Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-05-24T19:35:05-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Reorganização

Adeus B3? Banco Inter quer migrar para a Nasdaq e fecha acordo com a Stone

A instituição pretende fazer uma reorganização para listar suas ações na bolsa norte-americana e manter apenas recibos desses papéis (BDRs) negociados na B3

24 de maio de 2021
9:59 - atualizado às 19:35
Banco Inter cartão bandeira americana
Imagem: Julia Wiltgen com montagem de Andrei Morais

O Banco Inter está com as malas quase prontas para deixar a bolsa brasileira. A instituição pretende fazer uma reorganização para listar suas ações na Nasdaq e manter apenas recibos desses papéis (BDRs) negociados na B3.

O Inter anunciou ainda que fará uma nova oferta de ações para reforçar o balanço. E uma parte dos novos papéis já tem dono: a empresa de maquininhas de cartão e meios de pagamento Stone, que também possui ações listadas na Nasdaq.

A reação inicial dos investidores ao anúncio foi eufórica. As units do Inter (BIDI11) dispararam 25,79% no pregão desta segunda-feira (24), fechando a R$ 223,29. No ano, o ativo já acumula alta de 128,59%.

Lá fora, o banco passará a se chamar Inter Platform. O objetivo da mudança é claro: manter o controle do banco nas mãos da família Menin.

Após a operação, o Inter terá duas classes de ações: a primeira, que será negociada na Nasdaq, dará direito a um voto cada. Já a segunda, com o chamado "voto plural", ficará nas mãos do acionista controlador do Inter e seus filhos.

O plano do Inter prevê a incorporação e o resgate das ações negociadas hoje na B3 e a listagem na Nasdaq. Em troca, os atuais acionistas na bolsa brasileira poderão receber as novas ações da Inter Platform ou recibos de ações (BDRs) lastreados nesses papéis.

A Inter Platform pretende protocolar na CVM o pedido de registro do programa de BDRs, mas a própria instituição pondera que não é possível assegurar que o pedido será aprovado.

Como alternativa, os acionistas poderão receber o valor correspondente às ações em dinheiro, de acordo com um laudo de avaliação que ainda será contratado pelo Inter e escolhido pelos acionistas em assembleia.

O grupo controlador possui hoje 60% das ações com direito a voto (ON) do Inter, que encerrou o primeiro trimestre com mais de 10 milhões de correntistas de sua conta digital sem tarifas.

Mas a instituição claramente precisa se manter capitalizada para sustentar o forte ritmo de crescimento, e cada rodada que os controladores não acompanham representa uma diluição na sua participação.

Stone vem aí

Por falar em capitalização, o Inter anunciou que fará uma nova oferta pública de ações. A operação trará não apenas dinheiro novo como também um novo e importante parceiro: a Stone.

O valor total da oferta não foi revelado, mas a empresa de meios de pagamento se comprometeu a investir até R$ 2,5 bilhões para ficar com uma participação de 4,99% do capital total do Banco Inter.

Além do dinheiro, a Stone vai firmar um acordo de acionistas com a família Menin, que dará direito de preferência à empresa em caso de venda do controle do Inter, durante o prazo de seis anos.

A parceria entre as empresas vai se estender para o lado operacional. Entre as oportunidades que Stone e Inter pretendem estudar estão as seguintes:

  • Conectar os clientes da Stone ao Inter Shop, promovendo a digitalização desta base de clientes, e proporcionando uma experiência mais completa e uma jornada omnicanal para os clientes Inter;
  • Digitalizar a experiência de pagamentos entre clientes Inter e varejistas Stone, tanto online quanto offline;
  • Explorar oportunidades de cross-selling de produtos tais como crédito e meios de pagamento, que enriqueçam a experiência e proposta de valor para clientes de ambas companhias;
  • Alavancar a força do funding do Inter para maior eficiência nas ofertas de capital de giro da Stone.

Leia também:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O Ibovespa na contramão do mundo, o impulso das commodities, a pressão dos servidores públicos e tudo o que agitou os mercados nesta terça

Nada como uma perspectiva de aperto monetário para segurar o desempenho dos ativos de risco. E nesta terça-feira (18), os mercados financeiros americanos voltaram do feriado colocando nos preços a expectativa dos investidores com a alta dos juros e a redução dos estímulos monetários nos Estados Unidos. O resultado foi uma disparada nos juros futuros, […]

Fechamento Hoje

Ibovespa sobrevive a mar vermelho no exterior e consegue fechar em alta; avanço nos retornos dos Treasuries pesa nos juros e no câmbio

Principal índice da B3 lutou para se manter no lado positivo ao longo de todo o pregão, com ajuda das commodities; dólar, porém, também fechou em alta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies