os analistas acreditam que a companhia terá que fazer investimentos adicionais da ordem de R$ 4,2 bilhões, com o contrato da AutoBan sendo renovado para até 2035.

“Levando-se em conta o cenário atual, esperamos que a CCR exerça um papel de protagonista nos leilões de infraestrutura que o governo federal vai lançar, se beneficiando de uma competição menor”, dizem os analistas do BTG.

Além disso, o banco acredita que o mercado ainda não se deu conta da grande mudança cultural que está em curso dentro da empresa, principalmente após as trocas recentes no alto escalão da CCR.

Compartilhe

DANÇA DAS CADEIRAS

CCR (CCRO3) já tem novos conselheiros e Roberto Setubal está entre eles — conheça a nova configuração da empresa

12 de setembro de 2022 - 19:45

Além do novo conselho de administração, a Andrade Gutierrez informou a conclusão da venda da fatia de 14,86% do capital da CCR para a Itaúsa e a Votorantim

TROCA DE COMANDO

CEO da CCR (CCRO3) renuncia ao cargo na véspera do leilão de aeroportos

17 de agosto de 2022 - 9:40

Apontada como favorita, a CCR vai ficar fora da disputa dos aeroportos, mas a saída de Marco Antonio Cauduro aparentemente não tem relação com esse fato

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de lucro de 6% em swing trade com Simpar (SIMH3) e ganhos de 4% em long & short com CCR (CCRO3) e Embraer (EMBR3)

21 de julho de 2022 - 8:16

Identifiquei uma oportunidade de swing trade com a Simpar (SIMH3) e uma oportunidade de long and short com CCR (CCRO3) e Embraer (EMBR3). Confira as recomendações

MOVIMENTAÇÃO ACIONÁRIA

Itaúsa (ITSA4) e Votorantim desembolsam R$ 4,1 bilhões por fatia da CCR (CCRO3); empresas pagaram prêmio de 14% por ações vendidas pela Andrade Gutierrez

5 de julho de 2022 - 19:25

Cada uma das duas holdings ficará com uma participação de 10,33% da companhia de concessões e administração rodoviária

AGORA VAI?

Itaúsa (ITSA4) e Votorantim querem pagar R$ 4,1 bilhões pela fatia da Andrade Gutierrez na CCR (CCRO3), um prêmio de 4,96% em relação ao fechamento de ontem

24 de março de 2022 - 6:52

Diante da proposta da Itaúsa e da Votorantim, controladores da CCR têm 60 dias para decidir se exercerão ou não o direito de preferência

PISTA LIVRE

CCR (CCRO3) ou EcoRodovias (ECOR3)? O Credit Suisse aponta qual a via mais rápida para o lucro na bolsa

5 de janeiro de 2022 - 11:06

O banco suíço tem recomendação de compra para ambas as empresas e vê potencial de alta de mais de 40% para as ações. Mas o portfólio de uma delas é visto como mais sólido no momento

PARADA NO ACOSTAMENTO

Credit Suisse coloca o pé no freio com a EcoRodovias: banco rebaixa recomendação para ECOR3 e corta preço-alvo; ação cai na bolsa

14 de dezembro de 2021 - 13:17

Alta dos juros e custos de captação mais elevados foram os principais motivos alegados pela instituição financeira para a revisão

É MELHOR CORRER

CCR (CCRO3) e Camil (CAML3) anunciam R$ 179 milhões em dividendos e ainda é possível garantir os proventos; veja como

25 de novembro de 2021 - 20:08

Confira os valores, a data de corte para garantir os proventos e também quando o dinheiro cairá na conta dos acionistas

Sem mudança na estrada

Nova Dutra, velho conhecido: CCR (CCRO3) vence o leilão e mantém a rodovia por mais 30 anos; ações dispararam na B3

29 de outubro de 2021 - 15:22

A CCR (CCRO3) ofereceu o maior desconto na tarifa de pedágio pela Dutra e, com isso, manteve a concessão da rodovia por mais 30 anos

Quem dá mais?

A CCR (CCRO3) e o leilão da Dutra: o que está em jogo para a companhia?

27 de outubro de 2021 - 5:42

A CCR (CCRO3) administra a Dutra desde 1996. Mas, com o novo leilão marcado para essa sexta (26), a empresa pode perder a concessão

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar