🔴 PRIO3 E +9 AÇÕES PARA COMPRAR AGORA – ASSISTA AQUI

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Movimentação societária

CCR em disparada: por que a saída da Andrade Gutierrez do bloco de controle ajuda as ações?

As ações ON da CCR lideram os ganhos no Ibovespa após a Andrade Gutierrez receber proposta para a venda de sua fatia na companhia

Praça de pedágio CCR MSVia Itaúsa ITSA4 Votorantim Dividendos
Imagem: Shutterstock

As ações ON da CCR (CCRO3) roubam a cena no pregão desta sexta-feira (7): disparam mais de 10% e lideram, com folgas, a ponta positiva do Ibovespa. E esse forte desempenho se deve à confirmação de uma notícia que já era especulada pelo mercado: a saída da Andrade Gutierrez do bloco societário da companhia.

E por que essa movimentação é tão relevante? Bem, é preciso antes entender a estrutura acionária da CCR e o perfil de seus sócios — e, para isso, vamos recorrer à última versão do acordo de acionistas da companhia, assinado em 2019.

Nesse documento, vemos que a empresa tem três sócios: Andrade Gutierrez, com 14,86% das ações ON; Mover (ex-Camargo Corrêa), com os mesmos 14,86%; e Soares Penido, com 15,05% — um bloco que corresponde a 44,77% do capital social total. O restante é negociado na B3.

Composição acionária CCR Andrade Gutierrez
Composição acionária da CCR

Não é segredo para ninguém que a Andrade Gutierrez passa por sérios problemas financeiros — a empresa foi um dos grandes alvos da Operação Lava Jato. E, por mais que a fatia detida na CCR seja um ativo valioso para a construtora, muitos acreditavam que era uma questão de tempo para que essa participação fosse vendida.

Pois o momento chegou: a Andrade Gutierrez recebeu uma proposta da IG4 Capital para a venda dos 14,86% da CCR — o que corresponde a pouco mais de 300 milhões de ações. Pelos termos da oferta, cada papel foi avaliado em R$ 15,44; a operação, assim, gira em torno dos R$ 4,6 bilhões.

E eu com isso?

Ok, a Andrade Gutierrez vai passar sua fatia na CCR adiante e levantar um grande volume de recursos. Bom para eles — mas por que isso é relevante para um acionista comum?

Há três questões a serem levadas em conta:

  1. Troca de sócio: a Andrade Gutierrez, como já foi dito, passa por dificuldades e não tem condições de fazer eventuais aportes ou investimentos na CCR;
  2. Bala na agulha: a IG4 Capital, por outro lado, é uma gestora focada em mercados emergentes e grande interesse em infraestrutura — eles são donos da Iguá Saneamento, que venceu uma das áreas do leilão da Cedae. Portanto, o potencial novo sócio tem condição financeira para investir;
  3. Preço da ação: ontem, as ações da CCR fecharam a R$ 12,12. Portanto, a oferta da IG4, de R$ 15,44, dá a entender que o novo sócio vê que os ativos estão subavaliados — o preço representa um prêmio de 27,4%.

Esses três fatores ajudam a explicar a disparada dos papéis da CCR, que hoje rondam o nível de R$ 14,50 e ficam mais próximos do valor proposto pela IG4 à Andrade Gutierrez.

CCR e Andrade Gutierrez: próximos passos

Essa operação, no entanto, ainda não foi consumada. Como a Andrade Gutierrez faz parte do acordo de acionistas da CCR, qualquer alienação deve ser analisada pelos demais signatários.

O contrato tem um termo simples: caso um dos sócios receba uma proposta de venda da participação, os demais terão até 30 dias para exercer o direito de preferência. Assim, caso Soares Penido ou Mover (ex-Camargo Corrêa) igualem a proposta da IG4, eles passarão na frente na disputa.

Essa incerteza quanto ao novo dono da fatia da Andrade Gutierrez ajuda a explicar a razão de as ações da CCR não se aproximarem ainda mais dos R$ 15,44 da proposta da IG4 — a perspectiva de um novo sócio anima o mercado, mas a possibilidade de um dos atuais controladores aumentar sua fatia é vista com alguma prudência.

Compartilhe

FRUTOS DA INVESTIGAÇÃO

Odebrecht e outras três construtoras investigadas na Lava Jato assinam acordo milionário com o Cade para evitar novas punições; saiba mais

8 de junho de 2022 - 17:23

As empresas e os executivos implicados se comprometeram a pagar R$ 454,9 milhões e colaborar com as apurações ainda em curso no orgão regulador

AGORA VAI?

Itaúsa (ITSA4) e Votorantim querem pagar R$ 4,1 bilhões pela fatia da Andrade Gutierrez na CCR (CCRO3), um prêmio de 4,96% em relação ao fechamento de ontem

24 de março de 2022 - 6:52

Diante da proposta da Itaúsa e da Votorantim, controladores da CCR têm 60 dias para decidir se exercerão ou não o direito de preferência

Decisão do Supremo

Marco Aurélio libera meio bilhão da Andrade Gutierrez que TCU havia bloqueado

21 de setembro de 2020 - 11:46

Indisponibilidade de bens foi decretada pela Corte de Contas em maio de 2018 no âmbito de auditoria que fiscalizou as obras civis da Usina Termonuclear de Angra 3, pelo prazo de um ano.

fim da história

Cade e Andrade Gutierrez fazem acordo para encerrar investigação de cartel

15 de abril de 2020 - 14:03

Empresa vai pagar R$ 8,2 milhões; investigação foi originada na Operação Lava Jato

Corrupção em SP

Lava Jato fecha acordo de leniência de R$ 214 milhões com Andrade Gutierrez

13 de novembro de 2019 - 18:58

Documento refere-se a ilícitos cometidos pela companhia em obras do Metrô de São Paulo, Prefeitura de São Paulo, CPTM, DERSA, EMTU e CODESP nos governos do PSDB

meio de conversa

Vale negocia recuperação de barragens com Andrade Gutierrez

15 de abril de 2019 - 14:59

Na semana passada, a mineradora acertou com a construtora fazer contrato de administração por obra; decisão ainda depende de aprovação do conselho de administração da Vale

Suspeitas

Diretor-geral da ANTT é alvo de busca e apreensão da Polícia Federal

11 de abril de 2019 - 11:35

Nomeado por Temer, Mário Rodrigues Júnior tem mandato até 2020; ele já foi citado na delação de executivos da Odebrecht, OAS e da Andrade Gutierrez

PF investiga Companhia Energética de MG

Nova fase da Operação Descarte apura desvio de dinheiro da Cemig

11 de abril de 2019 - 9:05

Polícia Federal apura a participação em fraude de executivos e acionistas da Andrade Gutierrez, Cemig, Renova e da Casa dos Ventos

Corrupção

Andrade Gutierrez assina acordo de leniência de R$ 1,49 bilhão com CGU e AGU

19 de dezembro de 2018 - 6:42

Desse montante, R$ 875 milhões correspondem a lucros obtidos ilegalmente, R$ 328 milhões equivalem à propina e os R$ 286 milhões restantes correspondem a uma multa administrativa

Reta final da novela

Cade aprova acordo de R$ 897,9 milhões para por fim aos processos da Lava Jato contra empreiteiras

21 de novembro de 2018 - 17:02

O maior valor a ser pago será o da Odebrecht, que vai desembolsar R$ 578,1 milhões referente a seis processos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies